Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Oceanos atingiram temperatura mais alta já registrada com aproximação do El Niño

    Tendência de aumento das temperaturas preocupa os especialistas, já que previsões indicam que o El Niño deve chegar nos próximos meses trazendo calor extremo, ciclones tropicais e ameaça aos recifes de corais; veja seis extremos climáticos a se observar

    Blocos de gelo no Estreito de Fram, entre a Groenlândia e Svalbard, a principal porta pela qual o gelo marinho deixa o Oceano Ártico. O gelo marinho no Ártico está diminuindo drasticamente à medida que a região esquenta.
    Blocos de gelo no Estreito de Fram, entre a Groenlândia e Svalbard, a principal porta pela qual o gelo marinho deixa o Oceano Ártico. O gelo marinho no Ártico está diminuindo drasticamente à medida que a região esquenta. Foto: Brice Laine/CNN

    Laura PaddisonRachel Ramirezda CNN

    Os cientistas observaram com espanto como as temperaturas do oceano aumentaram constantemente nos últimos anos – mesmo quando o fenômeno de resfriamento La Niña teve um forte controle sobre o Pacífico.

    Os oceanos têm registrado recordes de calor nos últimos quatro anos, relataram cientistas em janeiro. Então, em meados de março, os climatologistas notaram que a temperatura global da superfície do mar atingiu um novo recorde.

    A incrível tendência preocupa os especialistas sobre o que pode estar por vir, especialmente porque as previsões indicam que o El Niño está a caminho nos próximos meses – e junto com ele, impactos como calor extremo, perigosos ciclones tropicais e uma ameaça significativa aos frágeis recifes de corais.

    La Niña e El Niño são fenômenos naturais no Oceano Pacífico tropical; La Niña é marcada por temperaturas oceânicas mais frias que a média, enquanto o El Niño traz temperaturas mais quentes que a média. Ambos têm grande influência no clima em todo o mundo. E uma mudança para o El Niño quase certamente trará temperaturas globais mais quentes.

    Daniel Swain, cientista climático da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, disse que já existe uma “transição dramática” de La Niña para El Niño acontecendo no Pacífico tropical.

    “No momento, a atmosfera e o oceano estão em sincronia e gritando ‘rápido desenvolvimento do El Niño’ nos próximos meses”, disse ele.

    Os últimos três anos ainda foram alguns dos mais quentes já registrados, mesmo com o efeito de resfriamento do La Niña. “Agora estamos desligando isso”, disse o professor Adam Scaife, chefe de previsão de longo alcance do Met Office do Reino Unido, à CNN.

    Não está claro o quão forte será o próximo El Niño – algumas modelagens preveem que pode atingir superforça, outras sugerem que será mais moderado. Mas o que está claro é que, somados ao aquecimento global causado pelo homem, os sinais apontam para o El Niño causando impactos severos e sem precedentes em muitas partes do mundo.

    Aqui estão seis extremos climáticos a serem observados.

    O mundo pode ter 1,5 grau de aquecimento pela primeira vez

    O El Niño poderia – pela primeira vez – empurrar o mundo para além de 1,5 graus Celsius de aquecimento acima dos níveis pré-industriais de meados do século 19.

    Calor em São Paulo/ Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil

    Os países se comprometeram no Acordo Climático de Paris a limitar o aquecimento global bem abaixo de 2 graus – e de preferência a 1,5 grau – em comparação com as temperaturas pré-industriais.

    Os cientistas consideram 1,5 grau de aquecimento como um ponto de inflexão importante, além do qual as chances de inundações extremas, secas, incêndios florestais e escassez de alimentos podem aumentar drasticamente.

    Um forte El Niño poderia levar o planeta a esse ponto, disse Scaife, mesmo que apenas temporariamente.

    “Provavelmente teremos, em 2024, o ano mais quente já registrado no mundo”, disse Josef Ludescher, cientista sênior do Potsdam Institute for Climate Impact Research, à CNN. O ano mais quente registrado atualmente é 2016, que se seguiu a um forte El Niño.

    O mundo já viu cerca de 1,2 grau de aquecimento, enquanto os humanos continuam a queimar combustíveis fósseis e a produzir poluição que aquece o planeta. E apesar de três anos de resfriamento do La Niña, as temperaturas subiram para níveis perigosos.

    A Europa teve seu verão mais quente em 2022, com temperaturas acima de 40 graus Celsius e o Paquistão e a Índia experimentaram uma onda de calor escaldante, onde em partes do país as temperaturas atingiram mais de 49 graus Celsius.

    Em última análise, se o limite de 1,5 grau é atingido, ou quase, “realmente não importa”, disse Scaife. “É a primeira vez na história da humanidade que esse valor está ao nosso alcance – e esse é o ponto realmente significativo”.

    Qualquer que seja o nível exato de aquecimento que o El Niño traga, alguns de seus impactos – incluindo temperaturas extremas – provavelmente serão sem precedentes, disse Scaife. “Cada vez que temos um El Niño, estamos adicionando uma quantidade cada vez maior de aquecimento global que acumulamos”.

    Pode haver mais chuvas contra a seca no Oeste americano

    A Califórnia tem visto uma onda de chuva e neve nos últimos meses. Isso pode se intensificar durante o El Niño. A Califórnia já enfrenta potenciais ameaças de inundação nesta primavera, depois que uma neve recorde caiu na Sierra e chuvas torrenciais inundaram o resto do estado.

    Pedestre caminha em uma rua inundada em Kentfield, Califórnia. Um rio atmosférico de categoria 5 levou fortes chuvas e ventos para a área da baía de São Francisco. / Foto: Justin Sullivan/Getty Images

    Assim que o El Niño começar, grande parte do estado provavelmente verá uma chance elevada de chuvas acima do normal com um risco maior de inundações, deslizamentos de terra e erosão costeira, disseram especialistas à CNN.

    Poderia até fornecer “alívio significativo à seca” na bacia do rio Colorado, disse Brad Rippey, meteorologista do Departamento de Agricultura dos EUA.

    “Enquanto La Niña é historicamente um ‘criador de seca’ para os Estados Unidos continentais, o El Niño é um ‘quebra de seca’”, disse Rippey à CNN. “Embora a localização exata da seca, ou a falta dela, varie consideravelmente de evento para evento”.

    A situação no rio Colorado, que fornece água para beber, irrigação e eletricidade para cerca de 40 milhões de pessoas em todo o sudoeste, tem sido atormentada pelo uso excessivo e por uma seca provocada pelas mudanças climáticas. A crise hídrica tornou-se tão terrível que o governo federal anunciou, nos últimos dois anos, cortes obrigatórios de água nunca antes vistos.

    Jon Gottschalck, meteorologista-chefe do Centro de Previsão Climática da NOAA, ecoou Rippey, observando que uma corrente de jato mais forte e estendida do Pacífico – correntes de ar de fluxo rápido na atmosfera superior que influenciam o clima do dia-a-dia – poderia “elevar as chances de eventos como um tipo de rio atmosférico para a Costa Oeste”, ao mesmo tempo em que causa precipitação mais intensa no sul.

    Seca, calor e fogo em outros lugares

    Em outras partes do mundo, o El Niño pode amplificar secas, ondas de calor e incêndios florestais perigosos. A África do Sul e a Índia correm risco de seca e calor extremo, assim como nações próximas ao Pacífico Ocidental, incluindo Indonésia, Austrália e nações insulares do Pacífico, como Vanuatu e Fiji.

    Para a Austrália – ainda se recuperando de extensas inundações – o El Niño provavelmente trará um clima muito mais seco e quente, especialmente nas áreas orientais do país. Desde 1900, 18 dos 27 anos de El Niño significaram secas generalizadas no inverno e na primavera, disse um porta-voz do Bureau de Meteorologia da Austrália.

    Incêndios florestais no sudoeste da França / foto tirada em 15 de julho de 2022 /Folheto via REUTERS

    Suas recentes inundações também aumentaram os temores de uma temporada de incêndios florestais particularmente destrutiva, já que o aumento do crescimento da vegetação pode fornecer combustível para incêndios à medida que o clima fica mais seco e quente.

    A Índia também está se preparando para os impactos do El Niño, que pode enfraquecer as monções que trazem as chuvas das quais ela depende para encher os aquíferos e cultivar.

    A monção tende a ser mais afetada quando há uma mudança de um inverno La Niña, que acabamos de ver, para um verão El Niño, que provavelmente será o verão de 2023, disse Raghu Murtugudde, cientista de sistemas terrestres da Universidade de Maryland.

    “O déficit geral [de chuvas de monções] pode chegar a 15%”, disse ele à CNN.

    O El Niño também pode elevar as temperaturas na Índia, que já está passando por ondas de calor incomumente precoces. É um “perigo combinado porque as ondas de calor e o El Niño tendem a atrasar o início das monções”, disse Kieren Hunt, cientista pesquisador da Universidade de Reading, na Inglaterra. Meses de períodos de seca “colocariam uma pressão tremenda na segurança da água”, disse ele.

    Oceano Pacífico mais quente alimenta ciclones mais fortes

    Uma das primeiras impressões digitais do El Niño, segundo Gottschalck, ficará evidente nas mudanças na atividade dos ciclones tropicais. Ao contrário do La Niña, o El Niño tende a reduzir a atividade dos furacões no Atlântico, mas cria o efeito oposto no Pacífico, onde as águas quentes podem alimentar tufões mais intensos.

    “Os ciclones tropicais podem se formar mais a oeste na bacia e permanecer mais fortes por mais tempo, aumentando assim os impactos potenciais no Havaí”, disse Gottschalck. Isso significa “mais chances de desabamentos e impactos remotos, como mares mais fortes e de maior duração, chuvas fortes e muito mais”.

    Ciclone Freddy atinge Blantyre, no Malaui / 13/03/2023 REUTERS/Eldson Chagara

    Em outras partes do Pacífico, Swain disse que os modelos mostram “águas muito quentes” na costa do Peru, que já estão trazendo chuvas extraordinariamente fortes e inundações nos desertos. “Esse é um precursor clássico de um evento significativo do El Niño”.

    À medida que o El Niño se forma e se fortalece no final deste ano, o Peru pode correr um risco ainda maior de mais inundações. O governo já deve investir mais de US$ 1 bilhão em medidas climáticas e meteorológicas para evitar as piores consequências.

    Recifes de coral podem sofrer branqueamento catastrófico

    O El Niño é um aquecedor oceânico e a água mais quente é uma má notícia para os recifes de coral. Quando ficam muito quentes, os corais expelem as algas que vivem dentro de seus tecidos, o que lhes dá cor e a maior parte de sua energia.

    Isso faz com que os corais fiquem brancos – em um fenômeno chamado branqueamento. Embora possam se recuperar se as temperaturas eventualmente esfriarem, o branqueamento os coloca em maior risco de fome e morte.

    Um período particularmente catastrófico de branqueamento de corais aconteceu entre 2014 e 2017 – atingindo todos os principais recifes da Terra. A Grande Barreira de Corais da Austrália viu quase 30% de seus corais morrerem em uma onda de calor marinha recorde em 2016 – que se seguiu a um El Niño muito forte que começou em 2015.

    Imagem registrada em 2016 mostra o branqueamento de corais no Grande Recife, na Austrália / Kyodo News Stills via Getty Imag

    Mais eventos de branqueamento em massa se seguiram e, com o El Niño no horizonte, os cientistas estão cada vez mais preocupados com os impactos nos corais que simplesmente não tiveram tempo suficiente para se recuperar.

    “O que está sendo previsto aqui é muito assustador”, disse Peter Houk, professor do Laboratório Marinho da Universidade de Guam que estuda corais na Micronésia. “Cada vez que um vem, aumenta um pouco mais de intensidade”.

    O El Niño não significa necessariamente que todos os corais serão afetados, disse Houk. Cada El Niño é diferente e sempre há outros padrões climáticos naturais em jogo. “Mas quando isso acontece, é brutal”, disse ele.

    Quando chegar, o El Niño será uma chance de aprender mais sobre como os corais reagem e onde podem aparecer bolsões de resiliência, disse Houk. Ele só quer que aguente um pouco mais. “Esperamos que as previsões estejam erradas e assim possamos ganhar mais alguns anos para que os corais se recuperem”.

    Mais gelo da Antártida derrete?

    O gelo antártico já está com problemas e o El Niño pode piorar. No início deste ano, os níveis de gelo no continente caíram para mínimos recordes pela segunda vez em dois anos, provocando o medo de que, após anos de altos e baixos, agora possa estar em uma tendência de queda acentuada.

    O El Niño pode ajudar a acelerar esse processo, de acordo com pesquisas recentes, que encontraram uma ligação entre a força e a frequência dos eventos do El Niño e a velocidade do derretimento do gelo antártico.

    Geleira
    Derretimento de calotas polares provocada pelo aquecimento global aumenta o nível dos oceanos / Foto: PublicDomainPictures/Pixabay

    “Os modelos que projetam um aumento maior no El Niño produzem sistematicamente um derretimento mais rápido da camada de gelo do que os modelos que projetam uma mudança menor no El Niño”, disse Wenju Cai, cientista-chefe de pesquisa da CSIRO, agência nacional de ciências da Austrália.

    Os cientistas estão observando a Antártica de perto porque ela contém uma quantidade catastrófica de água em seu gelo. Embora seja improvável que a camada de gelo da Antártica derreta completamente, ela contém água suficiente para elevar o nível do mar global em 70 metros.

    No prazo imediato, os eventos do El Niño têm impactos divergentes na Antártica, disse Cai, com aumentos e diminuições em diferentes áreas. Mas, em conjunto, disse ele, a tendência é clara – “uma diminuição geral do gelo marinho”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original