Novo porta-aviões da China pode ser lançado no início de 2022, mostra análise

Em imagens de satélite, o porta-aviões de alta tecnologia pode ser visto quase concluído em 23 de outubro, no estaleiro Jiangnan, em Xangai

Instalação dos principais componentes externos e interno parece estar concluída ou à beira da conclusão, diz Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais
Instalação dos principais componentes externos e interno parece estar concluída ou à beira da conclusão, diz Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais CSIS/High Resolution/Maxar Technologies 2021

Ben Westcottda CNN

Ouvir notícia

Um novo porta-aviões chinês com tecnologia quase igual aos seus homólogos americanos poderia ser lançado em fevereiro do próximo ano, de acordo com uma análise de imagens de satélite feita por um think-tank sediado em Washington.

Em imagens fornecidas pelo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), o porta-aviões — conhecido apenas como o Tipo 003 — pode ser visto quase concluído em 23 de outubro, no estaleiro Jiangnan, em Xangai.

A instalação dos principais componentes externos e internos, incluindo as centrais elétricas e o sistema de lançamento de aeronaves, parece estar concluída ou à beira da conclusão, disse o CSIS.

Apenas alguns itens adicionais — tais comoI sistemas de radar e de armas — ainda precisam ser instalados antes que o navio pudesse ir para o rio Yangtze, acrescentaram os analistas.

“Com base nas informações disponíveis e no progresso observado em Jiangnan, os autores estimam que o Tipo 003 será lançado entre três e seis meses”, disse o CSIS em um comentário publicado em 9 de novembro.

Uma vez pronto, o navio será o terceiro porta-aviões da China e o segundo a ser produzido domesticamente.

Mas, ao contrário de seus navios irmãos, o Liaoning e o Shandong, os especialistas disseram que o Tipo 003 apresentará uma tecnologia mais avançada de lançamento de aeronaves, na linha do sistema de catapulta usado pelos porta-aviões dos Estados Unidos.

Os novos lançadores permitirão à China lançar uma maior variedade de aviões do Tipo 003 com maior velocidade e mais munições.

Matthew Funaiole, membro sênior do Projeto China do CSIS, disse que o Tipo 003 seria a “primeira incursão dos militares chineses com um porta-aviões moderno”.

“Este é um passo bastante significativo”, disse. “Eles realmente se comprometeram a construir um porta-aviões, e continuam a ampliar os limites do que são capazes de fazer”.

Corrida armamentista

A China conta agora com a maior força naval do mundo, e os porta-aviões são os principais navios da frota de qualquer grande potência.

Os imensos navios são essencialmente uma base aérea móvel, permitindo a implantação rápida e de longo prazo de aeronaves e armamentos em um local de combate.

Mas seu valor não está somente em termos de capacidade de combate, disse Funaiole. Eles também têm grande valor em termos de prestígio diplomático e “projeção de poder”.

“A China quer ter uma marinha de classe mundial. Ela quer sinalizar ao mundo que tem uma marinha de classe (e) tentar convencer as nações da região ou do mundo inteiro de que está em pé de igualdade com os Estados Unidos”, disse ele.

E o símbolo do poder naval americano internacionalmente é sua frota de porta-aviões, acrescentou Funaiole.

O primeiro porta-aviões da China, o Liaoning, foi um navio inacabado da era soviética que Pequim comprou da Ucrânia em 1998, atualizado e finalmente comissionado em 2012.

porta-avião china *IMAGEM APENAS NESTA MATÉRIA*
Com o novo sistema de lançamento, a China pode posicionar uma nova mistura de aeronaves no mar, incluindo embarcações com aviões de alerta precoce e controle, navios-tanque e aviões de travamento eletrônico / Foto: STR/AFP/Getty Images

Os militares chineses usaram o conhecimento tecnológico adquirido com esse navio para construir seu primeiro porta-aviões doméstico, o Shandong, que entrou em serviço em dezembro de 2019.

Mas, embora os dois primeiros porta-aviões da China tenham aumentado seu poder naval, sua capacidade ainda estava muito atrás dos pertencentes aos EUA, que têm um total de 11 navios em serviço.

Além disso, tanto o Liaoning quanto o Shandong eram baseados em tecnologia soviética ultrapassada. Esses dois porta-aviões usavam o sistema de lançamento de salto em ski, onde os aviões simplesmente decolavam de uma ligeira rampa, enquanto os porta-aviões americanos usavam um sistema de catapulta mais avançado para lançar suas aeronaves.

As aeronaves lançadas por catapultas podem ser impulsionadas ao ar mais rapidamente e com maiores quantidades de combustível e munições, dando-lhes uma vantagem sobre os aviões lançados por saltos de ski, que dependem de sua própria potência ao decolar.

O Tipo 003 parece ter a mesma tecnologia de catapulta que os porta-aviões dos EUA, disse Funaiole, e pode até ter avançado para o uso de lançadores eletromagnéticos — superando os sistemas de lançamento baseados em vapor ainda usados em todos os navios, exceto nos mais novos dos EUA.

Com o novo sistema de lançamento, a China pode posicionar uma nova mistura de aeronaves no mar, incluindo embarcações com aviões de alerta precoce e controle, navios-tanque e aviões de travamento eletrônico.

Um relatório de pesquisa do Congresso dos EUA feito em outubro afirmou que o Tipo 003 deveria ter um deslocamento de cerca de 100.000 toneladas, comparável a um porta-aviões americano da mesma classe.

No entanto, apesar do avançado sistema de lançamento, Funaiole disse que ainda há sinais de que o porta-aviões chinês está atrasado em relação aos dos norte-americanos, que têm mais catapultas, uma via aérea maior e mais elevadores para permitir um posicionamento mais rápido das aeronaves.

Todos os porta-aviões norte-americanos também são movidos a energia nuclear, enquanto o Tipo 003, de acordo com Funaiole, funcionaria com propulsão a vapor convencional, o que limitaria seu alcance.

“(Embora) isto possa ser um fator menos importante para a China neste momento, pois muitos de seus interesses estão nos mares próximos”, disse.

Porta-aviões no Mar da China Meridional
Porta-aviões no Mar da China Meridional / Foto: Markus Castaneda/US Pacific Fleet

Vantagem naval dos EUA

De acordo com analistas, há um fator importante que permitirá que a frota americana se mantenha superior à da China no futuro próximo: a prática.

Os Estados Unidos operam porta-aviões tanto em combate como em tempos de paz desde antes da Segunda Guerra Mundial, e têm vasta experiência em tripular os navios e integrá-los ao resto de sua marinha.

“Estamos em operações de transportadoras há gerações após gerações e temos vários operadores, engenheiros e técnicos diferentes que trabalharam nelas, que podem transmitir esse conhecimento para aqueles que vierem depois delas”, disse Funaiole.

Em comparação, a China só opera porta-aviões desde 2012 e essa lacuna de experiência não é “algo que você possa simplesmente pular”, acrescentou Funaiole.

Alessio Patalano, professor de guerra e estratégia do King’s College, em Londres, disse que os porta-aviões modernos têm “capacidades incrivelmente complexas” e que o desenvolvimento da tecnologia está longe de usá-la com eficácia.

“Essa complexidade é resultado tanto da dificuldade de desenvolver e harmonizar tecnologias para operar asas aéreas a partir de uma plataforma móvel, quanto do desafio de construir um ‘grupo’ de navios de guerra para apoiá-la e protegê-la”, disse.

A China também tem pouca experiência em colocar em campo a combinação certa de navios de apoio no que a Marinha dos Estados Unidos chama de grupo de ataque de porta-aviões. Isso inclui destróieres e fragatas para fornecer defesa contra-ataques de submarinos e do ar, bem como ter navios para servir e abastecer os navios de combate que formam o grupo de ataque.

“Muito poucos países possuem transportadores, e menos ainda possuem transportadores que podem manter um ritmo operacional elevado, sob qualquer condição climática, noite e dia”, disse Patalano.

porta-avião china *IMAGEM APENAS NESTA MATÉRIA*
Inicialmente, o Departamento de Defesa dos EUA estimou que o Tipo 003 estaria pronto para serviço ativo em 2023, mas agora adiou essa data para 2024 / US Navy/Getty Images

Obtendo tecnologia mais recente

Assim que o Type 003 for lançado, ele precisará ser testado e totalmente equipado antes de estar apto para ser comissionado e entrar oficialmente em serviço.

Inicialmente, o Departamento de Defesa dos EUA estimou que o Tipo 003 estaria pronto para serviço ativo em 2023, mas agora adiou essa data para 2024.

O porta-aviões Shandong também levou dois anos desde o lançamento em 2017 até quando finalmente entrou em serviço em 2019. Além disso, se o porta-aviões Tipo 003 estiver usando tecnologia de lançamento eletromagnético para suas catapultas, pode ter dificuldades para operá-las.

Até mesmo os EUA tiveram dificuldade em utilizar o mesmo sistema em sua última operadora, a USS Gerald R. Ford, levando a longos atrasos na implantação. Depois, há a questão da aeronave mais recente para o novo porta-aviões.

“O desafio de julgar um programa de porta-aviões é olhar além da construção do navio”, disse Carl Schuster, ex-diretor de operações do Centro de Inteligência Conjunta do Comando do Pacífico dos EUA.

O protótipo do caça J-31 da China, uma aeronave de quinta geração semelhante aos F-35s da Marinha dos EUA, acaba de ser revelado, disse Schuster. Com vários anos de desenvolvimento do J-31 restantes e, em seguida, formando uma asa de ar desdobrável depois disso, Schuster estima que 2026 antes que o Tipo 003 esteja totalmente operacional.

A Funaiole disse que ainda não há sinais de construção de um quarto porta-aviões chinês, embora haja rumores de que um esteja sendo desenvolvido ou construído. “Não vi nenhuma evidência visual disso”, disse ele.

Além disso, a Funaiole disse que o estaleiro Jiangnan estava mostrando evidências de uma mudança no ritmo acelerado de construção naval militar visto nos últimos anos.

As imagens de satélite pareciam mostrar um foco renovado nas encomendas de navios comerciais — incluindo navios de carga e petroleiros — em vez de produzir novos navios para a Marinha de Libertação do Povo.

Mas Funaiole disse que, em vez de desacelerar o desenvolvimento naval da China, o prédio comercial pode estar ajudando.
“(Este) impulso massivo para a produção comercial é valioso”, disse ele. “Isso gera uma receita importante e parte dessa receita provavelmente ajuda a impulsionar a modernização militar.”

Brad Lendon, da CNN, contribuiu para essa reportagem.

*Esta é uma matéria traduzida. Leia a original, em inglês

Mais Recentes da CNN