Novo estudo sugere que vikings estiveram na América há exatamente mil anos

Os pesquisadores chegaram a uma data definitiva graças a duas fontes improváveis: madeira cortada e uma tempestade solar

Este edifício reconstruído da era Viking fica ao lado do local de L'Anse aux Meadows
Este edifício reconstruído da era Viking fica ao lado do local de L'Anse aux Meadows Glenn Nagel Photography/Shutterstock

Ashley Stricklandda CNN

Ouvir notícia

Os vikings usaram seus barcos para cruzar o Oceano Atlântico e se estabeleceram no Canadá já em 1021, de acordo com um novo estudo que fornece a primeira data exata dos europeus nas Américas.

O estudo examinou artefatos de madeira de um assentamento viking anteriormente não datado em Newfoundland, que fornece o registro mais antigo conhecido de humanos cruzando o Atlântico para chegar às Américas.

O local, conhecido como L’Anse aux Meadows, está localizado na península do norte de Newfoundland.

Os pesquisadores chegaram a uma data definitiva graças a duas fontes improváveis: madeira cortada e uma tempestade solar que ocorreu há mais de mil anos.

Quando os vikings chegaram a L’Anse aux Meadows, eles derrubaram árvores com lâminas de metal, que não eram produzidas pela população indígena que vivia na área na época. As peças de madeira, deixadas para trás no assentamento, vieram de três árvores diferentes.

Dentro dessas peças havia anéis de árvores – incluindo um marcador claro para o ano 993. No ano anterior, os cientistas sabiam que uma enorme tempestade solar ocorreu, liberando um fluxo de raios cósmicos, ou partículas altamente energéticas, do sol quase à velocidade de luz.

Isso deixou uma assinatura perceptível e distinta nos anéis das árvores no ano de 993.

“O aumento distinto na produção de radiocarbono que ocorreu entre 992 e 993 d.C. foi detectado em arquivos de anéis de árvores de todo o mundo”, disse Michael Dee, principal autor do estudo e professor associado de cronologia de isótopos na Universidade de Groningen, na Holanda.

Todos os três objetos de madeira mostram o mesmo sinal da tempestade solar exatamente 29 anéis de crescimento antes de encontrar a borda da casca.

“Encontrar o sinal dos 29 anéis de crescimento da tempestade solar na casca nos permitiu concluir que a atividade de corte ocorreu no ano 1021 d.C.”, disse Margot Kuitems, co-autora do estudo e pesquisadora de pós-doutorado na Universidade de Groningen.

Um estudo incluindo essas descobertas foi publicado quarta-feira (20) na revista Nature.

Esta imagem do microscópio mostra anéis dentro de um fragmento de madeira de L’Anse aux Meadows / Petra Doeve

Exploração global

Firmar esta data sugere que essa é a primeira presença conhecida de europeus nas Américas antes de Cristóvão Colombo, bem como a primeira evidência em toda a migração e exploração humana de que o Atlântico foi cruzado, disse Dee.

Os vikings também estabeleceram uma presença na Islândia e na Groenlândia, a oeste, antes de chegarem ao local de L’Anse aux Meadows.

“Acredita-se que os vikings se aventuraram a oeste para encontrar novas matérias-primas, principalmente madeira”, disse Dee. “Viajar entre os continentes em busca de tais materiais foi descrito como o primeiro passo da globalização.”

Embora o número exato de viagens às Américas, ou quanto tempo eles ficaram lá, não seja claro, as evidências atuais mostram que foi provavelmente uma estadia curta para os vikings.

Mas há evidências no sítio de L’Anse aux Meadows que mostram que os vikings exploraram áreas ao sul de Newfoundland enquanto estavam nas Américas.

As tentativas anteriores de entender quando os vikings alcançaram as Américas têm suas raízes nas sagas islandesas, mas essas já foram histórias orais escritas séculos depois de terem realmente ocorrido.

As sagas estão repletas de notas fantásticas, mas também apontam para encontros potenciais entre os vikings e os povos indígenas das Américas. Alguns desses eventos foram descritos como amáveis ​​e outros violentos.

Quando confrontado com textos medievais, incluindo um recentemente descoberto, parece que outros europeus sabiam que os vikings haviam alcançado uma nova terra do outro lado do Atlântico.

Combinar técnicas de pesquisa modernas e a descoberta de outros textos poderia ajudar a estabelecer uma linha do tempo para os vikings nas Américas, bem como para quem mais sabia sobre isso, disse Dee.

Esta vista aérea mostra edifícios reconstruídos perto de L’Anse aux Meadows / Russ Heinl Aerial Photography/Shutterstock

Retratando pegadas de Viking

Encontrar evidências arqueológicas para apoiar as histórias das sagas é muito mais difícil.

“Esta data funciona como um ponto de ancoragem para as sagas islandesas”, disse Dee. “Está quase de acordo com as estimativas de data com base nessas sagas e, portanto, adiciona alguma credibilidade às histórias que contêm sobre a exploração das Américas e a interação com os habitantes indígenas. Entretanto, é mais tarde do que a maioria dos especialistas em sagas teria esperado.”

Anteriormente, os pesquisadores acreditavam que os vikings estavam nas Américas no final dos anos 990 ou no início dos anos 1000.

“Isso significa que os vikings chegaram um pouco mais tarde, ou eles vieram e foram por um período mais longo, ou permaneceram no local por mais tempo do que a maioria esperava”, disse Dee.

O uso de eventos de raios cósmicos pode ajudar os pesquisadores a estudar e datar outros locais históricos considerados de origem viking ou medieval, porque há pelo menos dois eventos que ocorreram durante este período, em 775 e 993. Os pesquisadores também estão tentando rastrear outras tempestades solares, e até agora, eles confirmaram outra que ocorreu em 660 a.C..

Anteriormente, a equipe de Dee usou esse método de datação em outro local histórico com uma idade desconhecida antes da datação por radiocarbono do ano exato.

Olhando para o futuro, Dee e seus colegas querem se aprofundar na história da exploração nórdica do Atlântico Norte, disse ele. Eles já estão aplicando seu método de datação a outras “questões cronológicas” ao redor do mundo.

“Com o tempo, espera-se que tais pesquisas forneçam novos insights explicativos sobre a história do passado humano”, disse Dee.

Texto traduzido. Leia o original em inglês.

Mais Recentes da CNN