ONU se mobiliza para possível surto de cólera após terremoto no Afeganistão

Segundo a ONU, meio milhão de casos de diarreia foram relatados até o momento

Operações de busca e resgate continuam após o terremoto abalar as províncias fronteiriças de Paktika, Afeganistão, em 22 de junho de 2022
Operações de busca e resgate continuam após o terremoto abalar as províncias fronteiriças de Paktika, Afeganistão, em 22 de junho de 2022 Foto de Sayed Khodaberdi Sadat/Agência Anadolu via Getty Images

Emma Fargeda Reuters

Ouvir notícia

O escritório humanitário das Nações Unidas (ONU) afirmou que se mobiliza para evitar um surto de cólera no Afeganistão após o terremoto registrado no país na quarta-feira (22). Segundo a ONU, meio milhão de casos de diarreia aguda e aquosa foram relatados até o momento.

“Os surtos de cólera após terremotos são uma preocupação particular e séria”, disse o escritório em comunicado nesta quinta-feira (23). “Os preparativos para evitar um surto estão em andamento”.

O escritório também disse que busca confirmar que as operações de busca e resgate estavam quase concluídas, depois que as autoridades do Talibã indicaram na quarta-feira que estavam 90% concluídas.

A cólera é uma doença bacteriana infecciosa intestinal aguda, transmitida pelo contato com fezes ou pela ingestão de água e alimentos contaminados. Na maior parte dos casos, a infecção é assintomática ou causa diarreia leve. No entanto, pode se apresentar de forma grave, com diarreia aquosa, com ou sem vômitos, dor abdominal e cãibras.

Segundo o Ministério da Saúde, quando não tratada prontamente, a cólera pode levar à desidratação intensa e a graves complicações, com risco de morte. A doença está ligada diretamente ao saneamento básico e à higiene.

Terremoto provoca mil mortes

O número de mortos em um terremoto de magnitude 6,1 no Afeganistão na quarta-feira (22) chegou a 1.000, disseram autoridades de gerenciamento de desastres, com mais de 600 feridos. Estes números devem aumentar à medida que as informações chegam de aldeias remotas nas montanhas.

Fotos da mídia local mostram casas reduzidas a escombros e corpos envoltos em cobertores no chão. Não se sabe o número de pessoas presas sob escombros e em áreas periféricas, e as operações de resgate são feitas em condições difíceis, incluindo fortes chuvas, deslizamentos de terra e muitas aldeias aninhadas em áreas inacessíveis nas encostas, afirmaram profissionais de saúde e de ajuda humanitária.

“Muitas pessoas ainda estão enterradas sob o solo. As equipes de resgate do Emirado Islâmico chegaram e, com a ajuda da população local, estão tentando retirar os mortos e feridos”, um agente de saúde de um hospital na província de Paktika disse, pedindo anonimato, pois não estava autorizado a falar com a mídia.

Montar uma operação de resgate será um grande teste para as autoridades islâmicas do Talibã, que assumiram o controle do país em agosto passado após duas décadas de guerra e foram cortadas de grande parte da assistência internacional por causa das sanções. O ministério da defesa liderado pelo Talibã está liderando os esforços de resgate.

(Com informações de Lucas Rocha, da CNN)

Mais Recentes da CNN