Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Primárias argentinas para presidente: termina eleição e começa processo de apuração dos votos

    Processo eleitoral no país é coordenado pela Câmara Nacional Eleitoral (CNE), instituição do Poder Judicial

    Pedro Jordãoda CNN

    São Paulo

    A votação nas eleições primárias da Argentina, realizadas neste domingo (13), estão encerradas e, agora, é dado início ao processo de apuração dos votos. A expectativa é que, até o fim do dia, sejam divulgados os primeiros resultados.

    A informação foi anunciada pela Câmara Nacional Eleitoral (CNE), instituição do Poder Judicial argentino, responsável pela realização segura e democrática no país. No Brasil, seu equivalente seria o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    Às 17h, a Câmara havia anunciado que 61,5% dos votos esperados já haviam sido depositados nas urnas. O voto podia ser dado nas primárias até às 18h.

    Na Argentina, o voto é obrigatório para quem tem de 18 a 70 anos. Mas, a partir dos 16 anos e depois dos 70, é possível escolher se irá votar ou não.

    Ainda assim, é esperada uma alta taxa de abstenção nas primárias.

    A poucos minutos do encerramento ainda havia muitas filas de eleitores em várias escolas da capital Buenos Aires, segundo a CNN Espanhol. Segundo a CNE, 66% dos eleitores votaram até o encerramento oficial, mas aqueles que aguardam nas filas ainda poderão votar.

    A apuração dos votos deverá ser mais lenta em algumas localidades, segundo o secretário-geral da Presidência da República, Julio Vitobello.

    Em pronunciamento, ele pediu paciência e lembrou que houve dois sistemas de votação nas primárias, um de papel (na maioria das localidades) e o outro eletrônico (em Buenos Aires).

    O resultado só deverá ser divulgado após a apuração dos dois sistemas.

    Como funcionam as primárias

    As Primárias abertas, simultâneas e obrigatórias (Paso, na sigla em espanhol) definem os candidatos aos cargos eletivos de cada partido para disputar as eleições gerais — ou seja, que disputarão a Presidência e outros cargos do Legislativo — em 22 de outubro.

    A questão que envolve as primárias é se realmente faz sentido que elas sejam realizadas, já que os partidos políticos muitas vezes apresentam apenas um candidato.

    Desde o final de 2016, foi estabelecido que os candidatos aprovados nas primárias devem participar de dois debates televisionados. Eles acontecerão entre os dias 1º e 8 de outubro.

    Um desses debates deve ser realizado em uma capital provincial determinada pela Câmara Nacional Eleitoral.

    Em caso de segundo turno, haverá mais uma instância de debate entre os dois candidatos, no dia 12 de novembro.

    VÍDEO – Desinteresse de argentinos mostra democracia enfraquecendo, diz analista

    Principais candidatos

    Os principais candidatos, com expectativas de que recebam mais votos, são, do lado governista e de esquerda, Sergio Massa, da União Pela Pátria, com a vice Augustín Rossi; e Juan Grabois, também da União Pela Pátria, com a vice Paula Medina.

    Já entre os opositores de direita estão Horacio Larreta, do Juntos Pela Mudança, com o vice Gerardo Morales; e Patricia Bullrich, também do Juntos Pela Mudança, com o vice Luis Petri.

    A chapa de extrema-direita encabeçada por Javier Milei, da Liberdade Avança, com a vice Victoria Villarruel, também deve receber uma quantidade expressiva de votos, se aproximando de 20%. No entanto, o quantitativo não deverá ser suficiente para seguir na disputa.