Putin diz que Rússia está pronta para seguir o “caminho da negociação”

Em coletiva nesta terça (15), presidente russo também afirmou que estratégia de dissuasão por parte de países ocidentais é uma "ameaça direta e imediata"

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscou.
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscou. Thibault Camus/Pool via REUTERS

Nathan HodgeAnna Chernovada CNN

Ouvir notícia

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, chamou a dissuasão ocidental contra o país de “ameaça direta e imediata”, dizendo mais uma vez que os Estados Unidos e a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) não satisfizeram suas preocupações de segurança.

Porém, o líder russo disse que está pronto para “seguir o caminho das negociações”.

Falando em uma entrevista coletiva com o chanceler alemão Olaf Scholz, Putin disse: “Vemos a dissuasão da Rússia pela força como uma ameaça direta e imediata à segurança nacional.”

Ele acrescenta que os russos apresentaram projetos cujos acordos legais têm o objetivo de acabar com essa dissuasão.

Putin estava se referindo às exigências de segurança da Rússia, às quais os EUA e a Otan responderam por escrito.

“As respostas que recebemos dos Estados Unidos e dos membros da Otan às propostas de garantias de segurança, em nossa opinião, não atendem aos três requisitos básicos russos mencionados “, disse Putin.

“No entanto, como o ministro das Relações Exteriores me disse ontem, as respostas fornecidas contêm uma série de propostas que não estamos apenas abertos a discutir, mas de fato as propusemos aos nossos parceiros em anos anteriores”, completou.

Ele citou questões de segurança europeias, questões de armamento, como mísseis de curto e intermediário alcance e questões de transparência militar.

Putin concluiu: “Estamos prontos para continuar esse trabalho conjunto. Também estamos prontos para seguir o caminho das negociações, mas todas as questões devem ser consideradas como um todo, sem estar separadas das principais propostas russas, cuja implementação é uma prioridade incondicional para nós.”

Mais Recentes da CNN