Países ricos estão estocando vacinas e deixando o restante do mundo para trás

Nas 67 nações do mundo consideradas pobres, apenas 1 em cada 10 pessoas pode esperar receber uma vacina até o final de 2021

Laboratórios de todo mundo estão em busca da vacina para a Covid-19
Laboratórios de todo mundo estão em busca da vacina para a Covid-19 Foto: Unsplash

Da CNN

Ouvir notícia

Países ricos compraram vacinas contra Covid-19 suficientes para imunizar três vezes suas populações, disse um grupo internacional que monitora as substâncias. Com isso, países em desenvolvimento estão sendo deixados para trás na corrida global pelo fim da pandemia.

Nas 67 nações do mundo consideradas pobres, apenas 1 em cada 10 pessoas pode esperar receber uma vacina até o final de 2021, informou a People’s Vaccine Alliance nesta quarta-feira (9).

Assista e leia também:
Como o mundo conseguiu uma vacina em menos de 1 ano
Lei pode obrigar Anvisa a analisar possível vacina em apenas 72 horas
BMW a R$ 24 mil e Pajero a R$ 26 mil: Santander faz leilão de carros na quinta
Ar-condicionado ‘inteligente’ não faz vento e promete gastar 82% menos energia

Mas no mundo desenvolvido, onde a corrida para garantir estoques do imunizante começou nas primeiras semanas e meses da pandemia, um excedente do produto já é observado. Os países que representam apenas 14% da população mundial adquiriram mais da metade das vacinas mais promissoras em desenvolvimento.

A coalizão de monitoramento solicitou às companhias farmacêuticas que compartilhem a tecnologia e a propriedade intelectual que possuem com a Organização Mundial de Saúde (OMS). O grupo também pediu aos governos que se comprometam a enviar vacinas para os países em desenvolvimento, visando diminuir a disparidade econômica entre as nações.

“Ninguém deve ser impedido de conseguir uma vacina que salva vidas por causa do país onde vive e/ou da quantidade de dinheiro no bolso”, disse Anna Marriott, gerente de políticas de saúde da ONG Oxfam, uma das instituições que compõem a People’s Vaccine Alliance, além da Anistia Internacional, da Justiça Global Agora e outras.

(Com informações de Rob Picheta, da CNN Internacional)

Mais Recentes da CNN