Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O que se sabe sobre o ataque a Paul Pelosi

    Homem de 42 anos invadiu residência dele e entrou em confronto com o marido de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Estados Unidos

    Nancy Pelosi e o marido Paul em Washington
    Nancy Pelosi e o marido Paul em Washington 8/12/2019 REUTERS/Joshua Roberts

    Devan Coleda CNN*

    Washington

    O homem que supostamente atacou Paul Pelosi, marido da presidente da Câmara dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, deve ter acusações federais apresentadas contra ele pelo procurador dos EUA em São Francisco na segunda-feira (31), disseram duas fontes familiarizadas com o assunto à CNN.

    David DePape, de 42 anos, enfrenta acusações potenciais de tentativa de homicídio, agressão com arma mortal, abuso contra idosos, roubo e outros crimes relacionados ao ataque na manhã de sexta-feira (28) na casa do casal em São Francisco.

    Paul Pelosi foi ouvido neste fim de semana no hospital por investigadores e conseguiu fornecer detalhes do ataque, disseram à CNN duas fontes policiais e uma fonte familiarizada com o assunto. Entre os que conduziram a entrevista estavam os investigadores do FBI e da polícia local.

    O suposto motivo de DePape ainda não é conhecido, embora a polícia acredite que ele entrou intencionalmente na casa. A CNN informou que ele postou memes e teorias da conspiração no Facebook sobre vacinas contra a Covid-19, a eleição de 2020 e sobre a invasão ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021.

    O ataque renovou as discussões sobre a retórica violenta dirigida aos legisladores, com os democratas pedindo aos republicanos que condenem com força a linguagem extremista em seu campo, bem como as preocupações com a segurança dos legisladores.

    Veja o que se sabe atualmente sobre o ataque.

    DePape estava carregando abraçadeiras e fita adesiva, dizem fontes

    A CNN informou no domingo (30) que DePape tinha com ele uma bolsa que continha múltiplas abraçadeiras “fita hellerman”, entre outras coisas, de acordo com duas fontes que foram informadas sobre o incidente.

    Além das abraçadeiras, o suspeito também tinha fita adesiva com ele, de acordo com uma fonte policial. O martelo que foi usado para supostamente agredir Pelosi foi trazido por DePape, de acordo com uma fonte da polícia e um assessor do Congresso informado sobre o ataque.

    Nenhuma das fontes sabia se houveram outras armas encontradas quando DePape foi detido. A CNN informou anteriormente que DePape supostamente tentou amarrar Pelosi.

    A polícia disse que DePape entrou na casa por uma porta dos fundos e não ficou claro se ele contornou alguma medida de segurança.

    A CNN informou anteriormente que DePape confrontou Pelosi e perguntou onde sua esposa estava, gritando: “Onde está Nancy?”. Ela não estava em casa no momento do ataque.

    Presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi / 29/07/2022 REUTERS/Jonathan Ernst

    Paul Pelosi conseguiu ligar para o 911 no início do ataque, disseram anteriormente uma fonte da lei e outra fonte familiarizada com o assunto.

    A polícia de São Francisco entrou na casa por volta das 2h27, horário local, de sexta-feira para encontrar Pelosi lutando com DePape, que estava com um martelo, de acordo com o chefe de polícia da cidade. Os agentes viram DePape “atacar violentamente” Pelosi com o martelo antes de conseguirem jogá-lo no chão e prendê-lo.

    Temores renovados de violência política

    O ataque, ocorrido na reta final de uma temporada de campanha de meio de mandato em que Nancy Pelosi muitas vezes serviu como foco de críticas republicanas, renovou as preocupações sobre a violência direcionada aos legisladores, especialmente após a invasão do Capitólio em 6 de janeiro de 2021.

    “O que nos faz pensar que um partido pode falar sobre ‘eleições roubadas’, ‘Covid ser uma farsa’, ‘isso é tudo um monte de mentiras’ e não afetar pessoas que podem não ser tão equilibradas?”, disse o presidente Joe Biden na sexta-feira.

    “O que nos faz pensar que isso não vai corroer o clima político?”.

    O deputado do Partido Republicano James Comer, do Kentucky, que deve se tornar presidente do Comitê de Supervisão da Câmara se o Partido Republicano ganhar o controle da Câmara no próximo ano, condenou o ataque em comentários à CNN no sábado (29) e disse que tanto os republicanos quanto os democratas precisam diminuir o tom da retórica política, embora admitindo que ele também poderia melhorar nesse aspecto.

    “É um ambiente muito difícil lá fora. Existem muitas pessoas que ficam tão empolgadas, por causa de várias causas políticas. Isso coloca muitos políticos em uma situação perigosa”, disse ele à Pamela Brown, da CNN.

    Resposta mista dos republicanos

    Vários republicanos proeminentes, incluindo o líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, condenaram o ataque, embora alguns outros – principalmente o ex-presidente Donald Trump – tenham permanecido em silêncio.

    O senador da Flórida Rick Scott, que preside o braço de campanha dos republicanos no Senado, disse a Dana Bash, da CNN, no domingo, que o ataque foi “repugnante”, mas evitou perguntas sobre teorias da conspiração eleitorais que foram compartilhadas pelo suposto agressor em mídia social.

    Nancy Pelosi e o marido Paul Pelosi / Reprodução

    Questionado por Bash se seu partido deveria fazer mais para rejeitar as falsas teorias da conspiração sobre a eleição de 2020 e a insurreição de 6 de janeiro de 2021 que foram compartilhadas nas mídias sociais por DePape, Scott não respondeu diretamente.

    E o deputado de Minnesota, Tom Emmer, presidente do braço de campanha do Partido Republicano na Câmara, condenou amplamente a violência em uma entrevista à CBS no domingo, mas se recusou a se comprometer a retirar anúncios direcionados contra Nancy Pelosi.

    Emmer também não se comprometeu a retirar um tweet recente, que incluía um vídeo dele disparando uma arma que dizia: “Gostei de exercer meus direitos da Segunda Emenda […] Vamos #FirePelosi (Demitir Pelosi, na tradução livre)”, dizendo à CBS que discordava que o tweet era perigoso.

    DePape postou várias teorias da conspiração online

    Uma investigação da CNN sobre DePape descobriu que ele postou memes e teorias da conspiração no Facebook sobre vacinas contra a Covid-19, a eleição de 2020 e o ataque de 6 de janeiro de 2021 ao Capitólio.

    A maioria das postagens públicas na página do Facebook de DePape era de 2021. Em anos anteriores, DePape também postou longas mensagens sobre religião, incluindo alegações de que “Jesus é o anticristo”. Nenhuma das postagens públicas parecia mencionar Pelosi.

    Seu padrasto, Gene DePape, disse que David DePape cresceu em Powell River, British Columbia, e deixou o Canadá há cerca de 20 anos atrás de um relacionamento que o levou para a Califórnia.

    Pessoas que conheciam DePape na Califórnia o descreveram como uma pessoa estranha, com uma conhecida, Linda Schneider, moradora da Califórnia, dizendo à CNN que ela havia recebido e-mails “realmente perturbadores” de DePape nos quais ele parecia um “megalomaníaco e tão fora de contato com a realidade”.

    Ela disse que parou de se comunicar com ele “porque parecia muito perigoso”, acrescentando que se lembrava dele “usando justificativa bíblica para causar danos”.

     

    *Com informações de Stephen Collinson, Jamie Gangel, Whitney Wild, Daniella Diaz, Shawna Mizelle, Casey Tolan, Curt Devine, Daniel A. Medina, Majlie de Puy Kamp e Evan Perez, da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original