Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Navios são atingidos por explosões em portos da Ucrânia; ao menos um morre

    Um cargueiro de propriedade estoniana e outro navio, de Bangladesh, foram afetados; quatro tripulantes estão desaparecidos

    Jonathan SaulRuma Paulda Reuters

    Ouvir notícia

    Um cargueiro de propriedade estoniana afundou, nesta quinta-feira (3), no principal porto ucraniano de Odessa, no Mar Negro, horas depois que um outro navio, de Bangladesh, foi atingido por um míssil ou bomba em outro porto, destacando o perigo crescente para navios mercantes após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

    Muitas empresas de navegação suspenderam as viagens para portos do Mar Negro e outros terminais afetados na Ucrânia, com os preços de seguro para viagens subindo nos últimos dias. Pelo menos três navios comerciais foram atingidos por projéteis desde 24 de fevereiro.

    Dois membros da tripulação do navio de carga Helt, com bandeira das Ilhas Marshall e de propriedade estoniana, estavam em um bote salva-vidas no mar, enquanto outros quatro estavam desaparecidos, disse à Reuters Igor Ilves, diretor-gerente da Vista Shipping Agency, com sede em Tallinn.

    “O navio finalmente afundou”, disse ele. “Dois da tripulação estão em uma jangada na água e outros quatro estão desaparecidos. Não sei onde estão no momento”, disse.

    Ilves disse que a embarcação pode ter atingido uma mina. “É um grande problema – ninguém pode ajudá-los. Os ucranianos não podem ir para o mar porque está sob controle russo.”

    Ilves disse que a tripulação era composta por quatro cidadãos ucranianos, um russo e um bielorrusso.

    O Centro de Navegação da Otan alertou na quarta-feira que havia “um alto risco de danos colaterais em navios civis na parte noroeste do Mar Negro”, que incluía minas.

    “Existem vários relatórios de código aberto de navios civis sendo atingidos direta ou indiretamente como resultado de atos de guerra no noroeste do Mar Negro dentro das águas territoriais ucranianas e águas internacionais adjacentes”, disse a Otan.

    “A navegação civil é encorajada a ter cautela e estar em alerta máximo na área”.

    Um tripulante morreu

    Na noite de quarta-feira, um míssil ou bomba atingiu um cargueiro de Bangladesh no porto de Olvia, no Mar Negro, matando um de seus tripulantes, e esforços estavam em andamento para resgatar os outros do navio, disse seu proprietário nesta quinta-feira.

    “O navio foi atacado e um engenheiro foi morto”, disse Pijush Dutta, diretor executivo da Bangladesh Shipping Corp, à Reuters. “Não ficou claro se foi uma bomba ou míssil ou qual lado lançou o ataque. Os outros 28 tripulantes estão ilesos”, disse ele, sem fornecer mais detalhes.

    O Banglar Samriddhi, com bandeira de Bangladesh, estava preso em Olvia desde que a invasão russa começou em 24 de fevereiro, disse um funcionário do Ministério das Relações Exteriores de Bangladesh.

    Olvia está localizada no estuário do rio Dnipro-Bug, na costa do Mar Negro, 15 km ao sul de Mykolaiv e cerca de 110 km a leste de Odessa.

    Em Daca, capital de Bangladesh, a Embaixada da Rússia disse em um comunicado em inglês em sua página no Facebook que as circunstâncias do incidente estavam “sendo estabelecidas”.

    “Expressamos profundas condolências aos entes próximos e queridos dos falecidos. O lado russo destina todos os esforços para garantir a saída segura do navio de Bangladesh do porto”, afirmou.

    Vídeos nas redes sociais mostraram membros da tripulação pedindo ajuda depois que o navio foi atingido.

    Em um vídeo, o segundo engenheiro do navio disse que o navio havia sido atingido por um foguete e que um tripulante já estava morto.

    “Não temos fornecimento de energia. O fornecimento de energia do gerador de emergência está trabalhando. Estamos à beira da morte. Ainda não fomos resgatados. Por favor, salve-nos”, disse o marinheiro.

    Em outro vídeo, outro membro da tripulação chamado Asiful Islam Asif disse: “Por favor, salve-nos”.

    Dutta, da Bangladesh Shipping Corp, disse que estava ciente dos vídeos, recusando a fazer mais comentários.

    Mais Recentes da CNN