Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Palácio de Buckingham disse em e-mail que rainha Elizabeth sabia que jornais espionavam sua família

    Príncipe Harry está processando o Murdoch's News Group Newspapers por hackear telefones celulares e outros atos ilegais que ele diz terem sido cometidos entre meados da década de 1990 e 2016

    Sam Tobinda Reuters

    A rainha Elizabeth II sabia que os jornais de Rupert Murdoch estavam espionando sua família e seus amigos, e autorizou sua equipe a “traçar uma linha” sobre o assunto, de acordo com um e-mail divulgado nesta quinta-feira (27) em um processo movido por seu neto, o príncipe Harry.

    Harry está processando o Murdoch’s News Group Newspapers por hackear telefones celulares e outros atos ilegais que ele diz terem sido cometidos contra ele em nome dos tabloides The Sun e o agora extinto News of the World, entre meados da década de 1990 e 2016.

    O News Group, que esteve envolvido em mais de mil casos de escutas telefônicas na última década, tenta eliminar a alegação de Harry, além de um caso semelhante apresentado pelo ator britânico Hugh Grant, argumentando que ambos deveriam ter agido mais rápido.

    Harry, afastado de seu pai, o rei Charles III, diz que não abriu um processo antes por causa de um “acordo secreto” entre o Palácio de Buckingham e os executivos da Murdoch para proteger a família real de constrangimentos. O News Group nega qualquer acordo, enquanto o palácio não comentou.

    Um e-mail de 2017 do palácio, enviado ao tribunal pela equipe jurídica de Harry e divulgado nesta quinta-feira, parece mostrar que a equipe real tentou acabar com as alegações de hackers, com o apoio da então rainha, que morreu no ano passado.

    Era hora de “traçar uma linha” na disputa, segundo escreveu a diretora de comunicações reais, Sally Osman, ao diretor executivo da News Corp, Robert Thomson.

    Em outro e-mail no início de 2018, Osman disse a Thomson e Rebekah Brooks, chefe da subsidiária de Murdoch no Reino Unido, sobre “uma crescente sensação de frustração com a falta de resposta ou vontade de se envolver na busca de uma solução”.

    Harry finalmente entrou com o processo em 2019.

    Harry disse que a NGN resolveu uma reclamação de hacker de telefone de seu irmão William “por uma grande quantia em dinheiro em 2020… sem que ninguém fosse informado, e aparentemente com algum acordo favorável em troca de ele agir silenciosamente”.

    O Palácio de Buckingham não comentou e o escritório de William disse que não poderia comentar sobre os processos legais em andamento. O News Group contestou a existência de um “acordo secreto”, mas se recusou a comentar se foi feito um acordo com William.

    O caso é um dos quatro processos que Harry está envolvido atualmente contra editoras britânicas. Espera-se que a audiência preliminar seja concluída nesta quinta-feira, com um julgamento previsto para janeiro.