Putin zomba de embaixada dos EUA por erguer bandeira do arco-íris

Ação do presidente russo sugeriu que bandeira refletia a orientação sexual dos funcionários da representação diplomática

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, zomba de embaixada americana após erguerem bandeira do arco-íris
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, zomba de embaixada americana após erguerem bandeira do arco-íris Presidente da Rússia, Vladimir Putin, zomba de embaixada americana após erguerem bandeira do arco-íris

Por Polina Ivanova e Tom Balmforth, Reuters

Ouvir notícia

Foto: Alexei Nikolskyi – 27.mai.2020/ Kremlin/ Sputnik/ Reuters

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, zombou nesta sexta-feira (3) da embaixada dos Estados Unidos em Moscou por exibir uma bandeira de arco-íris para comemorar os direitos LGBTI, sugerindo que ela refletia a orientação sexual dos funcionários da representação diplomática.

Seus comentários seguiram-se a uma votação nacional sobre reformas constitucionais, que incluía uma emenda que consagrava a definição de casamento especificamente como uma união entre um homem e uma mulher.

Putin afirmou que a ação da embaixada norte-americana em erguer a bandeira do orgulho LGBT “revelou algo sobre as pessoas que trabalham lá”.

Leia também:

Russos aprovam mudanças na Constituição que podem deixar Putin no poder até 2036

Putin eleva imposto sobre ricos antes de votação de reforma por novas reeleições

“Mas não é grande coisa. Já falamos sobre isso muitas vezes, e nossa posição é clara”, disse Putin, que tentou distanciar a Rússia dos valores liberais ocidentais e alinhou-se à Igreja Ortodoxa Russa.

“Sim, aprovamos uma lei que proíbe a publicidade da homossexualidade entre menores. E daí? Deixe as pessoas crescerem, se tornarem adultas e depois decidirem seus próprios destinos.”

A legislação tem sido utilizada para impedir marchas do orgulho gay e deter ativistas dos direitos dos gays.

Durante a campanha para alterar a Constituição, Putin afirmou que não permitiria que o conceito tradicional de mãe e pai fosse subvertido pelo que ele chamou de “pai número 1” e “pai número 2”.

Mais Recentes da CNN