Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Presidente da Itália, Mattarella, é reeleito para segundo mandato após impasse

    Presidente complementa os primeiros-ministros e é frequentemente chamado para resolver crises políticas na terceira maior economia da zona do euro

    Presidente italiano, Sergio Mattarella
    Presidente italiano, Sergio Mattarella 20/01/2022Francesco Ammendola/Presidência da Itália/Divulgação via REUTERS

    Gavin JonesCrispian Balmerda Reuters

    Ouvir notícia

    O chefe de Estado da Itália, Sergio Mattarella, concordou neste sábado (29) em cumprir um segundo mandato, disseram políticos de alto escalão, depois que os partidos não conseguiram encontrar um candidato alternativo mutuamente aceitável em uma semana de muitas votações no parlamento.

    Mattarella, de 80 anos, havia descartado permanecer no cargo, mas com a estabilidade política do país em risco, era considerado improvável que ele resistisse à pressão para permanecer.

    A “disposição de Mattarella para servir um segundo mandato… mostra seu senso de responsabilidade e seu apego ao país e suas instituições”, disse a ministra de Assuntos Regionais, Mariastella Gelmini, em comunicado.

    O líder do Partido Democrático (PD) de centro-esquerda, Enrico Letta, que defendeu a reeleição de Mattarella, falou aos repórteres para expressar seus “enormes agradecimentos ao presidente Mattarella por sua escolha generosa em relação ao país”.

    Chefes parlamentares foram ao palácio do presidente no centro de Roma para pedir que ele permaneça no cargo, depois que os legisladores não conseguiram eleger um presidente no sábado após sete rodadas de votação.

    O primeiro-ministro Mario Draghi, que não conseguiu encontrar apoio para suas próprias ambições para o cargo, ligou anteriormente para Mattarella e também pediu que ele permanecesse, disse uma fonte política.

    É a segunda vez consecutiva que um presidente é convidado a renovar seu mandato de sete anos.

    Em 2013, os líderes políticos apelaram ao então chefe de Estado, Giorgio Napolitano, que tinha quase 90 anos, depois de também não terem encontrado um candidato consensual.

    Napolitano concordou com relutância, mas ficou de lado dois anos depois, depois que um novo governo foi instalado. Mattarella quase certamente fará o mesmo assim que a situação política permitir, disseram muitos comentaristas.

    Desordem de centro-direita

    Os esforços infrutíferos para substituí-lo deixaram cicatrizes profundas nos partidos e seus líderes, com a aliança de centro-direita em particular, depois de perder qualquer aparência de unidade nas últimas 24 horas.

    Isso pode ter repercussões na estabilidade do amplo governo de coalizão de Draghi, que inclui partidos de esquerda e direita que estão em desacordo sobre a eleição de um novo presidente.

    “O cenário político mudou”, disse Letta, que emergiu mais forte da semana de manobras políticas e pode buscar mais peso no gabinete para o PD.

    tanto o partido de Salvini, quanto a Forza Italia, no final, abraçaram a perspectiva de manter o status quo. Enquanto isso, o partido Irmãos da Itália, que não se juntou a eles na coalizão governante, denunciou as manobras nos bastidores.

    “O Parlamento mostrou que não é adequado para os italianos”, disse a líder dos Irmãos da Itália, Giorgia Meloni, em um comunicado, acusando seus aliados de “trocar” a presidência para garantir que o governo permaneça no cargo até que a legislatura termine em 2023.

    As apostas têm sido altas. O presidente é uma figura poderosa que complementa os primeiros-ministros e é frequentemente chamado para resolver crises políticas na terceira maior economia da zona do euro, onde os governos sobrevivem em média um ano.

    Ao contrário dos Estados Unidos ou da França, onde os chefes de estado são eleitos por voto popular, na Itália, 1.009 parlamentares e representantes regionais participam de uma votação secreta que os líderes partidários às vezes lutam para controlar.

    Ameaçando assumir o controle da situação, os legisladores têm apoiado Mattarella cada vez mais nas urnas diárias, com sua contagem subindo para 387 no sábado.

    Um candidato bem-sucedido precisa de 505 votos para vencer, e Mattarella parecia pronto para passar confortavelmente na oitava votação.

    Até a publicação desta matéria, não houve comentários do presidente.

    Mais Recentes da CNN