Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Putin elogia combatentes da Rússia na Ucrânia durante discurso em Moscou

    Dezenas de milhares de pessoas lotaram o Estádio Luzhniki para o evento "Glória aos Defensores da Pátria"

    O presidente russo, Vladimir Putin, faz discurso durante o evento "Glória aos Defensores da Pátria" em apoio às forças armadas russas envolvidas na campanha militar do país na Ucrânia, no Estádio Luzhniki, em Moscou, Rússia
    O presidente russo, Vladimir Putin, faz discurso durante o evento "Glória aos Defensores da Pátria" em apoio às forças armadas russas envolvidas na campanha militar do país na Ucrânia, no Estádio Luzhniki, em Moscou, Rússia 22/02/2023 REUTERS/Stringer

    Da Reuters

    O presidente russo, Vladimir Putin, saudou os soldados do país que lutam na Ucrânia durante um discurso em Moscou, nesta quarta-feira (22), convocando a multidão a gritar “Rússia, Rússia“, em apoio àqueles que ele disse estarem defendendo a pátria.

    Dezenas de milhares de pessoas lotaram o Estádio Luzhniki, que tem capacidade para 81 mil, onde agitaram bandeiras russas brancas, azuis e vermelhas e ouviram canções patrióticas antes da chegada de Putin.

    “Eles lutam heroicamente, corajosamente, bravamente. Estamos orgulhosos deles”, disse Putin no evento “Glória aos Defensores da Pátria”, realizado na véspera do feriado de 23 de fevereiro na Rússia, que celebra aqueles que servem nas Forças Armadas.

    “Hoje eles são apoiados por todo o país”, declarou Putin sobre as forças russas na Ucrânia, acrescentando que acabava de ser informado por chefes militares sobre a situação no front. “Quando estamos juntos, não tem igual. Pela unidade do povo russo.”

    O Kremlin classifica a guerra como uma “operação militar especial” para proteger a própria segurança da Rússia no que vê como um confronto existencial com o Ocidente.

    O conflito na Ucrânia começou em 2014, depois que um presidente pró-Rússia foi derrubado nos protestos da “Revolução de Maidan” na Ucrânia, e a Rússia anexou a Crimeia. Combates também eclodiram no leste da Ucrânia entre separatistas apoiados pela Rússia e forças ucranianas.

    Putin ordenou a entrada de dezenas de milhares de soldados na Ucrânia em 24 de fevereiro do ano passado, uma decisão que as potências ocidentais e a Ucrânia classificam como uma apropriação de terras ao estilo imperial. A Ucrânia disse que não descansará até que todos os soldados russos sejam expulsos do território ucraniano, incluindo a Crimeia.