Outros 3 policiais envolvidos na morte de Floyd são formalmente acusados

J. Alexander Kueng, Thomas Lane e Tou Thao são acusados de incentivarem e serem cúmplices de homicídio doloso

Vídeo registrou o momento em que George Floyd é asfixiado por policial branco
Vídeo registrou o momento em que George Floyd é asfixiado por policial branco Foto: Reprodução/CNN (28.mai.2020)

Da CNN

Ouvir notícia

Os outros três ex-policiais envolvidos na ação que levou à morte de George Floyd foram formalmente acusados nesta quarta-feira (3), anunciou Keith Ellison, o advogado-geral do estado do Minnesota responsável pela condução do caso. Horas após a decisão, os envolvidos se entregaram e já se encontram sob custódia policial.

Thomas Lane e Tou Thao foram conduzidos à prisão do condado de Hennepin algumas horas após a acusação ter sido formalizada, de acordo com os registros da prisão. O ex-oficial J. Alexander Kueng se entregou no início da tarde, disse seu advogado Thomas Plunkett à CNN. Todos os quatro estão detidos sob fiança de US $ 1 milhão.

Kueng, Lane e Thao são acusados de incentivarem e serem cúmplices de homicídio doloso. Os dois primeiros ajudaram a restringir Floyd, enquanto o terceiro ficou de pé em frente à cena.

O ex-policial Derek Chauvin, flagrado em vídeo com o joelho sobre o pescoço de Floyd, também teve sua acusação aumentada para homicídio doloso nesta quarta, de acordo com documentos judiciais. O agente foi preso na última sexta-feira (29), quatro dias após o ocorrido, sob a acusação de homicídio culposo —quando não há intenção de matar.

“Acredito que a evidência disponível agora apoia essa acusação mais forte de homicídio em segundo grau”, disse Ellison.

De acordo com o vídeo e a queixa criminal, Chauvin manteve seu joelho sobre o pescoço de Floyd por quase nove minutos —três deles depois de a vítima perder a consciência. Duas autópsias de Floyd determinaram que a morte foi um homicídio. 

Benjamin Crump, o advogado da família Floyd, publicou em seu Twitter que se sentem gratos pela atualização. 

“Esse é um momento agridoce. Estamos profundamente gratos pela ação decisiva de prender e acusar todos os policiais envolvidos na morte de George Floyd e de aumentar a acusação contra Derek Chauvin para homicídio em segundo grau [homicídio doloso]”, escreveu.

‘Processo bem-sucedido não vai corrigir a dor e a perda’

O advogado-geral do estado de Minnesota Keith Ellison durante pronunciamento
O advogado-geral do estado de Minnesota Keith Ellison durante pronunciamento
Foto: CNNi (3.jun.2020)

Após anunciar as novas acusações contra os ex-policiais, Keith Ellison declarou que um processo bem-sucedido não poderia corrigir a “dor e a perda” que tantas pessoas sentem após a morte de George Floyd. 

“O fato de termos protocolado essas acusações significa que acreditamos nelas. Mas o que eu não acredito é que um processo bem-sucedido pode corrigir a dor e a perda que tantas pessoas sentem”, disse.

Para ele, levar esse caso a um júri e conseguir uma condenação não será tarefa fácil. “Estamos confiantes no que estamos fazendo, mas a história mostra que há claros desafios aqui”. Outros casos de violência policial de grande visibilidade nos Estados Unidos não terminaram em condenação, como os dos agentes acusados nos casos de Eric Gardner, em 2014, e Rodney King, em 1992.

Ele disse ainda que o caminho para construir justiça nos EUA é um “trabalho devagar e difícil”.

“Não precisamos esperar pela resolução e investigação desse caso para começar esse trabalho. Precisamos que os cidadãos, vizinhos, líderes de governo e nas comunidades de fé, que os ativistas civis e dos direitos humanos, comecem a re-escrever as regras para uma sociedade justa agora”. 

Os Estados Unidos iniciaram o nono dia consecutivo de protestos nesta quarta-feira. Movimentos contra o racismo e a violência policial também aconteceram em países europeus, como Inglaterra e França. 

Ellison negou que as manifestações tenham influenciado a decisão de acusar os outros três ex-policiais. “Não permiti que a pressão do público impactasse nosso processo de decisão. Fizemos essas decisões baseados nos fatos que coletamos desde que o episódio aconteceu”. 

(Com CNN Internacional)

 

Mais Recentes da CNN