Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Palácio de Buckingham não revela resultado de relatório sobre acusações contra Meghan

    Alegações surgiram no ano passado, quando um artigo citando fontes não identificadas afirmou que a duquesa expulsou dois assistentes pessoais de sua casa no Palácio de Kensington

    Meghan Markle durante concerto de música no Central Park, em Nova York
    Meghan Markle durante concerto de música no Central Park, em Nova York 25/09/2021 REUTERS/Caitlin Ochs

    Max Fosterda CNN

    Em Londres

    Ouvir notícia

    O Palácio de Buckingham revelou que concluiu uma revisão sobre alegações de que Meghan, a duquesa de Sussex, intimidou uma equipe de funcionários da realeza, mas se recusou a compartilhar os resultados da investigação.

    Falando em uma coletiva de imprensa para discutir a declaração financeira anual da Casa Real, Michael Stevens — o funcionário encarregado das finanças da Coroa — disse que a empresa privada contratada para investigar as alegações havia concluído seu trabalho.

    Stevens disse que várias recomendações foram feitas, mas ele não revelou em nenhum detalhe substantivo, as conclusões que foram alcançadas ou recomendações que foram apresentadas. Como a revisão foi financiada por fundos privados, houve menos pressão para que a Coroa publicasse suas descobertas.

    “Posso confirmar que foi uma revisão das alegações com o objetivo de permitir que a família real considere possíveis melhorias nas políticas e procedimentos de Recursos Humanos”, disse Stevens. “A revisão foi concluída e as recomendações sobre nossas políticas e procedimentos foram levadas adiante, mas não comentaremos mais”.

    Uma fonte real sênior disse que o palácio está de boca fechada sobre a investigação para proteger o anonimato daqueles que cooperaram.

    “Reconhecemos que as pessoas que participaram da investigação entenderam que haveria confidencialidade nas discussões com o escritório de advocacia independente e, portanto, temos o dever de respeitar essa confidencialidade”, disse a fonte.

    A fonte disse que o Palácio fez várias mudanças de política após a revisão, mas se recusou a revelá-las em detalhes.

    “Sempre que você realiza uma revisão independente ou há um exame dessa natureza, sempre há lições a serem aprendidas, sempre há maneiras de melhorar processos e procedimentos”, disse a fonte. “Normalmente, não revelaríamos todas as mudanças em nossas políticas e procedimentos”.

    As alegações surgiram no ano passado, quando o The Times no Reino Unido publicou um artigo citando fontes não identificadas que alegaram que a duquesa expulsou dois assistentes pessoais de sua casa no Palácio de Kensington e minou a confiança de um terceiro membro da equipe.

    O Palácio de Buckingham disse inicialmente que investigaria as alegações, mas depois contratou um escritório de advocacia externo para fazê-lo.

    Na época, um porta-voz dos Sussex rejeitou a reportagem do Times como “uma campanha de difamação calculada”, pois foi publicada poucos dias antes da entrevista bombástica de Oprah Winfrey com Meghan e o príncipe Harry ir ao ar.

    A entrevista foi a primeira vez que o casal falou publicamente depois de anunciar planos de se afastar de cargos importantes na família real britânica em 2020.

    Meghan disse a Winfrey que a vida como realeza britânica era tão isolada e solitária em um ponto que ela “não queria mais estar viva”. Ela se descreveu como vítima de um Palácio de Buckingham obcecado por imagens, que pesava sobre tudo, desde quão escura seria a cor da pele de seu filho Archie até quantas vezes ela ia almoçar com amigos.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN