Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O que é o Hamas e por que essa organização ataca Israel?

    Ataque ao país de maioria judia é considerado por especialistas uma virada no conflito entre Palestina e Israel que se arrasta há décadas

    Braço armado do Hamas, Brigadas Izz ad-Din al-Qassam seguram bandeira palestina enquanto destroem tanque das forças israelenses na Cidade de Gaza em 7 de outubro
    Braço armado do Hamas, Brigadas Izz ad-Din al-Qassam seguram bandeira palestina enquanto destroem tanque das forças israelenses na Cidade de Gaza em 7 de outubro Foto de Hani Alshaer/Anadolu Agency via Getty Images

    Nadeen Ebrahimda CNN

    O ataque do grupo palestino Hamas a Israel, que começou no sábado (7), será visto como um ponto de virada no conflito palestino-israelense, com repercussões de longo alcance, dizem analistas consultados pela CNN.

    O ataque do Hamas usou de cerca de 1.000 militantes que infiltrarem-se no território israelita e mataram centenas de soldados e civis, e fizeram centenas de reféns. O grupo islâmico é considerado terrorista pelos Estados Unidos e a União Europeia.

    O ataque foi diferente de tudo que Israel tinha visto desde a guerra árabe-israelense em 1948.

    Israel prometeu vingança, com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu. O Hamas disse que estava preparado para todos os cenários.

    “As coisas vão mudar para sempre”, disse Kobi Michael, pesquisador do Instituto de Estudos de Segurança Nacional (INSS) em Tel Aviv. Não há nada na história de Israel que se compare a este ataque, disse ele.

    “O Hamas não será mais o Hamas que conhecíamos anos atrás”, disse Michael, que anteriormente atuou como vice-diretor-geral e chefe do departamento palestino no Ministério de Assuntos Estratégicos de Israel, à CNN.

    O Hamas disse que o ataque foi uma retribuição pelo que descreveu como ataques às mulheres, a profanação da mesquita de al-Aqsa em Jerusalém e o cerco em curso a Gaza.

    O que é o Hamas?

    Organização islâmica com ala militar, o Hamas surgiu pela primeira vez em 1987. Era um desdobramento da Irmandade Muçulmana, um grupo islâmico sunita fundado no final da década de 1920 no Egito.

    A própria palavra “Hamas” é um acrônimo para “Harakat Al-Muqawama Al-Islamiyya” – que em tradução livre significa “Movimento de Resistência Islâmica”. O grupo, tal como a maioria das facções e partidos políticos palestinos, insiste que Israel é uma potência colonizadora e que seu objetivo é libertar os territórios palestinos das garras de Israel.

    Ao contrário de algumas outras facções palestinas, o Hamas recusa-se a dialogar com Israel. Em 1993, opôs-se aos Acordos de Oslo, um pacto de paz entre Israel e a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) que desistiu da resistência armada contra Israel em troca de promessas de um Estado palestino independente ao lado de Israel. Os Acordos também estabeleceram a Autoridade Palestina (AP) na Cisjordânia ocupada por Israel.

    O Hamas apresenta-se como uma alternativa à AP, que reconheceu Israel e se envolveu em múltiplas iniciativas de paz fracassadas. A AP, cuja credibilidade entre os palestinos tem sofrido ao longo dos anos, é liderada pelo Presidente Mahmoud Abbas.

    Ao longo dos anos, o Hamas reivindicou muitos ataques a Israel e foi designado como organização terrorista pelos Estados Unidos, pela União Europeia e por Israel.

    O Departamento de Estado dos EUA disse em 2021 que o Hamas recebe financiamento, armas e treino do Irã, bem como alguns fundos que são angariados nos países do Golfo Árabe. O grupo também recebe doações de alguns palestinos, de outros expatriados e de suas próprias organizações de caridade, afirmou.

    Em Abril, o Ministro da Defesa israelita, Yoav Gallant, sugeriu que o Irã fornecesse ao Hamas cerca de 100 milhões de dólares anualmente.

    Qual foi a estratégia do Hamas na realização dos ataques?

    Ao empreender um ataque tão devastador, o objetivo principal do grupo teria sido abalar dramaticamente o status quo, dizem os especialistas: Israel mantém um cerco apertado a Gaza e continua a ocupar a Cisjordânia, como se fosse soberana sobre esse território palestino.

    Um objetivo seria colocar a questão palestina de volta na agenda regional e internacional, disse Khaled Elgindy, pesquisador do Instituto do Oriente Médio e diretor do Programa sobre Palestina e Assuntos Israel-Palestina.

    “As pessoas abandonaram a questão palestina”, disse Elgindy à CNN. “O novo jogo é a normalização saudita-israelense e esta nova integração regional.”

    Imagens de satélite mostram ataques na Faixa de Gaza e em Israel

    O príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, reconheceu pela primeira vez no mês passado que estavam em curso negociações com Washington para estabelecer laços com Israel. A normalização saudita-israelense poderá ser um momento marcante para a legitimidade regional de Israel, pois poderá levar outros países muçulmanos a seguirem o exemplo. A Arábia Saudita já havia prometido não reconhecer Israel até que este concedesse independência aos palestinos.

    Elgindy disse que, até certo ponto, o Hamas conseguiu atingir o seu objetivo de trazer de volta a atenção para a causa palestina.

    O Hamas também pode estar tentando desqualificar quaisquer concepções sobre as suas capacidades militares, dizem os analistas.

    O Hamas desferiu “um golpe profundo a Israel” e também pode mostrar as suas capacidades, disse Omar Rahman, membro do Conselho de Assuntos Globais do Oriente Médio que se concentra em assuntos palestinos. As suas tácticas de choque são uma declaração de que “deve ser levada mais a sério”, disse Rahman.

    Os militares israelenses disseram na segunda-feira (9) que o Hamas fez “dezenas” de reféns, ao que a o grupo terrorista desmentiu, alegando que sequestrou mais de 100 pessoas. O número de reféns feitos e o fato de muitos serem civis mostram que o Hamas procura muito mais do que uma troca de prisioneiros, disseram os especialistas. Em uma situação anterior de rapto, Israel trocou mais de 1.000 prisioneiros por um refém israelita.

    O grande número de reféns garante que “esta não é uma disputa militar de curta duração que desaparecerá e será esquecida”, disse Rahman, “mas que tem implicações políticas a longo prazo”.

    Como parte da sua campanha contra Israel, o Hamas produziu vídeos de propaganda engenhosos que documentavam passo a passo o seu ataque a Israel. Em alguns vídeos, os seus combatentes usavam câmaras corporais para filmar as operações enquanto atravessavam as fortificações israelitas e eram vistos vestidos com uniformes de comando.

    Essa é a chave para a guerra de propaganda do grupo, dizem os analistas, que serve uma série de objetivos.

    Veja como funciona o sistema antimíssil de Israel / CNN

    Por um lado, é para “aumentar o medo” entre o público israelita e sugerir que os seus líderes não podem mantê-los seguros, disse Elgindy. “Isso será um choque porque os israelitas têm um enorme orgulho nas suas forças armadas e nas suas capacidades de inteligência.”

    Por outro lado, destina-se também ao consumo interno palestino. O Hamas está há muito envolvido em uma guerra política com a Autoridade Palestina, que governa a Cisjordânia e se envolve na coordenação de segurança com Israel.

    O objetivo é mostrar aos palestinos que “enquanto estiver lá, Abu Mazen Mahmoud Abbas [presidente da Autoridade Palestina] está basicamente dormindo ao volante, nós somos a verdadeira resistência, e estamos realmente fazendo alguma coisa”, disse Elgindy à CNN sobre Hamas.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original