Partido pró-Putin segue rumo à vitória nas eleições russas após repressão a Navalny

Partido que apoia o líder russo de 68 anos enfrenta uma queda nas classificações, mas continua mais popular do que seus rivais

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião por vídeo em Moscou
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião por vídeo em Moscou 16/09/2021 Sputnik/Alexei Druzhinin/Kremlin via REUTERS

Da Reuters

Ouvir notícia

Os russos votam neste domingo (19) na reta final de uma eleição parlamentar de três dias, na qual espera-se que o partido no poder ganhe, depois de uma violenta repressão que esmagou o movimento do crítico do Kremlin, Alexei Navalny, e barrou os oponentes das urnas.

A vitória esperada do partido no poder, Rússia Unida, será usada pelo Kremlin como prova de apoio ao presidente Vladimir Putin, apesar do mal-estar ao longo de anos de padrões de vida decadentes. O partido que apoia o líder russo de 68 anos enfrenta uma queda nas classificações, dizem as pesquisas estaduais, mas continua mais popular do que seus rivais mais próximos nas urnas, o Partido Comunista e o partido nacionalista LDPR, que costuma apoiar o Kremlin.

O Rússia Unida detém quase três quartos dos 450 assentos da Duma Estatal. Esse domínio, no ano passado, ajudou o Kremlin a aprovar reformas constitucionais que permitem a Putin concorrer a mais dois mandatos como presidente após 2024, podendo permanecer no poder até 2036.

“Se o Rússia Unida conseguir (vencer), nosso país pode esperar mais cinco anos de pobreza, cinco anos de repressões, cinco anos perdidos”, publicou uma mensagem aos apoiadores no blog de Navalny esta semana.

Os aliados de Navalny foram impedidos de concorrer, depois que seu movimento foi proibido em junho como extremista. Outras figuras da oposição alegam que foram alvo de campanhas de truques sujos ou não tiveram permissão para competir.

Um magnata comunista do morango diz que foi injustamente barrado, enquanto um político de oposição liberal em São Petersburgo diz que dois candidatos “spoiler” com nomes idênticos estão concorrendo contra ele para confundir seus eleitores.

Votação tática

O Kremlin nega uma repressão política e diz que os indivíduos são processados por infringir a lei.

Aliados de Navalny estão promovendo uma manobra de votação tática contra o Rússia Unida que as autoridades querem que seja bloqueada online. Desde que a votação começou na sexta-feira, Google, Apple e Telegram messenger limitaram algum acesso à campanha em suas plataformas. Ativistas os acusam de ceder à pressão.

A eleição vai até as 18h GMT de domingo, quando as seções eleitorais fecham no enclave europeu de Kaliningrado. É a última votação nacional antes da eleição presidencial de 2024. Putin, que fará 69 anos no mês que vem, não disse se vai concorrer.

Em Moscou, a campanha de votação tática de Navalny recomendou que seus apoiadores votassem em políticos como Mikhail Lobanov, do Partido Comunista. Ele disse que saudou a campanha de Navalny e criticou o Rússia Unida.
“As pessoas veem as desigualdades gritantes, sentem os efeitos da política econômica e o aumento da repressão e respondem com insatisfação de acordo”, disse Lobanov.

Em uma seção eleitoral no distrito de Lobanov, três pessoas disseram à Reuters que votaram no Rússia Unida, e três disseram que votaram nos comunistas, duas delas a mando da equipe de Navalny.

Um aposentado de Moscou que deu seu nome apenas como Anatoly disse que votou no Rússia Unida, porque se orgulhava da vigorosa política externa russa e dos esforços de Putin para restaurar o que ele vê como o legítimo status de grande potência da Rússia. “Países como os Estados Unidos e a Grã-Bretanha nos respeitam mais ou menos agora como respeitaram a União Soviética nos anos 1960 e 70. Os anglo-saxões só entendem a linguagem da força”, disse.

Outros eleitores expressaram raiva contra o Rússia Unida em uma assembleia de voto na capital de mais de 12,5 milhões de habitantes, onde a Rússia Unida se saiu pior nos últimos anos do que em algumas regiões. “Estou sempre contra o Rússia Unida. Eles não fizeram nada de bom”, disse Roman Malakhov, que votou nos comunistas.

A votação está sendo realizada juntamente com as eleições para governadores regionais e assembleias legislativas locais. É esticado ao longo de três dias como uma precaução Covid-19. (Reportagem adicional de Polina Nikolskaya Editing por Gareth Jones)

Mais Recentes da CNN