Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Oficial do Hamas no Líbano afirma que grupo extremista se preparava para ataque há 2 anos

    Ali Baraka, chefe de Relações Nacionais do Hamas no Exterior, disse que a região de Gaza possui fábricas próprias e produz suas armas, além de receber apoio de aliados

    Tamara QiblawiJen Deatonda CNN

    Um alto oficial do Hamas baseado no Líbano disse que os integrantes do grupo radical islâmico estavam se preparando para o ataque a Israel há dois anos, de acordo com uma entrevista concedida ao canal de notícias árabe Russia Today (RTArabic), publicada em seu site um dia após o ataque.

    “Fabricamos muito”, disse Ali Baraka, chefe de Relações Nacionais do Hamas no Exterior. “Temos fábricas locais para tudo”. As fábricas podem produzir diferentes foguetes com alcance máximo de 10 a 250 km, outras armas e munições disse ele.

    “Temos fábricas de Kalashnikovs e suas balas. Estamos fabricando as balas com permissão dos russos. Estamos fazendo-as em Gaza”. “Nenhuma das nossas facções” e “mesmo os nossos aliados, não sabiam da hora zero” do ataque, a fim de “preservar o segredo da batalha”, afirmou Baraka.

    Meia hora depois do ataque, “as facções da resistência palestiniana foram contatadas, além dos nossos aliados, Hezbollah e Irã”, disse ele. O Hamas também notificou a Turquia, disse ele.

    Baraka não fez qualquer menção a qualquer envolvimento externo no planejamento do ataque, dizendo apenas que os aliados do Hamas “nos apoiam com armas e dinheiro”. “Em primeiro lugar, é o Irã que nos dá dinheiro e armas. Também o Hezbollah.”

    A Rússia perguntou posteriormente sobre o ataque, disse Baraka. Então, “eles foram atualizados sobre a nossa situação e os objetivos da batalha”, revelou.

    Ele também disse que Moscou estava feliz que os Estados Unidos se distraíssem com o conflito Israel-Hamas, em vez da guerra na Ucrânia.

    “Até a Rússia simpatiza conosco. Até os russos nos enviaram mensagens (sábado) de manhã. Existe simpatia. Ela está feliz que os EUA estejam envolvida na Palestina. Isso diminui a pressão sobre ela na Ucrânia. Uma batalha facilita a outra batalha. Portanto, não estamos sozinhos no campo de batalha”.

    Baraka disse que entre os objetivos do Hamas está a libertação de prisioneiros palestinos nos Estados Unidos.

    “Temos membros do Hamas condenados à prisão perpétua nos EUA”, disse ele. “Apelamos aos EUA para que libertem os nossos filhos das suas prisões. Os EUA fazem trocas de prisioneiros. Recentemente, fez um coma o Irã. Por que não faz uma troca de prisioneiros conosco?”, questinou.

    Contexto

    Baraka é um responsável político do Hamas baseado no Líbano. As facções palestinianas no Líbano nem sempre estão estreitamente coordenadas com os seus homólogos em Gaza e na Cisjordânia, em parte devido às severas restrições às viagens em ambos os lados, mas também pelo esvaziamento da política palestiniana no Líbano a partir de 1982.

    A maioria dos palestinianos no Líbano nunca estive em territórios palestinos.

    VEJA TAMBÉM – Vídeo mostra grande lançamento de foguetes do Hamas sobre cidades israelenses

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original