Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pesquisa sobre plebiscito chileno mostra que 54% rejeitariam nova constituição

    Ao estimar prováveis ​​eleitores de plebiscito sobre nova Constituição, pesquisa projeta que 54% se inclinariam para a “rejeição” e apenas 46% para a “aprovação”.

    Toulouse' Chileans gathered in support of Chile's protesters who demand a new economic model for Chile, a constituent assembly and the resignation of President Sebastian Pinera. Protesters were hitting saucepans. Protests in Chile began against a hike on metro fares and against high living costs. Protests turned violent in Santiago and other towns. Eighteen people have been killed in these protests. Toulouse. France. October 23th 2019. (Photo by Alain Pitton/NurPhoto via Getty Images)
    Toulouse' Chileans gathered in support of Chile's protesters who demand a new economic model for Chile, a constituent assembly and the resignation of President Sebastian Pinera. Protesters were hitting saucepans. Protests in Chile began against a hike on metro fares and against high living costs. Protests turned violent in Santiago and other towns. Eighteen people have been killed in these protests. Toulouse. France. October 23th 2019. (Photo by Alain Pitton/NurPhoto via Getty Images) Alain Pitton/NurPhoto via Getty Images

    CNN

    Foi divulgada neste sábado (20), 15 dias antes do plebiscito sobre a Constituição do Chile, uma nova edição da pesquisa do Painel Cidadão — a última antes da consulta de 4 de setembro.

    De acordo com a pesquisa, quando questionados “com as informações que você tem hoje, no plebiscito da nova Constituição, você votaria…”, 49% dos entrevistados indicaram que votariam “rejeição”. Enquanto isso, 39% garantiram que escolheriam “aprovação”. Além disso, 12% declararam que “não sabem/não votarão”.

    Ao realizar estimativa com o número provável de ​​eleitores para o plebiscito, a pesquisa projetou que 54% se inclinaram para a “rejeição” e apenas 46% para a “aprovação”, estreitando a diferença entre as duas opções para 8 pontos.

    A pesquisa também detalhou a diferença entre “aprovação” e “rejeição” por idade. Entre 18 e 30 anos, a opção “aprovo” apresenta vantagem de 10 pontos, chegando a 48%. Essa é a única faixa etária em que essa preferência tem vantagem.

    Entre 31 e 40 anos, a “rejeição” prevalece, com 50%. Entre 41 e 50 anos, a mesma opção ultrapassa 56%; e o mesmo caso ocorre entre 51 e 60 anos, onde chega a 53%.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original