Pesquisador mostra verdadeira aparência dos dinossauros em livro

Obra conta com ilustrações de 15 criaturas apresentadas, como dinossauros, pássaros pré-históricos, mamíferos e répteis

Reconstrução de um Psitacossauro, um fóssil encontrado para esta criatura continha tecido macio preservado, incluindo pele e uma série de penas semelhantes a juncos no topo da cauda
Reconstrução de um Psitacossauro, um fóssil encontrado para esta criatura continha tecido macio preservado, incluindo pele e uma série de penas semelhantes a juncos no topo da cauda Bob Nicholls

Jacopo Priscoda CNN*

Ouvir notícia

O Crystal Palace Park, no sul de Londres, ainda abriga as primeiras esculturas de dinossauros do mundo. Eles foram criados na década de 1850 com base no que foram, na época, descobertas científicas muito recentes: fósseis, desenterrados na Inglaterra apenas algumas décadas antes.

Os cientistas lutaram para entender as criaturas, e as esculturas foram a primeira tentativa de visualizá-las em tamanho real. Eles foram retratados como bestas gigantes, semelhantes a mamíferos, de porte pesado e quadrúpedes – uma ideia já revolucionária em comparação com as anteriores, que imaginavam os dinossauros essencialmente como enormes lagartos. Mas estava tão errado.

Vista da exposição Crystal Palace
Vista da exposição Crystal Palace com as fantásticas reconstruções de dinossauros de Richard Owen em primeiro plano / Wellcome Collection

Sabemos hoje que os dinossauros não se pareciam em nada com as versões escamosas do Crystal Palace. Por décadas, no entanto, as esculturas, assim como muitas outras representações que vieram em seguida, influenciaram de forma imprecisa a visão do público sobre esses gigantes extintos. O novo livro do renomado paleontólogo Michael Benton, “Dinosaurs: New Visions of a Lost World” oferece a interpretação mais recente.

“É o primeiro livro sobre dinossauros em que os dinossauros realmente se parecem com o que eram”, afirma o autor, que trabalhou com o paleoartista Bob Nicholls para dar vida às criaturas. “Cada detalhe, na medida do possível, é justificado por evidências. Procuramos escolher espécies que estejam bem documentadas, para que no texto eu possa indicar o que sabemos e por que o sabemos”.

Capa
O paleoartista Bob Nicholls deu vida às criaturas do livro de Benton, como mostra a capa / Thames & Hudson

Muitas das evidências vêm das mais recentes descobertas de fósseis na China, que, a partir dos anos 1990, mudaram a maneira como interpretamos a aparência dos dinossauros. A descoberta de 1996 de um fóssil com penas na província de Liaoning, por exemplo, criou uma conexão direta entre dinossauros e pássaros.

“Acho que podemos dizer que as penas se originaram muito antes do que pensávamos, pelo menos 100 milhões de anos antes, então bem na raiz dos dinossauros”, disse Benton.

Uma restauração do esqueleto de Hadrosaurus
Uma restauração do esqueleto de Hadrosaurus foulkii com base no original da Academia de Ciências Naturais da Filadélfia, a primeira montagem de um dinossauro em museu que também estava, corretamente, de pé / Smithsonian Institution Archives

A ideia de que os dinossauros têm penas não agradou a todos. Notoriamente, a franquia “Jurassic Park” – que estreou em 1993 antes da descoberta dos fósseis de dinossauros emplumados – se recusou veementemente a incluí-los em seus filmes mais recentes.

“Eles caracterizam isso dizendo que não querem que o T-Rex se pareça com uma galinha gigante. Mas é uma pena”, disse Benton.

Ainda mais recentemente, Benton e sua equipe da Universidade de Bristol, no Reino Unido, foram os pioneiros de certa maneira, ao encontrar estruturas de pigmento embutidas nas penas fossilizadas para identificar os padrões de cores de um dinossauro a partir de fósseis. “Fomos os primeiros a aplicar esse método em 2010, então o livro está documentando, principalmente, em estudos dos últimos 10 anos que analisaram a pele, as escamas e as penas em fósseis – para obter a cor.”

Esse resultado é mostrado por meio de ilustrações de 15 criaturas apresentadas no livro – não apenas de dinossauros, mas também de pássaros pré-históricos, mamíferos e répteis – adornadas com padrões de pele vibrantes, uma abundância de penas multicoloridas e algumas com impressionantes cabeças iridescentes.

Olhar para essas criaturas mostra o quanto nosso conhecimento sobre os dinossauros melhorou e o quanto pode melhorar ainda. “Alguns anos atrás, pensei que nunca saberíamos sobre a cor de um dinossauro, mas agora sabemos”, disse Benton.

“Não estabeleça limites, porque mais cedo ou mais tarde, um jovem inteligente dirá: ‘Ei, rapazes, podemos realmente resolver este.'”

Adicionar à fila: Dino-mania

  • Leia: “The Rise and Fall of the Dinosaurs” (2018) 

Se você quiser saber toda a história dos dinossauros, não procure além desta “biografia de dinossauros”, escrita por um dos maiores paleontólogos do mundo, Steve Brusatte. O livro narra a história de 200 milhões de anos dos dinossauros, do Triássico, através do Jurássico e no Cretáceo, quando a espécie terminou por meio de uma extinção em massa causada por um cometa ou asteroide. Narrado como uma saga épica que ilustra o funcionamento moderno da paleontologia, ele se baseia em pesquisas muito recentes.bz

  • Assista: “Walking with Dinosaurs” (2000) 

Esta clássica série de documentários, produzida pela venerável Unidade de História Natural da BBC e exibida pela Discovery nos Estados Unidos, teve a distinção de ser o documentário mais caro já feito quando foi lançado em 1999. Ganhou três Emmys, gerou duas sequências e retratou dinossauros em seus habitats naturais – no verdadeiro estilo documentário – usando uma mistura de computação gráfica e animatrônica. Foi de ponta para a época e ainda possui muito valor educacional e de entretenimento, embora parte da ciência esteja desatualizada.

  • Assista: “Dinosaur 13” (2014) 

Esta mistura entre paleontologia e drama político é tecida ao longo da história de Sue, o maior e mais completo esqueleto de T-Rex já encontrado. Depois de ser desenterrado em Dakota do Sul em 1990, o fóssil se tornou o centro de uma batalha legal de anos sobre sua propriedade, ilustrando as fissuras que podem surgir entre paleontólogos, coletores de fósseis e governos que possuem a terra em que os fósseis são encontrados. Alerta de spoiler: Sue agora está em exibição no Field Museum of Natural History de Chicago.

  • Ouça: “Eu sei Dino” (2016 em andamento) 

O podcast favorito para os amantes de dinossauros, “I Know Dino”, é dirigido por Garret Kruger e Sabrina Ricci, um casal de entusiastas de dinossauros. Cada episódio de uma hora foca em uma espécie, que é discutida e explorada em detalhes com a ajuda dos convidados. O podcast, que começou em 2016, já está se aproximando de 400 episódios.

  • Assista: “Jurassic Park” (1993)

Este clássico de Steven Spielberg ainda é o ponto de referência da cultura popular para os dinossauros. Foi o primeiro filme a retratá-los como criaturas inteligentes, dinâmicas e velozes. (Quem poderia esquecer a famosa cena com o T-Rex lutando contra os Velociraptors?) Embora tenha sido feito há quase 30 anos, o CGI do filme ainda aguenta o escrutínio. A precisão científica diminuiu com o passar dos anos, mas ainda é um filme divertido de assistir, com atuações marcantes de Laura Dern, Sam Neill e Jeff Goldblum.

* (Texto traduzido. Clique aqui para ler o original).

Mais Recentes da CNN