Protestos tomam Belarus após indicação de vitória de Lukashenko para 6º mandato

Presidente do país desde 1994 tem ampla vantagem nas pesquisas de boca de urna. Oposição questiona dados e confrontos são registrados

Aleksandr Lukashenko
Aleksandr Lukashenko Foto: Belarus Presidency/ Reprodução

Mary Ilyushina e Helen Regan

da Reuters

Ouvir notícia

Protestos eclodiram em todo o território de Belarus no final do domingo, depois que resultados preliminares contestados mostraram uma vitória eleitoral esmagadora do presidente Aleksandr Lukashenko para seu sexto mandato. 

Leia também:
Líbano tem 2ª renúncia de ministro em meio a crise e crescente pressão popular

Na capital, Minsk, transmissões ao vivo da Rádio Free Europe mostraram a tropa de choque usando gás lacrimogêneo e granadas de choque para dispersar os manifestantes.

Após o fechamento das urnas no domingo, a chefe da comissão eleitoral central do paús, Lydia Yermoshina, disse no canal de TV Belarus-1 que Lukashenko estava à frente em cinco regiões, com cerca de 82% dos votos. Pesquisas oficiais publicadas pela agência de notícias estatal Belta colocam Lukashenko com cerca de 80% dos votos – com sua principal rival, a candidata da oposição Svetlana Tikhanovskaya, com cerca de 7%.

Tikhanovskaya, 37, disse em entrevista coletiva no domingo que não concordava com os resultados. Sua campanha sustentou que ela havia vencido em dezenas de assembleias de voto em Minsk naquela fase.

A organização de monitoramento Golos disse que contou mais de um milhão de votos e, de acordo com seus cálculos, Tikhanovskaya obteve 80% dos votos.

Os resultados finais devem ser anunciados na segunda-feira.

Tikhanovskaya, uma ex-professora de inglês, tornou-se uma rival inesperada e o rosto da oposição depois de assumir o lugar de seu marido, Sergey Tikhanovskiy, um popular blogueiro do YouTube e ex-candidato que está preso desde maio.

Seus comícios de campanha viram comparecimentos significativos mesmo em pequenas cidades bielorrussas, onde são raras demonstrações de oposição ao governo. Cerca de 63.000 pessoas participaram do maior evento em Minsk em julho – tornando-se a maior manifestação da última década.

Tikhanovskaya juntou forças com duas mulheres que dirigiram outras campanhas da oposição depois que seus candidatos também foram impedidos de concorrer ou presos. Lukashenko as considerou “pobres garotas” em seu discurso anual sobre o estado do sindicato na terça-feira e disse que não vai “dar o país de graça”.

Na noite anterior à eleição, a campanha de Tikhanovskaya disse que ela fugiu de seu apartamento e se escondeu devido a questões de segurança, depois que a polícia deteve vários de seus funcionários seniores. Os críticos consideram a medida uma tentativa de intimidar a oposição antes da votação crucial. Sua conselheira, Veronika Tsepkalo, fugiu da Bielo-Rússia para Moscou por razões de segurança, informou a campanha no domingo.

A gerente de campanha de Tikhanovskaya, Maria Kolesnikova, também foi levada a uma delegacia de polícia para interrogatório na véspera da votação. Um dia antes disso, a gerente de campanha Maria Moroz foi detida por um breve período.

Apelidado de “o último ditador da Europa”, Lukashenko governou a ex-república soviética de mais de 9 milhões de pessoas desde 1994. Há muito tempo ele recebe críticas internacionais por reprimir a dissidência, e a polícia secreta do país – ainda conhecida como KGB – freqüentemente detém e assediar ativistas da oposição e jornalistas independentes.

 

 

Mais Recentes da CNN