Pesquisa CNN: aprovação de Trump atinge um novo mínimo ao final do mandato

Cerca de 54% dos entrevistados disseram que Trump deveria ser destituído do cargo antes de 20 de janeiro por causa de seu papel nos eventos de 6 de janeiro

O atual presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca
O atual presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca Foto: Hannah McKay - 24.nov.2020 / Reuters

Jennifer Agiesta, CNN Polling Director

Ouvir notícia

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deixará o cargo com o menor índice de aprovação de sua presidência, com mais norte-americanos do que nunca apoiando sua destituição do cargo, de acordo com uma nova pesquisa CNN conduzida pelo instituto SSRS.

A maioria (54%) diz que Trump deveria ser destituído do cargo antes de 20 de janeiro por causa de seu papel nos eventos de 6 de janeiro, dia em que o presidente incitou uma multidão de seus apoiadores a invadir o Capitólio dos EUA. A perspectiva, porém, é improvável, já que o vice-presidente Mike Pence descartou o uso da 25ª Emenda para retirar Trump do cargo e nenhuma audiência do Senado sobre a acusação de impeachment aprovada pela Câmara deve acontecer antes do juramento do presidente eleito Joe Biden nesta semana (dia 20).

O índice é maior do que a parcela que favoreceu o impeachment e a remoção de Trump do cargo em qualquer momento em 2019 ou início de 2020, quando uma investigação levou o presidente ao seu primeiro impeachment e seguiu para julgamento no Senado. Mas a grande lacuna partidária que conduziu a opinião pública naquele processo continua agora. Quase todos os democratas (93%) são a favor de remover Trump do cargo antes de 20 de janeiro, enquanto apenas 10% dos republicanos pensam o mesmo.

 

A pesquisa já estava sendo feita quando a Câmara votou pelo impeachment de Trump pela segunda vez. Não há diferença significativa no apoio à remoção de Trump antes e depois da votação.

No geral, 34% dos norte-americanos aprovam a maneira como Trump está lidando com a presidência, ante 42% em uma pesquisa pré-eleitoral e um ponto abaixo de seu ponto mínimo anterior nas pesquisas da CNN. Entre seus próprios partidários, o índice de aprovação de Trump caiu 14 pontos desde outubro, mas permanece amplamente positivo com 80% de aprovação. O índice se manteve estável em um dígito entre os democratas (3% antes da eleição, 2% agora).

Pouco mais de um terço dos norte-americanos (36%) consideram o ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos Estados Unidos uma crise para a democracia dos Estados Unidos, e outros 39% o avaliam como um grande problema. As opiniões sobre a importância do ataque são divididas por partido, com a maioria dos democratas chamando-o de “crise” (54%), diante de menos republicanos (20%).

O público em geral rejeita a teoria da conspiração infundada por trás dos tumultos – aquele na qual Biden não ganhou legitimamente votos suficientes para se tornar presidente. Entre os pesquisados, 65% dizem que Biden ganhou legitimamente votos suficientes, mas uma parte considerável (23%) – e particularmente de republicanos (58%) – acredita que a teoria da conspiração é verdadeira e que há evidências sólidas para apoiá-la. Não há provas de que a eleição foi ilegítima, nem de que houve fraude generalizada na contagem dos votos.

As questões levantadas pela equipe jurídica da campanha de Trump e ecoadas pelos legisladores republicanos e pela mídia conservadora nos meses desde a eleição parecem ter prejudicado a confiança republicana no sistema eleitoral do país em geral. Entre os republicanos, 75% dizem ter pouca confiança de que as eleições nos Estados Unidos refletem a vontade do povo.

A maioria dos norte-americanos (55%) diz que Trump merece grande parte da culpa pela invasão do Capitólio. As opiniões são divididas por partido, porém, com 92% dos democratas colocando grande parte da culpa em Trump contra 13% dos republicanos. Da mesma forma, os 4 em cada 10 que dizem que os legisladores republicanos que se opuseram aos resultados das eleições de 2020 merecem uma grande dose de culpa também estão divididos por partido (70% entre os democratas, 14% entre os republicanos).

Há um maior consenso entre as linhas partidárias, no entanto, de que os próprios arruaceiros têm uma responsabilidade significativa pela tomada do Capitólio dos Estados Unidos. No geral, 76% colocam grande parte da culpa nos próprios manifestantes, incluindo 88% dos democratas e 68% dos republicanos. Muito menos (26%) atribuem a culpa significativa à força policial do Capitólio.

A maioria diz que aqueles que protestaram no Capitólio não foram penalizados o suficiente (63%) e, mesmo lá, existe uma lacuna partidária: entre os democratas, 85% dizem que os desordeiros não sofreram punição suficiente, enquanto esse número cai para 38% entre os republicanos. Os republicanos têm mais probabilidade do que outros de dizer que não têm certeza se os rebeldes já sofreram punição suficiente.

Avaliação da presidência

Olhando para trás e avaliando todo o tempo de Trump no cargo, 55% consideram seu mandato mais um fracasso do que um sucesso, enquanto 41% o consideram bem-sucedido. Um número maior agora diz que a presidência de Trump mudou o país (85%) do que disse em qualquer ponto anterior de seu mandato, mas a maioria (55%) diz que ele mudou para pior, a primeira vez que uma maioria afirma isso. Entre os democratas, 82% acham que ele mudou para pior, enquanto entre os republicanos, cerca de um quarto concorda (24%).

O índice de aprovação final de Trump está muito aquém do de seu antecessor imediato (Barack Obama deixou o cargo com um índice de aprovação de 60% em 2017) e está entre os piores desde que o instituto Gallup começou a rastrear a aprovação presidencial regularmente, na década de 1940. Cinco dos 12 presidentes desde então deixaram o cargo com índices de aprovação abaixo de 40%: Jimmy Carter e Trump cada um com 34%, Harry Truman com 32%, George W. Bush com 31% e Richard Nixon com 24% pouco antes de renunciar.

A economia continua sendo o ponto alto para Trump aos olhos do público: 53% dizem que aprovam a maneira como ele lidou com a economia, o único problema testado para o qual ele obteve aprovação da maioria. As principais crises de seu último ano de mandato – o surto de coronavírus e as relações raciais – receberam críticas negativas. Apenas 34% aprovam como ele lidou com as relações raciais e 36% com o coronavírus. A aprovação é igualmente baixa para a questão-chave da campanha de 2016 de Trump para a presidência: a imigração. Apenas 36% aprovam como ele lidou com o tema.

O índice de favorabilidade de Trump (uma medida das opiniões sobre ele pessoalmente, em vez de seu trabalho como presidente) está entre os mais baixos de sua carreira política. No geral, 33% dizem ter uma opinião favorável de Trump, 64% uma opinião desfavorável. Ele foi visto pior apenas duas vezes desde que declarou sua candidatura à presidência em junho de 2015, e ambas ocorreram antes de ele ser eleito, em setembro de 2015 e março de 2016.

Outras descobertas da mesma pesquisa sugerem que, à medida que a posição de Trump caiu aos olhos do público, os norte-americanos estão prontos para que o Partido Republicano se afaste de Trump. O índice de favorabilidade do Partido Republicano sofreu um forte golpe desde antes da eleição, e cerca de três quartos dos norte-americanos dizem que querem que o Partido Republicano siga sem Trump ao invés de continuar a tratá-lo como seu líder.

As visões sobre o vice-presidente Pence mantêm-se estáveis em geral, mas, apesar da falta de movimento nos percentuais gerais, houve uma mudança partidária nas visões sobre o vice. Entre os republicanos, seu índice de favorabilidade caiu 12 pontos em comparação com uma pesquisa do início de outubro, enquanto subiu 14 pontos entre os democratas no mesmo período.

Mais pessoas têm uma visão desfavorável da primeira-dama Melania Trump agora (47%) do que em qualquer momento desde que a CNN perguntou pela primeira vez sobre as opiniões dela em fevereiro de 2016.

Metodologia

A metodologia e o peso desta pesquisa foram modificados em comparação com pesquisas anteriores da CNN. As entrevistas realizadas no celular representaram 75% do total, ante 65% em pesquisas anteriores. As ligações aconteceram ao longo de seis dias, em vez de quatro, permitindo que mais esforços fossem feitos para contatar aqueles que não são facilmente acessíveis. A ponderação demográfica foi ajustada para levar em conta as categorias de educação mais discretas divididas por raça, e uma ponderação geográfica foi aplicada para garantir uma distribuição representativa por densidade populacional. Além disso, os resultados foram ponderados para identificação partidária e enxutos entre os independentes, com alvos computados usando uma média da pesquisa atual mais três pesquisas recentes da CNN.

A nova pesquisa da CNN foi conduzida pelo SSRS de 9 a 14 de janeiro em uma amostra nacional aleatória de 1.003 adultos pesquisada em telefones fixos ou celulares por um entrevistador ao vivo. Os resultados da amostra completa têm uma margem de erro de amostragem de mais ou menos 3,7 pontos percentuais.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN