Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Papa Francisco enfrenta ataques sem precedentes de opositores americanos

    Opositores criticam Francisco por abrir comunhão aos católicos divorciados, faz recepção pastoral às pessoas LGBTQ e tem foco nos imigrantes e crise climática

    Papa Francisco lidera orações pela paz mundial na Basílica de São Pedro, no Vaticano
    Papa Francisco lidera orações pela paz mundial na Basílica de São Pedro, no Vaticano 27/10/2023REUTERS/Guglielmo Mangiapane

    Christopher Lambda CNN

    De um lado: o papa Francisco, que insiste em uma Igreja Católica aberta a todos, um “hospital de campanha” pronto para curar as feridas de uma humanidade sofredora. Do outro: uma pequena, mas vocal minoria que se opôs ao pontífice e às suas reformas.

    Um confronto entre os dois está em andamento.

    O líder da oposição é o cardeal americano Raymond Burke, um dos especialistas jurídicos da igreja e uma figura cujo estilo e abordagem remontam à igreja de uma época diferente e cujas opiniões se alinham estreitamente com as da sua ala tradicionalista. Francisco, embora afirmando que defende a doutrina e os princípios da igreja, tentou afastá-la de alguns daqueles costumes que ele vê como dificultadores da sua missão.

    Aqueles que se opõem a Francisco dizem que estão profundamente preocupados com a sua abertura para dar a comunhão aos católicos divorciados e que casaram novamente, juntamente com a recepção pastoral às pessoas LGBTQIA+. Eles não gostam do seu foco nos imigrantes e na crise climática e, em vez disso, querem um papa que estabeleça a lei e apresente a doutrina em termos preto e branco.

    Esse papa prega por uma igreja mais humilde, focada no serviço e que procura levar a mensagem cristã ao mundo.

    Embora os ataques contra ele provavelmente tenham doído, Francisco frequentemente deu a outra face, chegando ao ponto de dizer que não procura reprimir os oponentes; ele também foi apontado por líderes do Vaticano que tinham opiniões diferentes das suas.

    Agora, porém, no 11º ano do seu papado, o papa está tomando medidas mais assertivas para confrontar parte da oposição que tem enfrentado, que está centrada nos EUA.

    Com seu 87º aniversário no domingo (17) e lutando contra problemas de saúde, ele não tem tempo a perder.

    Francisco decidiu que Burke, um adversário seu há anos, perderá alguns dos privilégios, incluindo supostamente um subsídio para o seu apartamento de 417 metros quadrados e uma remuneração mensal.

    Isso se segue à decisão do papa no mês passado de remover do seu posto de liderança o bispo texano Joseph Strickland, que acusou Francisco de minar os ensinamentos centrais da igreja, incluindo em questões politicamente carregadas como o aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

    Os apoiadores de Burke e Strickland dizem que Francisco é um papa “ditador”, que reprime a dissidência, enquanto outros sugerem que o papa está punindo os seus críticos. Embora os ataques não tenham precedentes óbvios na história recente, Francisco permitiu que continuassem, muitas vezes ignorando-os. Ele também está ciente de que, por vezes, o silêncio é a melhor resposta e que a reforma muitas vezes encontra resistência.

    Papa Francisco faz oração com freiras no Vaticano/ Foto: Alessandra Benedetti/Corbis/Getty Images

    “Francisco me disse que estava tirando o apartamento e o salário do cardeal Burke porque ele estava usando esses privilégios ‘contra a Igreja’”, disse Austen Ivereigh, biógrafa papal, à CNN. Ivereigh encontrou-se com o papa em 27 de novembro.

    “Claramente, sua paciência finalmente acabou”, explicou Ivereigh. “Durante muito tempo, o cardeal Burke questionou a autoridade e os ensinamentos de Francisco. Isto seria chocante em qualquer organização, mas é particularmente chocante na Igreja Católica, dado o papel especial que o papado tem na defesa da unidade”.

    Francisco não se incomoda em ser criticado, mas destacou que os cardeais fazem um juramento específico de obediência ao papa e aos seus sucessores, disse Ivereigh.

    A CNN entrou em contato com o Vaticano para comentar.

    A tolerância de um papa para com a dissidência

    Em 2018, Burke disse a um grupo de católicos em Roma que há circunstâncias em que seria aceitável desobedecer ao papa. A multidão teria aplaudido e ovacionado. Isso teria sido impensável nos pontificados anteriores, nos quais a lealdade ao papado foi posta em alta pelos católicos conservadores. O cardeal tradicionalista de Wisconsin disse que o esforço de reforma iniciado por Francisco – o sínodo – “esquece a natureza divina da Igreja”.

    É provável que tenha sido a gota d’água para o papa. “Um papa com o temperamento do cardeal Burke não teria tolerado tal dissidência nem por um dia, muito menos por dez anos”, disse Dawn Eden Goldstein, teóloga e canonista residente em Washington, DC.

    O caso Strickland, entretanto, é distinto do caso Burke. Um bispo na Igreja Católica não é um “gerente de filial” do papa e tem um certo grau de autonomia. Strickland foi destituído depois que uma investigação do Vaticano sobre sua liderança concluiu que não era “viável” para ele continuar no comando da Diocese de Tyler, a leste de Dallas.

    Strickland também deu o passo extraordinário de questionar a legitimidade de Francisco, algo que vai contra a comunhão que os bispos devem manter com os papas.

    O papa agradeceu aos fiéis pelas orações em prol de sua recuperação / Vatican Media via Vatican Pool/Getty Images

    Burke, por outro lado, continua sendo um cardeal votante. Ele equivale a um funcionário direto do papa em Roma, e a sua crítica a Francisco é formulada de forma mais criteriosa do que a de Strickland.

    Os cardeais que lideram os departamentos da Cúria Romana, a administração central da igreja, recebem apartamentos de graça e pagamentos de até US$ 5.900 por mês. Mas Burke já não tem emprego na administração central da igreja, e a decisão sobre o seu apartamento ocorre em um momento em que o Vaticano procura resolver um déficit financeiro ao garantir taxas de mercado sobre as suas propriedades.

    O cardeal serviu como prefeito do equivalente ao Supremo Tribunal da Igreja (onde continua a ser conselheiro) e mais tarde foi patrono da Ordem de Malta. Neste antigo grupo de cavalaria católica, ele se envolveu na disputa pública da ordem com o papa.

    A disputa centrou-se na distribuição de preservativos, com Burke pressionando pela remoção de um membro da ordem e afirmando ter o apoio do papa. Documentos divulgados pelo Wikileaks sugeriam que o cardeal não tinha autoridade de Francisco para fazê-lo.

    A CNN entrou em contato com Strickland para comentar, mas não obteve retorno. Burke se recusou a comentar.

    Política americana em jogo

    A oposição a Francisco também está ligada à política secular. Burke descreveu-se como “muito feliz” com a eleição do presidente Donald Trump e juntou-se a outros bispos dos EUA no apelo para que fosse recusada a comunhão ao presidente Joe Biden, um católico, pelo seu apoio às leis sobre o aborto.

    Em 2004, Burke, então bispo, anunciou que não daria a comunhão ao candidato presidencial John Kerry por razões semelhantes. Embora Francisco tenha se manifestado veementemente contra o aborto, ele não apoia a recusa da comunhão de Biden.

    Strickland descreveu o presidente dos EUA como “malvado” e enviou uma mensagem de vídeo a um comício que buscava anular o resultado das eleições de 2020. A retórica politizada da igreja deverá esquentar à medida que os EUA se encaminham para um ano eleitoral.

    “A política MAGA (Make America Great Again) e os católicos MAGA se sobrepõem de muitas maneiras, especialmente em sua abordagem de guerra cultural para tudo”, disse David Gibson, diretor do Centro de Religião e Cultura da Universidade Fordham. “É tudo uma questão de gerar raiva e se definir tanto contra aquilo que você é contra quanto contra aquilo que você defende”.

    Tanto os apoiadores de Trump como os de Burke temem estar perdendo o seu lugar antes privilegiado na igreja e na sociedade, por isso retratam o passado como uma “era de ouro”, disse Gibson.

    O papa descreveu alguns dos seus oponentes nos EUA como “atrasados”, dizendo que substituíram a fé pela ideologia. Gibson acrescentou: “O cardeal Burke e a sua turma podem justificar qualquer coisa que digam ou façam contra o papa – eles (acreditam que) são a chave para salvar a igreja do papa”.

    O papa Francisco recebeu Trump e Biden no Vaticano.

    Táticas que podem dar errado

    Goldstein, a teóloga e advogada canônica de DC, encontrou-se com o cardeal em diversas ocasiões e diz que “há pessoas e organizações que gostariam de ver a visão de Burke da igreja se tornar dominante porque tornaria a igreja mais útil aos interesses políticos”.

    O cardeal escreveu o prefácio de um livro criticando o sínodo, que foi apoiado por um grupo que se opõe ao ensino católico em questões como o cuidado com os pobres, o meio ambiente, as populações indígenas e os imigrantes, destacou ela. O cardeal procura criar uma aura em torno de si que dê a “ilusão de um retorno a uma era anterior” e Francisco tem sido tolerante com os ataques, disse Goldstein.

    No entanto, como disse Goldstein, tal dissidência é nova nos últimos anos e teria sido inimaginável nos últimos papados.

    Papa e Biden
    O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o Papa Francisco se encontraram no Vaticano / Foto: Reprodução/Casa Branca (29.out.2021)

    Outros salientam que a remoção dos privilégios do cardeal poderia ter consequências indesejadas e transformar Burke em um “mártir” da causa.

    Massimo Faggioli, historiador da igreja na Universidade Villanova, disse à CNN que isso poderia fazer de Burke, que é apoiado por doadores dos EUA e que provavelmente encontrará outro alojamento em Roma, uma espécie de cardeal nacional. Isso seria semelhante aos “cardeais da coroa” do início da era moderna, que foram nomeados ou financiados por um monarca católico europeu, disse ele.

    A decisão informada sobre Burke também poderia influenciar uma futura eleição papal, ao alienar alguns cardeais eleitores que gostariam de optar por um candidato que governe de forma diferente de Francisco.

    O papa provavelmente está ciente dos riscos – e disposto a corrê-los, dada a sua missão. Em setembro passado, Francisco criou 21 novos cardeais, incluindo três colegas argentinos e dois outros latino-americanos, 10 europeus, três africanos, dois asiáticos e apenas um dos EUA, Robert Francis Prevost, que nasceu em Chicago, mas realizou a maior parte de seu ministério pastoral no Peru.

    No centro da visão do papa está o direcionamento da igreja para o que é essencial para a fé cristã. O teólogo brasileiro Leonardo Boff tuitou recentemente uma foto de Burke vestindo a capa cerimonial “cappa magna”, uma cauda de seda vermelha.

    Boff, que anteriormente serviu durante muitos anos como padre franciscano, é um dos principais defensores da teologia da libertação, um movimento latino-americano que dá especial ênfase ao serviço aos pobres.

    Ele entrou em conflito com as autoridades do Vaticano na década de 1980, mas sempre manteve relações saudáveis com os bispos brasileiros e tem um bom relacionamento com o papa Francisco. “Francisco é um de nós”, disse Boff em entrevista de 2016 ao jornal alemão Kölner Stadt-Anzeigr.

    “Meus irmãos e irmãs, cristãos conservadores, digam-me”, escreveu ele ao publicar a foto: “o que este cardeal com toda a sua pompa tem a ver com o Jesus que nasceu numa manjedoura e morreu numa cruz?”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original