Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA e outros 13 países aceleram o envio de armas para a Ucrânia

    A velocidade a que os EUA entregam armas à Ucrânia é drasticamente mais rápida do que há apenas dois meses

    Oren Liebermannda CNN

    Na semana passada, o chefe do Estado-Maior dos Estados Unidos, o general Mark Milley, foi a um aeródromo secreto perto da fronteira ucraniana. O local se tornou um centro de distribuição de armamento, disse o oficial sênior do Departamento da Defesa, que supervisionou em primeira mão o esforço multinacional para levar armas à Ucrânia após a invasão do país por parte da Rússia.

    Enquanto esteve no aeródromo, Milley encontrou-se com tropas e pessoal e examinou a atividade da expedição, disse o oficial, na sexta-feira (4). O local encheu-se de atividade nos últimos dias, passando de meia dúzia de voos diários para cerca de 17, a capacidade máxima do aeródromo.

    A localização do aeroporto continua secreta para proteger a expedição de armas para a Ucrânia, incluindo mísseis antitanque. O exército russo não atacou estes carregamentos assim que entrou na Ucrânia, disse o oficial, mas há alguma preocupação de que a Rússia comece a atacar as entregas, à medida que a invasão avança.

    Mesmo antes do início da invasão russa no mês passado, os céus da Europa já estavam repletos de aeronaves carregando suprimentos militares dos EUA e outros países. Os aviões C-17, que são os principais veículos da frota aérea americana, representavam a maior parte das aeronaves. Os voos estão reposicionando tropas ao longo do flanco oriental da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e levando armas para pontos de onde serão levadas para a Ucrânia. A frequência de voos está aumentando.

    O Comando Europeu dos Estados Unidos (Eucom) está no centro da enorme operação de distribuição, utilizando a sua rede de ligação com os aliados e parceiros para coordenar “em tempo real” o envio de materiais para a Ucrânia, disse um segundo oficial do Departamento de Defesa.

    O Eucom também está se coordenando com outros países, incluindo o Reino Unido, no processo de entrega “para garantir que estamos usando os recursos com eficiência máxima para apoiar os ucranianos de forma organizada”, acrescentou o oficial.

    Desde que a invasão russa começou, 14 países enviaram assistência de segurança à Ucrânia, disse o oficial, apesar deles raramente terem enviado equipamento tão substancial.

    A “grande maioria” de um pacote de assistência à segurança dos EUA, de 350 milhões de dólares, já tinha sido entregue à Ucrânia, segundo o oficial, apenas uma semana depois de ter sido aprovado na Casa Branca.

    Aproximadamente 240 milhões de dólares do pacote chegaram à Ucrânia e o restante deverá chegar no prazo de dias, talvez semanas, “mas não mais do que isso”, disse o oficial, na sexta-feira. As componentes que já foram entregues incluem “a maioria dos recursos necessários, como recursos antitanque”.

    Uma vez na posse das armas, os ucranianos têm-nas usado para combater e interromper os ataques russos em diferentes partes da Ucrânia.

    “Penso que estamos todos impressionados com a eficiência com que as Forças Armadas ucranianas têm utilizado o equipamento que lhes foi fornecido”, disse o oficial.

    Talvez o mais notável seja uma escolta russa, que se estende por 64 km numa estrada a norte de Kiev, a capital ucraniana, que mal se moveu em dias.

    “Sabemos que eles atacaram aquela escolta e que esses ataques conseguiram abrandá-la e travá-la”, disse outro oficial sênior do Departamento de Defesa, na sexta-feira.

    Os ucranianos já possuem prática no equipamento que está sendo enviado, com alguns treinos realizados no final de dezembro e início de janeiro, disse o oficial, acrescentando que os ucranianos podem “utilizar competentemente” a grande maioria do equipamento militar que lhes é enviado.

    A velocidade a que os EUA entregam armas à Ucrânia é drasticamente mais rápida do que há apenas dois meses. A maior parte de um pacote de 200 milhões de dólares aprovado no final de dezembro foi entregue em um mês, apesar de algumas das munições ainda não terem sido enviadas, disse o oficial.

    Entretanto, o pacote completo de 350 milhões de dólares, que o oficial descreveu como sendo o maior levantamento de crédito presidencial na história, deverá ser entregue dentro de dias ou semanas.

    Este conteúdo foi criado originalmente em português (pt).

    versão original