Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O que é a Bastilha na Revolução Francesa?

    Feriado nacional na França, 14 de julho marca a data e o evento que incitou a Revolução Francesa em 1789

    A tomada da Bastilha, 14 de julho de 1789. Revolução Francesa, França, século XVIII.
    A tomada da Bastilha, 14 de julho de 1789. Revolução Francesa, França, século XVIII. DeAgostini/Getty Images

    Ryan PriorErin Davisda CNN

    O Dia da Bastilha celebra a tomada do poder do regime tirânico pelo povo.

    Altos impostos e um verão de fome levaram os cidadãos franceses a invadir o castelo da Bastilha em 14 de julho de 1789, uma fortaleza militar e prisão. A apreensão representou a resistência contra os Bourbons, a tirânica monarquia francesa.

    A Bastilha foi um dos principais eventos que incitaram a Revolução Francesa.

    Hoje, é comemorado com fogos de artifício e desfiles. Mas o dia da Bastilha é muito mais do que um feriado nacional – ele promoveu uma cultura de desobediência civil na França que inspirou incontáveis ​​revoltas, levantes e manifestações durante séculos. 

    Por que aconteceu

    O rei Luís XVI e Maria Antonieta não eram amados pelo povo francês. Na verdade, seu reinado terminou com decapitação na guilhotina (e eles não seriam os únicos). Mas as preocupações que levaram a uma revolução total foram muito além desses dois líderes inadequados.

    Os gastos extravagantes de Luís e Antonieta foram rivalizados apenas por suas dívidas ainda mais extravagantes, que herdaram da regra anterior.

    Na década de 1780, o desemprego, a escassez de alimentos e os altos impostos deixaram os plebeus desesperados e indigentes, enquanto a rica nobreza permaneceu intocada.

    Quando a monarquia começou a sentir a pressão, Luís encarregou os Estados Gerais, o órgão legislativo do país, de elaborar um novo plano tributário.

    O Terceiro Estado (a parte não nobre da assembléia) então se separou dos nobres e do clero e exigiu uma constituição escrita. Isso resultou na criação da Assembleia Nacional.

    No entanto, quando Luís expulsou o ministro das Finanças, Jacques Necker, um popular não-nobre, não muito tempo depois, a resposta foi explosiva.

    Manifestantes franceses encheram as ruas e entraram em confronto com soldados monarquistas, incendiando postos alfandegários e saqueando a cidade em busca de comida e armas. Eventualmente, a multidão que se formou saqueou o hospital militar Hôtel des Invalides antes de se concentrar em coisas maiores.

    A multidão marchou sobre a Bastilha, onde seu governador, Bernard-Rene de Launay, se escondeu. Ele concordou em negociar com os delegados, mas eventualmente os manifestantes invadiram e de Launay deu ordem para atirar na multidão.

    Os revolucionários sofreram grandes perdas, mas acabaram tomando a fortaleza depois de várias horas.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original