Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por dentro da usina nuclear ucraniana ameaçada por bombardeios

    O complexo nuclear de Zaporizhzhia, o maior desse tipo na Europa, tem sido alvo de ataques nos últimos dias

    Eliza MackintoshOleksandra Ochmanda CNN

    Todos os dias, Olga é levada de ônibus de sua casa na cidade ocupada pelos russos de Enerhodar, às margens do rio Dnipro, no sudeste da Ucrânia, até a usina nuclear de Zaporizhzhia, onde trabalha.

    A usina, o maior complexo nuclear desse tipo na Europa, é o foco de crescente preocupação global depois que dias de bombardeios provocaram pedidos de especialistas internacionais para visitar a instalação e aumentaram os temores de um possível acidente nuclear.

    Kiev acusou repetidamente as forças russas, que tomaram a usina em março, de armazenar armamento pesado dentro do complexo e usá-lo como cobertura para lançar ataques, sabendo que a Ucrânia não pode devolver fogo sem arriscar atingir um dos seis reatores da usina – um erro que levaria a um desastre. Moscou, enquanto isso, alegou que tropas ucranianas estão atacando o local. Ambos os lados tentaram apontar o dedo um para o outro por ameaçar o terrorismo nuclear.

    Para Olga e seus colegas ucranianos que ainda trabalham na usina, o espectro de um desastre nuclear não é apenas um pesadelo – é uma realidade diária.

    É “como dormir e assistir a um sonho”, disse ela à CNN em uma recente entrevista por telefone, descrevendo o choque surreal e prolongado que experimentou trabalhando na fábrica, que embora mantida pelas forças russas, ainda é operada principalmente por técnicos ucranianos.

    Nos meses desde que a instalação nuclear foi capturada, os funcionários ucranianos começaram lentamente a retornar – realizando tarefas em salas parcialmente destruídas e só entrando em contato com soldados russos quando atravessam dois postos de controle para entrar no complexo.

    “Depois da ocupação, só o pessoal operacional trabalhava na estação. Havia muitas salas e janelas quebradas e queimadas. Depois, aos poucos, começaram a pedir que as pessoas viessem trabalhar para tarefas específicas”, Olga, cujo nome foi alterado para proteger sua identidade, disse.

    “Agora a parte do pessoal que não saiu está trabalhando. Cerca de 35% a 40% dos trabalhadores saíram”.

    A redução do quadro de funcionários e a intensificação dos combates estão tornando as condições de trabalho cada vez mais tênues.

    Ucrânia e Rússia novamente trocaram culpas após mais bombardeios ao redor da usina durante a noite de quinta-feira, poucas horas depois que as Nações Unidas pediram a ambos os lados que cessassem as atividades militares perto da usina, alertando para o pior se não o fizessem.

    “Lamentavelmente, em vez de desescalada, nos últimos dias houve relatos de mais incidentes profundamente preocupantes que podem, se continuarem, levar ao desastre”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em comunicado. “Peço a retirada de qualquer pessoal e equipamento militar da fábrica e a prevenção de qualquer desdobramento de forças ou equipamentos para o local”.

    Falando em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU em Nova York na quinta-feira, o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Grossi, disse que ataques recentes destruíram partes da usina, arriscando um potencial vazamento de radiação “inaceitável” e pediu que uma equipe de especialistas tenha acesso urgente ao local, onde a situação “está se deteriorando muito rapidamente”.

    “Esta é uma hora séria, hora grave, e a AIEA deve ser autorizada a conduzir sua missão em Zaporizhzhia o mais rápido possível”, disse Grossi.

    A Energoatom, empresa estatal de energia nuclear da Ucrânia, acusou as forças russas na quinta-feira de atacar uma área de armazenamento de “fontes de radiação” e bombardear um corpo de bombeiros perto da usina. Um dia depois, a empresa disse em comunicado em sua conta do Telegram que a usina estava operando “com o risco de violar os padrões de segurança contra radiação e incêndio”.

    O ministro do Interior da Ucrânia, Denys Monastyrskyi, disse na sexta-feira que “não havia controle adequado” sobre a usina, e os especialistas ucranianos que permaneceram lá não tiveram acesso a algumas áreas onde deveriam estar.

    A CNN não pode confirmar os detalhes fornecidos pela Energoatom ou Monastyrskyi, mas Grossi disse que algumas partes da usina estavam inoperantes. Olga também confirmou que partes do complexo são inacessíveis ao pessoal ucraniano.

    A Rússia continuou a acusar a Ucrânia de estar por trás dos ataques. Um funcionário local da administração da ocupação, Vladimir Rogov, disse à agência de notícias estatal russa Rossiya 24, na sexta-feira, que havia “danos constantes” na linha de transmissão de energia da usina e sugeriu que o complexo pode ser “desativado” – sem qualquer explicação de como isso pode acontecer.

    Autoridades ucranianas dizem que foguetes russos disparados da usina nuclear atingiram a cidade de Nikopol, na margem direita do rio Dnipro, e distritos vizinhos na última semana. Pelo menos 13 pessoas foram mortas no bombardeio durante a noite de terça-feira, e várias outras ficaram feridas na quarta e quinta-feira à noite, incluindo uma menina de 13 anos, segundo autoridades locais.

    Nos últimos meses, Olga disse que viu equipamentos militares russos chegando ao complexo nuclear, embora grande parte deles tenha sido ocultado da vista. “Inicialmente, havia equipamentos no território da estação, agora há ainda mais”, disse ela, acrescentando que não são permitidos funcionários nas áreas onde estão armazenados.

    Mas quando ela volta para casa do trabalho, o poder de fogo da Rússia é claro, disse ela. “Horrores acontecem à noite, eles estão bombardeando a cidade”.

    “O golpe que chega na margem direita [do rio] chacoalha tanto que as casas e as janelas estremecem. É assustador no silêncio da noite quando as pessoas estão dormindo”, acrescentou.

    Do outro lado do Dnipro, em Nikopol, os ataques agora parecem implacáveis.

    Da janela de sua casa perto do porto da cidade, Oksana Miraevska pode olhar através da água e ver a saraivada de projéteis que chegam.

    “Se acontecer alguma coisa com a usina, algum acidente, não consigo pensar nisso. Você acha que alguma coisa poderia nos ajudar? Estamos a 7 km da usina nuclear do outro lado do rio! Nada vai nos salvar, eu tenho certeza”, disse Miraevska, proprietário de uma pequena empresa de 45 anos, à CNN por telefone. “É por isso que eu nem mesmo entretenho esse pensamento”.

    Quando o bombardeio começou no mês passado, Miraevska disse que muitos moradores fugiram em pânico, mas ela ficou para trás tentando ajudar localmente, principalmente recebendo animais abandonados. À noite, ela e seu filho adolescente levam os animais para o porão que virou abrigo antibomba, onde todos dormem.

    “Quando eles começaram a nos bombardear, a vida em geral mudou. Eu moro no porão, passamos a noite lá. Estamos dormindo lá há um mês”, disse Miraevska.

    “Não acho que o inimigo deva ser subestimado”, acrescentou.

    É a mesma mensagem ecoada por especialistas internacionais alertando sobre o impacto desastroso que um projétil errante pode causar.

    No fim de semana passado, um incêndio danificou uma instalação de armazenamento a seco – onde os barris de combustível nuclear usado são mantidos na usina – bem como detectores de monitoramento de radiação, impossibilitando a detecção de qualquer vazamento potencial, de acordo com a Energoatom. Os ataques também danificaram uma linha de alta tensão e forçaram um dos reatores da usina a parar de funcionar.

    Esse aumento no bombardeio levou a AIEA a intensificar seus esforços para enviar uma missão de especialistas para visitar a usina para avaliar e proteger o complexo.

    Embora uma avaliação inicial de especialistas não tenha encontrado “nenhuma ameaça imediata à segurança nuclear” na usina, Grossi disse na quinta-feira que “isso pode mudar a qualquer momento”. Ele acrescentou que, embora a agência estivesse em contato frequente com as autoridades ucranianas e russas sobre a usina, as informações fornecidas eram “contraditórias”.

    As demandas para o cessar das hostilidades cresceram na última semana. O G7 – grupo de grandes nações industrializadas – divulgou um comunicado de sua reunião na Alemanha na quarta-feira pedindo à Rússia que retire suas forças e entregue o controle da usina à Ucrânia.

    A declaração culpou as forças armadas russas, que os países do G7 disseram estar “aumentando significativamente o risco de um acidente ou incidente nuclear e colocando em risco a população da Ucrânia, os estados vizinhos e a comunidade internacional”.

    Um porta-voz do Departamento de Estado disse na quinta-feira que os Estados Unidos apoiaram os pedidos de uma “zona desmilitarizada” em torno da usina nuclear e exigiu que a Rússia “cesse todas as operações militares nas instalações nucleares ucranianas ou próximas”.

    Olga Voitovych, Yulia Kesaieva e Anna Chernova, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original