Perda global de vida selvagem é “significativamente mais alarmante” do que se pensava, diz novo estudo

Mudança climática e destruição de paisagens selvagens são importantes fatores de declínio de espécies, alertam pesquisadores

Autores do estudo analisaram mais de 70.000 espécies em todo o mundo
Autores do estudo analisaram mais de 70.000 espécies em todo o mundo Webguzs/Getty Images

Laura Paddisonda CNN

A perda global de vida selvagem é “significativamente mais alarmante” do que se pensava anteriormente, de acordo com um novo estudo que apontou que quase metade das espécies do planeta está passando por um rápido declínio populacional.

Os humanos já eliminaram um grande número de espécies e levaram muitas outras à beira do abismo – com alguns cientistas dizendo que estamos entrando em um evento de “sexta extinção em massa”, desta vez impulsionado pelos humanos.

O principal fator é a destruição de paisagens selvagens para dar lugar a fazendas, vilas, cidades e estradas, mas a mudança climática também é um importante fator de declínio de espécies e prevê-se que tenha um impacto cada vez pior à medida que o mundo esquenta.

Os autores do estudo analisaram mais de 70.000 espécies em todo o mundo – abrangendo mamíferos, aves, répteis, anfíbios, peixes e insetos – para determinar se suas populações estão crescendo, diminuindo ou permanecendo estáveis ao longo do tempo.

Eles descobriram que 48% dessas espécies estão diminuindo em tamanho populacional, com menos de 3% vendo aumentos, de acordo com o estudo publicado na segunda-feira na revista Biological Reviews.

O coautor Daniel Pincheira-Donoso, da Escola de Ciências Biológicas da Queen’s University Belfast, disse que suas descobertas são um “alerta drástico”.

“Outros estudos, baseados em números consideravelmente menores de espécies, mostraram que a ‘crise de extinção’ em curso é mais grave do que geralmente se pensa”, disse ele à CNN. “Nossas descobertas fornecem uma confirmação absoluta em escala global.”

O estudo fornece uma “imagem mais clara” sobre a extensão da erosão global da biodiversidade, acrescentou.

Durante décadas, a crise de extinção foi definida por “categorias de conservação” – rótulos que a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), um comitê das Nações Unidas (ONU), atribui a cada espécie que avalia em um determinado momento, disse Pincheira-Donoso.

Com base nesse método, a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da UICN classifica cerca de 28% das espécies como ameaçadas de extinção.

“O que nosso estudo mostra não é se as espécies estão atualmente classificadas como ameaçadas ou não, mas se o tamanho de suas populações está se tornando rápida e progressivamente menor ou não”, disse Pincheira-Donoso. As tendências descendentes na população ao longo do tempo são um precursor das extinções.

De acordo com esta avaliação, 33% das espécies atualmente classificadas como “não ameaçadas” na Lista Vermelha da UICN estão de fato em declínio em direção à extinção.

Mamíferos, pássaros e insetos estão vendo declínios de espécies, mas os anfíbios foram particularmente afetados em geral, segundo o relatório, e enfrentam uma infinidade de ameaças, incluindo doenças e mudanças climáticas.

Foi uma notícia melhor para peixes e répteis, com mais espécies parecendo ter populações estáveis, em vez de em declínio.

Geograficamente, os declínios tendem a se concentrar nos trópicos, segundo o relatório. Uma razão para isso é que “os animais nos trópicos são mais sensíveis a mudanças rápidas em suas temperaturas ambientais”, disse Pincheira-Donoso.

Brendan Godley, professor de ciência da conservação na Universidade de Exeter, que não participou do estudo, disse que a pesquisa oferece novos insights sobre as tendências populacionais.

“Este é um estudo extremamente impactante, abrangendo o globo e todos os grupos de vertebrados e insetos”, disse Godley à CNN.

“Ao combinar minuciosamente as trajetórias populacionais, em vez de avaliações mais limitadas da Lista Vermelha, destaca quanta pressão a vida selvagem está sob a influência humana e como isso é global e entre os grupos de animais”, disse ele.

Há histórias positivas de animais sendo resgatados da beira da extinção, disse ele, incluindo grandes baleias e tartarugas marinhas.

Mas, Godley acrescentou, “todos nós devemos ficar muito alarmados com esses resultados.”

“Sem populações, espécies, habitats e ecossistemas prósperos, não podemos persistir”, disse ele.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original