Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Premiê da Escócia, Nicola Sturgeon anuncia que deixará o cargo após oito anos

    Figura proeminente do movimento escocês que busca independência do Reino Unido vive turbilhão de reveses políticos

    Jack GuyLuke McGeeda CNN

    Nicola Sturgeon, a figura proeminente do desnorteado movimento escocês pela independência, anunciou dramaticamente nesta quarta-feira (15) que irá renunciar após oito anos como primeira-ministra da Escócia.

    A líder do Partido Nacional Escocês (SNP, na sigla em inglês) fez o anúncio em uma entrevista coletiva na capital escocesa de Edimburgo. Ela permanecerá no cargo até que um novo líder do SNP seja nomeado.

    Sturgeon disse que sabe que “chegou a hora” de renunciar, acrescentando que é “certo para mim, para meu partido e para o país”.

    “Em primeiro lugar, embora eu saiba que será tentador ver isso como tal, esta decisão não é uma reação a pressões de curto prazo”, disse Sturgeon, que também enfrenta tensões crescentes com o governo do Reino Unido sobre a independência escocesa, como a decisão britânica de bloquear uma lei escocesa destinada a permitir que pessoas trans na Escócia mudassem seu gênero legal sem um diagnóstico médico.

    “Esta decisão vem de uma avaliação mais profunda e de longo prazo”, acrescentou a premiê.

    Ela acrescentou que não podia mais dedicar toda a sua energia ao trabalho e que sentia que deveria dizê-lo agora. “Tenho lutado com isso, embora com níveis de intensidade oscilantes, há algumas semanas”, disse..

    “Dar absolutamente tudo de si para este trabalho é a única maneira de fazê-lo”, completou.

    Ela declarou que era difícil ter uma vida privada, observando que era difícil “encontrar amigos para tomar um café ou passear sozinha” e observou que havia uma “brutalidade” na vida pública.

    O anúncio chocante levou a especulações sobre o momento de Sturgeon, especialmente porque ela havia prometido recentemente fazer das próximas eleições gerais britânicas um segundo referendo de fato sobre a independência escocesa.

    Embora ela enfatizasse que não poderia mais dedicar todas as suas energias ao trabalho, sua lista de dores de cabeça políticas aumentou.

    As pesquisas do SNP caíram, prejudicando seu controle sobre a política escocesa. O movimento de independência estagnou, sem nenhuma chance real de um referendo em breve.

    Ela perdeu apoio em seu partido desde que tentou apresentar o controverso projeto de lei sobre identificação de gênero, com algumas pesquisas sugerindo que a maioria dos escoceses apoiou a decisão do governo do Reino Unido de usar seus poderes para bloquear a proposta.

    E seu marido foi pego em um escândalo no final do ano passado, depois que foi relatado que ele havia emprestado £ 100 mil pessoalmente ao SNP.

    Resumindo, tendo dominado a política escocesa por oito anos, empunhando o taco de beisebol da independência e usando-o regularmente para golpear o governo do Reino Unido, Sturgeon pode ter decidido desistir antes que seu legado seja manchado pelo fracasso.

    E a independência escocesa?

    A pressão pela independência escocesa esbarrou em uma parede de tijolos. Houve um tempo em que parecia inevitável após o Brexit.

    O problema para o SNP, como sempre, é que o governo do Reino Unido deve aprovar qualquer decisão de realizar um referendo.

    Theresa May, Boris Johnson, Liz Truss e Rishi Sunak, quatro primeiros-ministros conservadores consecutivos, não aceitaram a ideia.

    Também parece muito improvável que Keir Starmer, o líder do Partido Trabalhista oficial da oposição, dê algum impulso à ideia, visto que os Trabalhistas precisam ganhar assentos na Escócia para obter uma maioria parlamentar no Reino Unido.

    O SNP deve ter uma conferência especial sobre a independência no próximo mês. Agora é provável que ele vá para essa conferência dividido e sem qualquer certeza de sua direção. Tudo isso deixará muito felizes aqueles que se opõem à independência.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original