Pandas gigantes não correm mais risco de extinção, diz China

Autoridade chinesa afirmou que populações de algumas outras espécies também estão se recuperando gradualmente graças às "medidas de conservação"

Panda gigante deixou lista chinesa de animais ameaçados de extinção
Panda gigante deixou lista chinesa de animais ameaçados de extinção Foto: Du Jianpo/VCG via Getty Images

Rob Picheta, CNN

Ouvir notícia

Os pandas gigantes não estão mais ameaçados de extinção, disseram as autoridades chinesas, depois de décadas de trabalho para salvar as criaturas que ajudaram a aumentar sua população na selva para 1.800.

As espécies serão reclassificadas como vulneráveis, disse Cui Shuhong, diretor do Departamento de Proteção Ecológica Natural do Ministério da Ecologia e Meio Ambiente, em uma entrevista coletiva na quarta-feira (7).

A China passou meio século tentando aumentar a população de seus animais famosos, criando vastas reservas de pandas em várias cadeias de montanhas em um esforço para salvá-los da extinção.

Eles foram retirados da lista de animais ameaçados pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) em 2016, mas essa decisão não foi inicialmente refletida pelas autoridades chinesas.

“A China estabeleceu um sistema de reservas naturais relativamente completo”, disse Cui na quarta-feira ao anunciar a mudança. “Grandes áreas de ecossistemas naturais foram sistemática e completamente protegidas e os habitats da vida selvagem foram melhorados de forma eficaz.”

Cui acrescentou que as populações de algumas outras espécies raras e ameaçadas de extinção também estão se recuperando gradualmente. “O número de espécies como tigres siberianos, leopardos de Amur, elefantes asiáticos e íbis aumentou significativamente”, disse ele.

Os pandas gigantes são extremamente difíceis de procriar, e as fêmeas só conseguem engravidar por 24 a 72 horas por ano.

Panda gigante Mei Xiang no Zoológico Nacional de Washington, nos EUA
Panda gigante Mei Xiang no Zoológico Nacional de Washington, nos EUA
Foto: 23/08/2007 REUTERS/Kevin Lamarque

Desde a década de 1970, as autoridades chinesas trabalham em uma campanha de alto perfil para aumentar seu número. Para conter a perda de habitat, as autoridades criaram reservas naturais especialmente projetadas em áreas onde sua principal fonte de alimento, o bambu, é abundante.

Em 2017, a China anunciou planos para uma reserva de 10.476 milhas (ca. 16.859 km) quadradas – três vezes o tamanho do Parque Nacional de Yellowstone.

Os pandas são conhecidos na China como uma “espécie guarda-chuva” — o que significa que os especialistas acreditam que medidas para protegê-los ajudam a proteger outras espécies, bem como o ecossistema em geral.

Mas os esforços bem-sucedidos para aumentar a população de pandas podem ter ocorrido às custas de alguns carnívoros.

Várias populações carnívoras viram seu número cair drasticamente nas últimas décadas, potencialmente colocando o ecossistema maior em risco, de acordo com um estudo divulgado no ano passado por uma equipe conjunta da China e dos Estados Unidos.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Mais Recentes da CNN