Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Putin teve “surpresa estratégica” com unidade do Ocidente, avalia especialista

    À CNN Rádio, Bernardo Wahl disse que houve “erro de cálculo” do presidente russo e que a Rússia não está se beneficiando pela guerra

    Bel CamposAmanda Garciada CNN

    Em São Paulo

    O presidente russo Vladimir Putin “foi surpreendido” após o começo da guerra e com a consequente unidade do ocidente, de acordo com o professor de Relações Internacionais da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, Bernardo Wahl.

    “Quanto as tropas estavam estacionadas na fronteira com a Ucrânia, as reações iniciais da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) estavam desencontradas, estavam numa posição de vantagem, uma vez que a guerra se iniciou, mudou bastante e levou a uma unidade do Ocidente”, disse, em entrevista à CNN Rádio.

    Justamente por isso, de acordo com o professor, aconteceu o que na área de inteligência se chama de “surpresa estratégica”, assim como ocorreu, por exemplo, em Pearl Harbor e os ataques de 11 de setembro.

    “Houve erro de cálculo de Putin, e a situação mudou completamente, a Rússia não está se beneficiando pela guerra”, defendeu.

    Ele lembrou que a Rússia, nas últimas operações militares, se baseou em cálculos de custo-benefício, como na Crimeia e Síria. “Agora é uma operação maior, e, neste começo, é um desastre estratégico, pode vencer no terreno, mas nas relações internacionais está perdendo, isolada, e com sanções destruindo a economia russa.”

    O especialista afirmou que a estratégia militar de Putin se utilizou do “choque e pavor”, mas que o Ocidente devolveu o mesmo “choque e pavor” nas sanções econômicas, e que, agora, a Rússia deverá fazer um trabalho de relações públicas e “soft power”.

    “Deverá reconstruir a imagem, internacionalmente e domesticamente, já que a população russa está sofrendo, o trabalho vai ser grande. O que Putin pode fazer é buscar conquistas militares no terreno, para ter mais poder de barganha”, completou.

    Na opinião de Bernardo Wahl, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky “soube jogar muito bem” até aqui: “Ele jogou a guerra para o nível das relações internacionais, mídia e redes sociais, sempre se filmando, e aumento a dimensão dessa guerra.”