Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Putin oferece banquete para Kim Jong-un na Rússia; veja cardápio

    Cardápio inclui pratos com iguarias da Rússia; esse é o segundo jantar que Putin oferece a Kim

    Anna ChernovaAlex Stambaughda CNN

    A Rússia organizou um luxuoso jantar oficial de Estado nesta quarta-feira (13) em homenagem à visita do líder norte-coreano Kim Jong-un, segundo relatou a agência de notícias estatal russa TASS.

    O banquete aconteceu depois de Kim ter conversado por mais de uma hora com o presidente Vladimir Putin e o norte-coreano ter visitado o Cosmódromo Vostochny, na província russa de Amur, na região do Extremo Oriente.

     

     

    O menu, compartilhado pela agência de notícias estatal Rússia 1, apresenta pratos que incluem:

    • Salada de pato com figos e nectarinas
    • Bolinhos com caranguejo de Kamchatka
    • Sopa de carpa capim
    • Sorbet de espinheiro
    • Esturjão com cogumelos e batatas
    • Entrecôte de carne marmorizada com legumes assados
    • Lingonberries da Taiga com pinhões e leite condensado

    Este é o segundo jantar de Estado que a Rússia oferece a Kim. Uma recepção oficial já havia sido realizada em sua homenagem durante a visita de Kim a Vladivostok em 2019.

    Veja o que aconteceu no encontro entre os dois:

    • Putin sugere ajudar Kim

    O presidente russo sinalizou disposição de ajudar a Coreia do Norte no desenvolvimento de seu programa espacial e de satélites nesta quarta-feira (12), ao conduzir Kim Jong-un por um tour por Vostochny, vasto local de lançamento espacial russo, antes das esperadas negociações sobre armas. Quando questionado por um repórter se a Rússia ajudaria a Coreia do Norte a lançar os seus próprios satélites e foguetes, Putin respondeu: “É exatamente por isso que viemos aqui”.

    • Kim elogia a Rússia

    As conversações iniciais entre a dupla duraram pouco mais de uma hora e centraram-se na “cooperação econômica, nas questões humanitárias e na situação na região”, disse Putin. Kim disse que os dois países têm “muitas questões” nas quais podem cooperar. Ele elogiou a Rússia por ter “se levantado contra as forças hegemônicas” para defender a sua soberania e segurança — uma referência velada aos EUA e ao Ocidente — e disse que expressou “o apoio total e incondicional a tudo o que a Rússia faz em resposta”.

    Veja também: Fazer oposição a Putin na Rússia é um risco, afirma professor

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original