Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Comitê da ONU diz ter identificado comandante israelense suspeito por morte de jornalista em 2022

    Shireen Abu Akleh, jornalista palestino-americana da Al Jazeera, morreu após ser baleada enquanto cobria um ataque das forças de Israel na Cisjordânia

    Shireen Abu Akleh, jornalista morta a tiros durante uma operação de Israel na Cisjordânia
    Shireen Abu Akleh, jornalista morta a tiros durante uma operação de Israel na Cisjordânia Reprodução/Twitter

    Andrew CareyHande Atay Alamda CNN

    Uma comissão das Organização das Nações Unidas (ONU) afirma ter identificado o comandante israelense e a unidade militar que acredita ser provavelmente responsável pelo assassinato da jornalista palestino-americana Shireen Abu Akleh na Cisjordânia, ocupada no ano passado.

    Abu Akleh, uma jornalista experiente e respeitada da Al Jazeera, foi baleada enquanto cobria um ataque matinal das forças israelenses contra militantes na cidade de Jenin, em maio de 2022.

    Navi Pillay, presidente da Comissão Internacional Independente de Inquérito da ONU sobre o Território Palestino Ocupado, incluindo Jerusalém Oriental, e Israel, disse na terça-feira (24) que uma investigação concluiu que as Forças de Segurança Israelenses (FDI) “usaram força letal sem justificativa sob a lei internacional de direitos humanos, e intencionalmente ou violou imprudentemente o direito à vida de Shireen Abu Akleh.”

    Veja também: Jornalista da Reuters é morto no sul do Líbano

    Após análise forense e depoimento de especialistas, a comissão acredita que o tiro fatal foi provavelmente disparado por um soldado pertencente à unidade Duvdevan das Forças de Defesa de Israel (FDI), disse ela.

    “Não nomeamos o comandante, mas temos essa informação”, acrescentou.

    Em maio, as FDI pediram desculpas pela morte de Abu Akleh, depois de admitir no ano passado que havia uma “grande possibilidade” de ela ter sido baleada por um soldado israelense.

    O que diz a Cisjordânia

    Navi Pillay disse que a investigação da comissão observou um aumento nas operações das forças israelenses visando grupos palestinos armados na Cisjordânia ocupada, com algumas operações “parecendo envolver o uso de força desnecessária e desproporcional”.

    Ela também disse que Israel tratou os grandes ataques como militares, em vez de operações policiais, “resultando na aplicação de regras muito mais permissíveis, em violação do direito internacional”.

    Israel insiste que tem como alvo grupos terroristas na Cisjordânia que realizaram, ou planeiam realizar, ataques contra israelenses, e afirma que age sempre dentro do direito internacional.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original