Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Prigozhin entra para lista de críticos de Putin que morreram; veja outros nomes

    Membros da elite de Moscou tem mortes misteriosas após desentendimento com o Kremlin

    Yevgeny Prigozhin, chefe do Grupo Wagner, estava em avião que caiu na Rússia
    Yevgeny Prigozhin, chefe do Grupo Wagner, estava em avião que caiu na Rússia Mikhail Svetlov/Getty Images

    Lauren Said-Moorhouseda CNN

    Os avisos estavam lá. As especulações sobre o eventual destino de Yevgeny Prigozhin começaram logo após a seu motim sobre a Rússia, há dois meses. O chefe do Grupo Wagner pode ter inicialmente sobrevivido às consequências da sua insurreição fracassada, mas muitos expressaram dúvidas sobre o seu futuro. Isso ainda não está claro na sexta-feira (26), dois dias depois de o avião do líder mercenário ter caído do céu.

    Não foram apresentadas quaisquer provas que apontem para o envolvimento do Kremlin ou dos serviços de segurança russos no acidente. A causa do acidente é desconhecida e as autoridades russas iniciaram uma investigação criminal.

    O que se sabe é que o chefe mercenário – outrora um dos oligarcas mais poderosos do país e membro do círculo íntimo de confiança de Putin – parece ter-se juntado a uma lista cada vez maior de russos de alto perfil que caíram nas boas graças do presidente e morreu em circunstâncias misteriosas.

    Bill Browder, um crítico de Putin e o maior investidor estrangeiro na Rússia antes de ser expulso do país em 2005, disse numa publicação no X, anteriormente conhecido como Twitter, que “Putin nunca perdoa e nunca esquece”.

    Desde quedas acidentais de janelas a enforcamentos, envenenamentos e problemas de saúde, os destinos de alguns daqueles que ousaram desafiar o Kremlin são inumeráveis.

    Boris Nemtsov

    Líder da oposição russa, ex-vice-primeiro-ministro Boris Nemtsov / Konstantin Zavrazhin/Getty Images

    Boris Nemtsov, um crítico ferrenho do Kremlin que foi vice-primeiro-ministro no final dos anos 1990 no governo do presidente Boris Yeltsin, foi morto a tiros em fevereiro de 2015 enquanto caminhava com sua namorada no centro de Moscou.

    Alto funcionário do Partido Republicano da Rússia/Partido da Liberdade Popular, um grupo de oposição liberal, foi preso várias vezes por realizar declarações contra o governo de Putin.

    Após a sua morte, o líder da oposição Ilya Yashin disse que o seu amigo estava trabalhando em um relatório sobre as tropas russas e o seu envolvimento na Ucrânia.

    Numa entrevista à revista Newsweek, poucas horas antes da sua morte, Nemtsov disse que a Rússia estava a “afogar-se” sob a liderança de Putin e estava a se tornar rapidamente num Estado fascista.

    “Devido à política de Vladimir Putin, um país com potencial incomparável está a afundar-se, uma economia que acumulou reservas cambiais incalculáveis está a entrar em colapso”, disse ele.

    A morte de Nemtsov ocorreu dois dias antes de ele liderar um comício da oposição na capital russa. Sua morte ocorreu à vista do Kremlin.

    Em 2017, cinco homens chechenos foram condenados a longas penas de prisão pela sua morte. Muitos apoiadores de Nemtsov suspeitavam de envolvimento da administração de Putin.

    Boris Berezovsky

    Oligarca e empresário russo Boris Berezovsky em sua casa em Egham, Surrey, em 2002 / John Downing/Hulton Archive/Getty Images

    Boris Berezovsky era um personagem pitoresco e outrora poderoso empresário russo que desentendeu-se com o Kremlin e fugiu para Inglaterra.

    Ele acumulou riqueza após o colapso da União Soviética, abandonando sua carreira anterior como professor de matemática e analista de sistemas em Moscou por empresas mais lucrativas.

    Embora grande parte da sua fortuna tenha vindo da venda de carros de luxo, a sua riqueza e influência política dispararam quando ele comprou produtos da mídia russa.

    Depois de perder o favor do seu governo, mudou-se para a Grã-Bretanha, onde começou a agitar contra Putin e até apelou a um golpe para destituir o presidente russo.

    Berezovsky foi condenado à revelia por fraude e evasão fiscal por um tribunal russo em 2007.

    Ele acusou a Rússia de tentar assassiná-lo. Berezovsky foi encontrado morto no chão do banheiro de sua casa no Reino Unido em 2013, com uma corda no pescoço. A polícia britânica disse na época que não havia sinais de luta e sugeriu que o oligarca havia suicidado-se.

    Alexander Perepilichnyy

    Ao longo dos anos, surgiram sugestões sobre o possível uso de um veneno vegetal raro na morte do Alexander Perepilichnyy. Ele foi um financista que forneceu provas de suposta fraude contra autoridades fiscais russas.

    Ele morreu repentinamente em 2012, aos 44 anos, enquanto corria de volta para sua casa em Surrey, a sudoeste de Londres.

    A princípio pareceu que Perepilichnyy havia morrido de causas naturais. Mas em 2015, especialistas em toxicologia vegetal do Royal Botanic Gardens, em Kew, disseram ao tribunal legista que vestígios de um veneno vegetal raro – o gelsemium – foram encontrados no seu estômago.

    Dois anos depois, houve sugestões de que o veneno poderia ter sido colocado na sopa de azeda, um prato popular russo que ele comeu pouco antes de morrer. No entanto, a polícia disse mais tarde que não encontrou nenhuma evidência de que ele foi envenenado.

    No momento de sua morte, Perepilichnyy estava ajudando em um caso para descobrir uma operação multimilionária de lavagem de dinheiro na Rússia.

    Sergei Magnitsky

    O advogado russo Sergei Magnitsky morreu em uma prisão russa em 2009. Ele trabalhou para a Hermitage Capital, uma empresa de investimentos dirigida pelo financista americano Bill Browder, e ajudou a descobrir uma fraude fiscal de US$ 230 milhões e evidências que funcionários do governo russo estiveram envolvidos na sua execução e depois no seu encobrimento.

    Pouco depois de tornar públicas essas revelações em 2008, Magnitsky foi preso por acusações distintas de fraude fiscal. Ele morreu um ano depois, ainda em prisão preventiva.

    A sua família disse que foram suspensos cuidados médicos cruciais, enquanto um relatório da comissão presidencial russa de direitos humanos encontrou provas de que ele tinha sido espancado no mesmo dia em que morreu. O governo russo sempre afirmou que Magnitsky morreu de insuficiência cardíaca.

    Nos EUA, Browder lançou uma campanha pública por justiça, apelando ao Congresso para que introduzisse uma lei que sancionasse indivíduos na Rússia suspeitos de envolvimento na morte de Magnitsky e outras violações dos direitos humanos.

    A Lei Magnitsky foi aprovada pelos legisladores em 2012. Duas semanas após a aprovação da Lei Magnitsky, Moscovo proibiu as adoções americanas de crianças russas, em aparente retaliação. Ambas as medidas ainda estão em vigor.

    Alexander Litvinenko

    Alexander Litvinenko é fotografado em um hospital de Londres em 20 de novembro de 2006, três dias antes de sua morte / Natasja Weitsz/Getty Images

    Alexander Litvinenko foi fotografado em um hospital de Londres em 20 de novembro de 2006, três dias antes de sua morte.

    Um inquérito britânico determinou que Alexander Litvinenko, um antigo agente russo que se tornou crítico do Kremlin, foi envenenado em um bar de hotel em Londres em 2006 por dois agentes russos que adicionaram polónio-210 altamente radioactivo ao seu chá verde.

    Litvinenko – que teve uma morte lenta e dolorosa nas semanas seguintes ao seu envenenamento – sempre afirmou que Putin e o Kremlin foram responsáveis pelo que lhe tinha acontecido.

    “Você pode conseguir silenciar um homem, mas o grito de protesto de todo o mundo irá reverberar, Sr. Putin, em seus ouvidos pelo resto da sua vida”, disse ele em um comunicado no leito de morte.

    O inquérito, liderado pelo juiz Robert Owen, disse que Putin “provavelmente aprovou” o assassinato do ex-espião. O Kremlin sempre negou a acusação e recusou-se a extraditar os dois agentes acusados do envenenamento para a Grã-Bretanha.

    Litvinenko havia trabalhado para o FSB, a agência russa sucessora da KGB, a antiga polícia secreta e agência de inteligência soviética. Especializou-se no combate ao crime organizado e o seu último trabalho na agência, após o colapso da União Soviética, foi chefiar o departamento anticorrupção – cargo que lhe rendeu muitos inimigos.

    Depois de deixar o FSB, Litvinenko acusou seus ex-empregadores de orquestrar uma série de atentados à bomba em apartamentos na Rússia em 1999, que deixaram centenas de mortos e levaram à invasão russa da Chechênia no final daquele ano.

    De acordo com a sua viúva, Marina Litvinenko, ele começou a trabalhar para os serviços de segurança britânicos depois de ter ido para a Grã-Bretanha como denunciante em 2000.

    Anna Politkovskaya

    Nesta foto de arquivo sem data, a jornalista russa independente Anna Politkovskaya, uma repórter investigativa e autora altamente respeitada e incansável, é retratada trabalhando / Novaya Gazeta/Epsilon/Getty Images

    Crítica veemente da guerra russa na Chechênia, ela foi baleada na entrada de seu apartamento em Moscou em outubro de 2006. Em 2014, um tribunal de Moscou condenou cinco homens à prisão pelo assassinato.

    As autoridades alegaram que um homem não identificado pediu a Lom-Ali Gaitukayev, que o júri considerou ser o mentor do assassinato, que matasse Politkovskaya em troca de US$ 150 mil devido aos seus relatos de violações dos direitos humanos e outras questões, disse o tribunal da cidade de Moscovo.

    O Comité para Proteção dos Jornalistas, com sede em Nova Iorque, disse que o seu trabalho de narração de violações dos direitos humanos na Chechénia levou a ameaças contra ela e irritou as autoridades russas.

    Pouco depois da sua morte, Putin negou qualquer envolvimento do Kremlin no seu assassinato, dizendo que a “morte de Politkovskaya em si é mais prejudicial para as autoridades atuais, tanto na Rússia como na República da Chechénia… do que as suas atividades”.

    Afogamentos, suicídios e outras mortes incomuns

    A lista de detratores falecidos que podem ter potencialmente caído em conflito com o Kremlin poderia encher um livro.

    No mesmo dia em que se presume que Prigozhin foi morto, a RIA Novosti também relatou a recente morte de um antigo general dos serviços de segurança russos.

    O general Gennady Lopyrev – que supostamente tinha conhecimento da construção da residência de Putin no Mar Negro – foi condenado por crimes de suborno em 2017 e cumpria pena de 9 anos e 8 meses.

    De acordo com a RIA Novosti, enquanto estava sob custódia, ele recentemente “adoeceu repentinamente” e posteriormente morreu no hospital em 16 de agosto.

    Lopyrev sempre alegou a sua inocência em relação a todas as acusações.

    O think tank Instituto para o Estudo da Guerra, com sede em Washington, classificou a morte de Lopyrev como “suspeita” e disse que sua “fonte interna alegou que Lopyrev era “o guardião dos segredos” relacionados à construção da residência de Putin em Gelendzhik, muitas vezes referida como “Palácio de Putin”.

    Veja também – Análise: Como fica a relação de Putin com o Grupo Wagner

    Em maio, o vice-ministro da Ciência e Ensino Superior da Rússia, Pyotr Kucherenko, 46 anos, morreu enquanto voltava de uma viagem a Cuba, segundo o ministério.

    Pelo menos 13 empresários russos de alto nível morreram por suicídio ou em circunstâncias misteriosas durante o ano passado, seis deles ligados às duas maiores empresas de energia da Rússia, Gazprom e Lukoil.

    Este último assumiu a rara posição pública no ano passado de denunciar a guerra da Rússia na Ucrânia e de apelar ao fim do conflito.

    O magnata russo das salsichas que se tornou legislador Pavel Antov morreu na Índia em dezembro, depois de cair do terceiro andar de seu hotel, segundo a polícia indiana.

    De acordo com as autoridades, seu amigo e companheiro de viagem Vladimir Budanov morreu de ataque cardíaco dois dias antes, no aniversário de 65 anos de Antov

    Budanov tinha 61 anos e um problema cardíaco pré-existente, disse a polícia, acrescentando que acredita que a morte de Antov foi suicídio.

    Alexander Buzakov, chefe de um grande estaleiro russo especializado na construção de submarinos não nucleares, morreu repentinamente em dezembro, informou a agência de notícias Reuters, sem causa de morte dada pelas autoridades.

    Anatoly Gerashchenko, ex-reitor do Instituto de Aviação de Moscou, morreu em um acidente não especificado em setembro, segundo comunicado do instituto.

    O presidente da Lukoil, Ravil Maganov, também morreu em setembro passado, depois de cair da janela de um hospital de Moscou, segundo a TASS. Uma declaração inicial da Lukoil dizia que Maganov “faleceu após uma doença grave”.

    Vivos, mas neutros

    Nem todos aqueles que vão contra o Kremlin têm um fim prematuro. Mas muitos acabam por se tornar incapazes de causar mais problemas a Putin e ao seu governo.

    O mais proeminente deles é o líder da oposição russa Alexey Navalny. A voz dissidente mais proeminente na Rússia de Putin, o advogado, político e activista anticorrupção orquestrou durante anos protestos massivos nas ruas. Ele também rotulou o partido Rússia Unida de Putin de “o partido dos bandidos e ladrões”.

    Ele ganhou destaque em 2008, quando começou a blogar sobre suposta corrupção dentro de empresas estatais russas. Em 2011, ele emergiu como um dos líderes de protestos em massa contra alegações de fraude nas eleições parlamentares.

    Navalny foi preso inúmeras vezes ao longo dos anos. Em 2019, ele sugeriu que poderia ter sido envenenado enquanto estava sob custódia policial, após ser hospitalizado com uma reação alérgica aguda. Mas foi em agosto de 2020 que ele quase morreu depois de ser envenenado com um agente nervoso químico tóxico, Novichok. Ele foi levado de avião para um hospital alemão para tratamento.

    O Kremlin negou repetidamente qualquer envolvimento, tendo Putin chegado a dizer em dezembro desse ano que se os serviços de segurança russos quisessem matar Navalny teriam “terminado” o trabalho.

    Uma investigação da CNN-Bellingcat implicou o serviço de segurança federal da Rússia no plano de envenenamento.

    Veja também – Análise: Os efeitos do acidente de avião com Prigozhin para a política da Rússia

    Ele foi preso novamente ao retornar à Rússia em janeiro de 2021, onde tem definhado desde então.

    Outro oponente do Kremlin que cumpriu pena na prisão foi Mikhail Khodorkovsky. Ele foi libertado em 2013 depois que Putin assinou um decreto perdoando o ex-magnata do petróleo, que havia sido condenado por evasão fiscal e fraude.

    O ex-espião russo Sergei Skripal pagou um preço elevado por se voltar contra o Kremlin. Skripal foi condenado na Rússia por espionagem para a Grã-Bretanha antes de receber refúgio no Reino Unido, após uma troca de espiões de alto perfil em 2010 entre os Estados Unidos e a Rússia.

    Em 2018, ele e sua filha Yulia ficaram em estado crítico após serem expostos ao Novichok perto de sua casa, no sul da Inglaterra. Eles sobreviveram após um longo período no hospital, com Yulia revelando nas semanas seguintes que sua reabilitação tinha sido “lenta e extremamente dolorosa”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Tópicos

    Tópicos