Projeção da CNN: Gavin Newsom, governador da Califórnia, permanecerá no cargo

Com forte participação dos eleitores do partido, democrata derrota esforço para destituí-lo e poderá encerrar seu mandato

Democrata Gavin Newsom derrotou iniciativa para tirá-lo do governo da Califórnia
Democrata Gavin Newsom derrotou iniciativa para tirá-lo do governo da Califórnia Reuters

Maeve RestonGregory Kriegda CNN

Ouvir notícia

O governador democrata da Califórnia, Gavin Newsom, derrotou o esforço para destituí-lo do cargo, de acordo com projeção da CNN, encerrando uma tentativa de recall, apoiada pelo Partido Republicano, que surgiu como um questionamento a sua resposta à pandemia, mas terminou como um voto de confiança sobre sua estratégia para combater a Covid-19.

“‘Não’ [para minha destituição] não é a única coisa que foi expressa esta noite”, disse Newsom, que agora poderá encerrar seu mandato, na terça-feira (14) à noite.

“Dissemos sim à ciência, sim às vacinas, sim ao fim desta pandemia. Dissemos sim ao direito das pessoas de votar sem medo de falsas fraudes ou supressão de eleitores. Dissemos sim ao direito constitucional fundamental da mulher de decidir por si mesma o que fazer com seu corpo, seu destino e seu futuro. Dissemos sim à diversidade. Dissemos sim à inclusão. Dissemos sim ao pluralismo. Dissemos sim a todas essas coisas – que ele estimamos como californianos e, eu diria, como americanos. Justiça econômica, justiça social, justiça racial, justiça ambiental.”

Newsom foi apoiado por uma forte participação entre os democratas, que superam os republicanos em quase 2 a 1 na votação, mas inicialmente pareciam desinteressados na disputa.

Há apenas um mês, o destino de Newsom parecia altamente imprevisível, com a vida de muitos eleitores interrompida pela pandemia do  novo coronavírus, pelos incêndios florestais e por uma seca histórica.

Um grupo de ativistas conservadores lançou o recall no ano passado porque discordava das posições políticas progressistas de Newsom. O esforço ganhou força em meio à frustração entre alguns californianos que consideravam as regulamentações contra a Covid-19 onerosas e criticavam as constantes mudanças de Newsom em relação aos restaurantes, negócios e quanto à reabertura de escolas.

Mas o surgimento do candidato republicano substituto Larry Elder, um apresentador de rádio conservador que se opõe ou uso obrigatório de máscara e à vacinação, e o aumento de casos de Covid-19 causados ​​pela variante Delta permitiram que Newsom cristalizasse a escolha dos eleitores nas últimas semanas em seus eventos.

Com a ajuda dos principais nomes do Partido Democrata no cenário nacional, incluindo o presidente Joe Biden, que fez campanha para ele em Long Beach na véspera da eleição, Newsom argumentou que a revogação de seu mandato equivalia a uma escolha de “vida ou morte” para os eleitores e prometeu que sua principal prioridade era mantê-los salvos.

Elder reconheceu que Newsom prevaleceu na noite de terça-feira, falando no palco em Costa Mesa na frente de seus apoiadores. Quando mencionou o nome de Newsom e a multidão vaiou, Elder disse: “Sejamos amáveis ​​na derrota.”

Isso representou uma mudança de postura em relação a antes do dia da eleição, quando – seguindo o manual do ex-presidente Donald Trump – ele alegou sem evidências que os democratas iriam trapacear na eleição especial de terça-feira e disse que se preparava para abrir processos.

Apesar de algumas preocupações iniciais sobre a apatia entre os eleitores democratas, a equipe de Newsom projetou confiança quando a linha de chegada surgiu na noite de terça, com um assessor dizendo à CNN que eles “poderiam ter um comparecimento recorde” em uma eleição especial no estado.

Os democratas nos Estados Unidos observaram de perto esta votação – a primeira grande disputa política desde que assumiram o controle total de Washington, no ano passado – como um teste das mensagens do partido sobre a pandemia antes das eleições do ano que vem.

“Os olhos da nação estão voltados para a Califórnia”, disse Biden durante um evento de apoio a Newsom em Long Beach na segunda-feira (13).

O assessor do Newsom disse à CNN que a visita de Biden “animou” o governador, e os assessores do presidente acreditam que um resultado forte poderia dar aos democratas e independentes um senso de confiança mais forte enquanto o governo luta pelo uso de máscaras, vacinas e muito mais.

Entenda como Newsom derrotou a iniciativa

O esforço para tirar Newsom do cargo começou pequeno em 2020 e cresceu com a frustração com suas rígidas restrições à pandemia. Mas o medo da variante Delta o ajudou a mudar a trajetória da disputa nas últimas semanas.

A pesquisa de boca de urna feita na noite de terça-feira sugeriu que a mensagem focada na pandemia de Newsom pode ter convencido os eleitores, que listaram o novo coronavírus como a questão mais urgente que o estado enfrenta.

Cerca de 45% do eleitorado diz que as políticas de Newsom sobre a pandemia estão corretas, com cerca de um terço chamando suas políticas de muito rígidas e o restante dizendo que não são rígidas o suficiente, de acordo com uma pesquisa de opinião realizada na Califórnia para a CNN e outras notícias redes pela Edison Research.

Há amplo apoio às medidas de mitigação da Covid-19, com mais de 6 em cada 10 afirmando que a vacinação é mais uma responsabilidade da saúde pública do que uma escolha pessoal.

A pandemia continua no topo das mentes dos eleitores, com cerca de um terço – a maior parcela de qualquer problema – afirmando que é o maior problema para o estado, de acordo com a pesquisa.

As avaliações dos eleitores sobre a situação do novo coronavírus na Califórnia foram mistas, com cerca de 4 em cada 10 dizendo que a situação está melhorando, 3 em 10 que permanece quase a mesma e pouco menos de um quarto que está piorando.

Os principais democratas nacionais, em uma provável prévia das mensagens do partido rumo ao ciclo eleitoral de 2022, enquadraram o sucesso de Newsom como uma ampla negação da atitude do Partido Republicano em relação ao coronavírus e sua fidelidade a Trump.

“Mais uma vez, os eleitores rejeitaram a negação do Partido Republicano em relação à pandemia que arrasou nosso país e sua subsequente recusa em abordá-la, rejeitaram as teorias conspiratórias refutadas dos republicanos sobre nossas eleições e rejeitaram a lealdade inabalável dos republicanos ao homem que causou tudo – Donald Trump”, disse o presidente do Comitê Nacional Democrata, Jaime Harrison, em um comunicado.

Ainda não é possível prever se a dinâmica que preservou o governo de Newsom terá ou não poder duradouro em todo o país, especialmente em estados menos democratas, mas a disputa o fortalece antes de sua candidatura à reeleição no ano que vem.

A campanha “pare o recall” de Newsom arrecadou mais de US$ 71 milhões, uma cifra impressionante que oprimiu completamente todos os seus rivais republicanos. Uma fonte da campanha do Newsom diz que o governador democrata vai acordar nesta quarta-feira (15) com US$ 24 milhões em mãos para sua reeleição e um “Exército online” de voluntários com quem ele pode se reconectar conforme seu futuro político se desenrola.

A campanha diz que recebeu mais de 600.000 doações de baixos valores – que eles definem como menos de US$ 100 – e que 90% delas eram da Califórnia, ou seja, todos doadores que ele pode reativar enquanto se encaminha para sua campanha de reeleição.

Em suas breves observações na noite de terça-feira após o término da disputa, Newsom lamentou a competição estranha e ocasionalmente desagradável que se desenrolou nos últimos dois meses.

“Esta noite estou humilde, grato, mas decidido no espírito de meu herói político, Robert Kennedy, a tornar mais amena a vida deste mundo”, disse ele, relembrando o falecido ícone democrata, cujo destino do assassino poderá ser decidido pelo governador. “Muito obrigado a todos, e obrigado a 40 milhões de americanos, 40 milhões de californianos, por rejeitar este recall.”

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN