Protestos em Cuba têm um morto e 100 pessoas presas ou desaparecidas

Movimiento San Isidro, que defende maior expressão artística em Cuba, publicou uma lista de ativistas que se acredita terem sido detidos pelas autoridades

Manifestantes gritam slogans contra o governo cubano durante protesto em Havana
Manifestantes gritam slogans contra o governo cubano durante protesto em Havana Foto: REUTERS/Alexandre Meneghini

Patrick Oppmann e Al Goodman, da CNN

Ouvir notícia

Ativistas contrários ao governo em Cuba dizem que mais de 100 pessoas foram presas ou estão desaparecidas na ilha após protestos generalizados no domingo (11).

Uma pessoa morreu durante confrontos com a polícia na segunda-feira (12), informou a agência estatal de notícias cubana.

O Movimiento San Isidro, que defende maior expressão artística em Cuba, publicou uma lista de ativistas que se acredita terem sido detidos pelas autoridades. Entre os presos está a jornalista Camila Acosta, segundo o chanceler espanhol, José Manuel Albares, que pediu sua libertação.

O Ministério do Interior disse que o homem que morreu e outros manifestantes atacaram as autoridades.

No domingo, jornalistas da CNN testemunharam várias pessoas sendo presas e jogadas na traseira de vans em protestos em Havana. Vídeos do protesto mostraram manifestantes virando um carro da polícia e jogando pedras nos policiais. O governo cubano não disse quantas pessoas foram presas ou feridas nos protestos.

Protestos

Estes são os maiores protestos na ilha em décadas, e os cubanos reclamavam da falta de alimentos e remédios enquanto o país passava por uma grave crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 e as sanções dos Estados Unidos.

Em San Antonio de los Banos, uma cidade de cerca de 46 mil habitantes a oeste de Havana, centenas de cubanos saíram às ruas no domingo, depois de quase uma semana de cortes de eletricidade durante o calor escaldante de julho.

“Todo mundo estava nas ruas”, disse um morador, que não quis se identificar, à CNN. “Eles passaram seis dias com apenas 12 horas de energia por dia. Essa foi uma das razões”.

Em um discurso transmitido pela televisão nacional no final do domingo, o presidente Díaz-Canel culpou as sanções comerciais dos Estados Unidos pelos problemas econômicos da ilha. Díaz-Canel também exortou seus partidários a confrontar fisicamente os manifestantes. “A ordem de combate foi dada”, disse, “os revolucionários precisam estar nas ruas.”

O governo também realizou uma reunião no domingo para discutir os protestos, segundo a mídia estatal. Estiveram presentes membros de alto escalão, incluindo o ex-presidente e líder do Partido Comunista Raúl Castro, irmão do ex-presidente Fidel Castro.

Castro aposentou seu último cargo de liderança em abril antes de entregar o poder a seu sucessor escolhido a dedo, Díaz-Canel. Na época, Díaz-Canel disse que Castro seria consultado sobre todas as principais questões que afetam a ilha.

Jornalista presa

A jornalista espanhola Camila Acosta foi presa em Cuba
A jornalista espanhola Camila Acosta foi presa durante os protestos contra o governo de Cuba (14.jul.2021)
Foto: Reprodução / CNN

Camila Acosta, a jornalista contrária ao governo que foi presa, escreve para o jornal ABC em Madrid, capital espanhola.

A ABC informou que ela foi presa na manhã de segunda-feira em Havana, ao sair de casa. Mais tarde, agentes de segurança cubanos revistaram sua casa e levaram seu computador, informou. Horas antes, ela havia noticiado sobre manifestações antigovernamentais na capital cubana no domingo. 

Esta não é a primeira vez que Acosta se desentende com autoridades cubanas por fazer seu trabalho como repórter, disse a ABC.

O jornal disse que sua prisão é “completamente inaceitável”. Também pediu a “libertação imediata de Acosta e a devolução de todo o material profissional retirado de sua casa”, bem como a retirada das acusações contra ela por supostos crimes contra a segurança do Estado cubano.

Um editor da ABC confirmou à CNN que Acosta é cidadã cubana e trabalha no jornal há cerca de seis meses.

O ministro das Relações Exteriores da Espanha, Albares, pediu sua libertação imediata em um tweet, dizendo que “a Espanha defende o direito a manifestações livres e pacíficas e pede às autoridades cubanas que respeitem isso. Defendemos os direitos humanos”.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, alertou o governo cubano para não reprimir seus cidadãos. Mas, na segunda-feira, em outra reunião do governo transmitida pela televisão, Díaz-Canel disse que os manifestantes eram criminosos.

“Eles apedrejaram a polícia, danificaram carros”, disse ele. “Um comportamento completamente vulgar, completamente indecente.”

Autoridades do governo cubano disseram que não houve mais protestos durante um apagão de internet. Isso impediu que os cubanos compartilhassem imagens de manifestações, que haviam ganhado impulso nas redes sociais.

Enquanto isso, as relações EUA-Cuba estão em seu ponto mais baixo em anos. O governo Trump promulgou algumas das medidas econômicas mais duras contra Cuba em décadas e, até agora, o governo Biden parece relutante em suspendê-las.

A revisão da política de Trump por Biden ainda está em andamento, confirmou um funcionário do governo. Vários meses após assumir o cargo, ele ainda não cumpriu sua promessa de campanha de “voltar” às relações diplomáticas estabelecidas pelo ex-presidente Obama.

Reação nos EUA

Em Miami, centro da maior comunidade cubana exilada nos Estados Unidos, manifestantes saíram às ruas em apoio aos manifestantes antigovernamentais. Na terça-feira, partes da via expressa Palmetto foram fechadas por manifestantes, de acordo com o tenente Alex Camacho, da Patrulha Rodoviária da Flórida.

A Guarda Costeira dos Estados Unidos emitiu um comunicado incentivando os cubanos na ilha a “não irem ao mar”, observando que o trânsito “perigoso e implacável” pelo estreito da Flórida já matou 20 pessoas nas últimas semanas, segundo o contra-almirante Eric Jones, comandante do Sétimo Distrito da Guarda Costeira em Miami.

A já difícil economia cubana foi duramente atingida porque o turismo e as boas importações caíram drasticamente durante a pandemia. No domingo, as autoridades de saúde cubanas também relataram um aumento recorde em um único dia para novos casos e mortes de Covid-19.

Quando questionado por que Biden ainda não reverteu as políticas de Trump em relação à Cuba, o secretário de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse na segunda-feira que os EUA continuaram a fornecer assistência humanitária e suprimentos médicos, mas acrescentou: “Não tenho nada para prever em termos de mudança de política.”

E o secretário de Estado dos Estados Unidos, Tony Blinken, resistiu às críticas do governo cubano, dizendo que “seria um grave erro do regime cubano interpretar o que está acontecendo em dezenas de cidades da ilha como resultado ou produto de qualquer coisa os Estados Unidos fizeram. “

“Isso é o que ouvimos e vemos em Cuba, e isso é um reflexo do povo cubano, não dos Estados Unidos ou de qualquer outro ator externo”, disse Blinken.

(Texto traduzido. Leia o original aqui)

Mais Recentes da CNN