Por que o reconhecimento de regiões controladas por separatistas é significativo

Putin assinou decretos reconhecendo a independência de duas regiões controladas por separatistas na Ucrânia: Donetsk e Luhansk

Ativistas pró-Rússia reagem em rua de Donetsk após reconhecimento de independência da região por Putin
Ativistas pró-Rússia reagem em rua de Donetsk após reconhecimento de independência da região por Putin 21/02/2022REUTERS/Alexander Ermochenko

Tamara QiblawiNathan HodgeIvana KottasováKylie Atwoodda CNN

Ouvir notícia

O presidente russo, Vladimir Putin, assinou decretos reconhecendo a independência de duas regiões controversas controladas por separatistas na Ucrânia, a República Popular de Donetsk e a República Popular de Luhansk, em uma cerimônia transmitida pela televisão estatal.

Isso gerou grande repercussão na diplomacia internacional, com vários líderes falando em impor sanções contra a Rússia.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, prometeu anteriormente “uma resposta rápida e firme” do país e aliados se a Rússia reconhecer as regiões como parte do território russo, chamando tal medida de “violação grosseira do direito internacional”.

Eis por que o reconhecimento das regiões controladas pelos separatistas é significativo:

A guerra eclodiu em 2014, depois que rebeldes apoiados pela Rússia tomaram prédios do governo em vilas e cidades do Leste da Ucrânia. Os intensos combates deixaram partes de Luhansk e Donetsk, no Leste da região de Donbas, nas mãos dos separatistas. A Rússia também anexou a Crimeia da Ucrânia em 2014, um movimento que provocou condenação global.

As áreas controladas pelos separatistas em Donbas ficaram conhecidas como a República Popular de Luhansk (LPR) e a República Popular de Donetsk (DPR). O governo ucraniano em Kiev afirma que as duas regiões estão de fato ocupadas pelos russos.

As repúblicas autodeclaradas não eram reconhecidas por nenhum governo. O governo ucraniano se recusa a falar diretamente com qualquer uma das repúblicas separatistas.

O acordo de Minsk de 2015 levou a um cessar-fogo instável, e o conflito se estabeleceu em uma guerra estática ao longo da Linha de Contato que separa o governo ucraniano e as áreas controladas pelos separatistas. Os Acordos de Minsk (em homenagem à capital da Bielorrússia, onde foram celebrados) proíbem armas pesadas perto da Linha de Contato.

A linguagem em torno do conflito é fortemente politizada. O governo ucraniano chama as forças separatistas de “invasores” e “ocupantes”. A mídia russa chama as forças separatistas de “milícias” e sustenta que são locais se defendendo contra o governo de Kiev.

Mais de 14 mil pessoas morreram no conflito em Donbas desde 2014. A Ucrânia diz que 1,5 milhão de pessoas foram forçadas a fugir de suas casas, com a maioria permanecendo nas áreas de Donbas que estão sob controle ucraniano e cerca de 200 mil reassentados na região de Kiev.

*com informações de Jennifer Hansler, da CNN

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN