Papa Francisco cita morte de George Floyd e diz que racismo é pecado

‘Não podemos tolerar ou fechar os olhos para o racismo e a exclusão de qualquer forma’, afirmou o pontífice em sua bênção semanal

Papa Francisco celebra missa no Vaticano
Papa Francisco celebra missa no Vaticano Foto: Remo Casilli - 31.mai.2020 / AP

Valentina DiDonato e Delia Gallagher, da CNN

Ouvir notícia

O papa Francisco disse que a morte de George Floyd pelas mãos da polícia dos Estados Unidos é “trágica” e afirmou que reza pela vítima e “por todos os outros que perderam a vida como resultado do pecado do racismo”.

Após o oitavo dia de protestos em diversas partes dos EUA, o pontífice se referiu à morte de Floyd em sua bênção semanal no Vaticano, nesta quarta-feira (3).

“Queridos irmãos e irmãs nos EUA, eu tenho acompanhado com grande preocupação a perturbadora inquietação social em seu país nesses últimos dias após a trágica morte do sr. George Floyd”, disse Francisco.

“Meus amigos, não podemos tolerar ou fechar os olhos para o racismo e a exclusão de qualquer forma e ainda reivindicar defender a santidade de toda vida humana”, afirmou ele.

Assista e leia também:
Após protestos por George Floyd, ações de fabricantes de armas sobem nos EUA
Multidão se reúne em Paris para protestar contra violência policial
Podcast E Tem Mais: George Floyd e a fratura racial nos EUA e no Brasil

“Ao mesmo tempo, temos que reconhecer que a violência das noites recentes é autodestrutiva. Não se ganha nada com a violência e muito se perde”, ressaltou o papa.

O especialista em Vaticano John Allen disse que é “relativamente raro” o papa mencionar uma pessoa específica pelo nome. Um porta-voz da Santa Sé contou à CNN que se tratou de um “apelo especial”.

Ao longo dos últimos dias, alguns times de futebol da Itália se ajoelharam em solidariedade aos protestos nos EUA pela morte de Floyd.

Manifestações contra a brutalidade policial em apoio aos atos nos EUA vêm sendo registradas em vários países europeus, como Reino Unido, França, Alemanha e Holanda.

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN