Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O que é a Torre 22, onde as tropas americanas foram atacadas na Jordânia

    Ataque com drones matou três militares americanos e feriu mais de 40

    Imagem de satélite mostra a base americana "Tower 22", na Jordânia, que foi alvo de ataque de drone que matou 3 militares dos EUA.
    Imagem de satélite mostra a base americana "Tower 22", na Jordânia, que foi alvo de ataque de drone que matou 3 militares dos EUA. Planet Labs PBC

    Reuters

    Três soldados dos Estados Unidos foram mortos e dezenas ficaram feridos depois que um drone atingiu um posto militar avançado na Jordânia conhecido como Torre 22.

    Aqui está o que se sabe sobre a base:

    Localização

    A Torre 22 ocupa uma localização estrategicamente importante na Jordânia, no ponto mais a nordeste, onde as fronteiras do país encontram a Síria e o Iraque.

    Função

    Pouco se sabe publicamente sobre a base. Mas inclui apoio logístico e há 350 soldados do exército e da Força Aérea dos EUA na base.

    A Torre 22 fica perto da guarnição de Al Tanf, localizada do outro lado da fronteira com a Síria, e que abriga um pequeno número de soldados americanos. Tanf foi fundamental na luta contra o Estado Islâmico e assumiu um papel como parte de uma estratégia dos EUA para conter o aumento militar do Irã no leste da Síria.

    A Torre 22 está localizada perto o suficiente das tropas americanas em Tanf para que possa potencialmente ajudar a apoiá-las, ao mesmo tempo que combate potencialmente os militantes na área financiados pelo Irã e permite que as tropas fiquem de olho nos remanescentes do Estado Islâmico na região.

    Tropas americanas na Jordânia

    O exército da Jordânia é um dos maiores beneficiários do financiamento militar estrangeiro de Washington.

    O reino tem centenas de treinadores dos EUA e é um dos poucos aliados regionais que realiza extensos exercícios com tropas americanas ao longo do ano.

    Desde o início do conflito sírio em 2011, Washington gastou centenas de milhões de dólares para ajudar Amã a criar um elaborado sistema de vigilância conhecido como Programa de Segurança de Fronteira, para impedir a infiltração de militantes da Síria e do Iraque.

    Muitos detalhes desconhecidos

    Não está claro que tipo de armas são mantidas na base, as defesas aéreas usadas e o que exatamente deu errado.