Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    OMS alerta que avanço de Israel em Rafah pode acabar com último hospital da cidade

    Autoridades de saúde afirmam número de mortes aumentaria significativamente em caso de uma incursão completa no sul da Faixa de Gaza

    Crianças palestinas ficam perto do local de um ataque israelense a uma casa, em Rafah
    Crianças palestinas ficam perto do local de um ataque israelense a uma casa, em Rafah 21/04/2024REUTERS/Mohammed Salem

    Gabrielle Tetrault-Farberda Reuters em Genebra

    Um funcionário da Organização Mundial de Saúde disse nesta terça-feira (28) que o último hospital em Rafah poderia parar de funcionar e que um número substancial de mortes seria esperado se Israel lançasse uma “incursão completa” na cidade do sul de Gaza.

    “Se a incursão continuar, perderemos o último hospital em Rafah”, disse Richard Peeperkorn, representante da OMS em Gaza e na Cisjordânia, à margem da Assembleia Mundial de Saúde em Genebra, quando tanques israelenses teriam avançado para o centro de Rafah.

    Ele disse que, no caso de uma “incursão completa”, um plano de contingência envolvendo o tratamento de pacientes em uma série de hospitais de campo mal equipados “não impedirá o que esperamos: mortalidade e morbidade adicionais substanciais”.

    A ofensiva israelense Rafah, de três semanas, provocou nova indignação depois que um ataque aéreo no domingo (26) provocou um incêndio em um acampamento, matando pelo menos 45 pessoas.

    Israel disse que tinha como alvo dois agentes do alto escalão do Hamas em um complexo e não tinha a intenção de causar vítimas civis.

    Nesta terça-feira (28), 21 palestinos foram mortos e dezenas ficaram feridos em bombardeios de tanques israelenses em uma área com tendas que abrigam pessoas deslocadas a oeste de Rafah, segundo autoridades médicas palestinas.

    Peeperkorn disse que dos três hospitais em Rafah, apenas um “mal funcionava”. Ele disse que o Hospital El-Najar, que já atendeu 700 pacientes em diálise, não estava mais operando.

    Rafah foi um importante ponto de entrada para ajuda humanitária antes de Israel intensificar sua ofensiva militar no lado de Gaza da fronteira no início deste mês e assumir o controle da travessia do lado palestino.

    Peeperkorn disse que seu fechamento teve um impacto direto na capacidade da OMS de levar suprimentos médicos para Gaza.

    “Quase 100% dos suprimentos médicos, medicamentos essenciais, equipamentos, eles realmente vêm de Al-Arish (no Egito) através da travessia de Rafah”, disse ele. “Há atualmente 60 caminhões que estão em Al-Arish esperando para entrar em Gaza.”

    Desde o fechamento de Rafah, a OMS só conseguiu obter três caminhões de suprimentos médicos através de Kerem Shalom, uma travessia de Israel, disse Peeperkorn.

    Separadamente, o porta-voz do UNICEF, James Elder, disse que uma pessoa típica em Rafah tinha acesso a cerca de um litro de água por dia, “catastroficamente abaixo de qualquer nível de emergência”.