Quem é Olaf Scholz, favorito para substituir Merkel como premiê da Alemanha

Scholz atua como ministro das Finanças e já foi prefeito de Hamburgo. Especialistas avaliam que ele deve governar pelo centro, assim como Merkel

O ministro das Finanças e possível novo premiê alemão Olaf Scholz
O ministro das Finanças e possível novo premiê alemão Olaf Scholz Wikimedia Commons/MSC

Ivana Kottasováda CNN

Ouvir notícia

Olaf Scholz tem uma grande responsabilidade adiante.

O ministro das Finanças alemão tem a melhor chance de formar um novo governo alemão depois de conduzir seu Partido Social Democrata (SPD) a uma vitória apertada nas eleições parlamentares de domingo (26).

O SDP ganhou 25,7% dos votos, enquanto a União Democrata Cristã de centro-direita de Angela Merkel (CDU) levou 24,1%, de acordo com dados federais.

Enquanto o resultado apertado significa que Scholz está longe da certeza de ser o próximo chanceler da Alemanha, ele está na posição mais favorável para iniciar conversas de coalizão com o Partido Verde, que obteve 14,8% dos votos, e o Partido Liberal Democrata Livre (FDP), com 11,5% dos votos.

Scholz se posicionou como um líder pragmático e seguro. De fato, seu estilo político não é diferente do de Merkel – os dois são parecidos em muitos aspectos, apesar de virem de partidos rivais.

“Ele se apresenta como calmo, comedido, estável”, disse Corinna Hoerst, uma pesquisadora do German Marshall Fund of the United States (GMF) em Bruxelas.

Hoerst disse que, como moderado, Scholz é um outlier dentro de seu partido.

“A liderança do SPD é principalmente esquerdista e inicialmente não o apoiou. Portanto, ainda não sabemos quem ele irá reunir ao seu redor e quem irá influenciar seu estilo de liderança”, acrescentou ela.

A colega da Hoerst e diretora adjunta do escritório da GMF em Berlim, Sudha David-Wilp, disse que este centrismo é outra característica que Scholz compartilha com Merkel.

“Ela sempre governou a partir do centro e eu acho que ele também tentará fazer isso se ele se tornar chanceler, mas isso também dependerá, é claro, do que os partidos da coalizão exigirão”, disse ela.

O jovem de 63 anos, membro vitalício do SPD, nasceu no que era então a Alemanha Ocidental, um detalhe que o diferencia da Merkel, que cresceu na Alemanha Oriental.

Scholz serviu como ministro do Trabalho e Assuntos Sociais no primeiro governo de coalizão de Merkel, no final dos anos 2000. Em 2011, ele foi eleito prefeito de Hamburgo, cargo que ocupou – com altos níveis de aprovação – até 2018.

Desde então, ele serviu como vice-chanceler e ministro das Finanças no grande governo de coalizão da Merkel, uma posição poderosa na política nacional alemã.

Seu perfil tornou-se mais atraente quando supervisionou os generosos programas de compensação do coronavírus da Alemanha para empresas, funcionários e aqueles que perderam renda porque tiveram que ficar de quarentena durante a pandemia.

“Ele tem sido o braço direito [de Merkel] quando se trata de liderar o país nos últimos quatro anos. Foi um sistema de apoio para Merkel, mas obteve um poder tremendo dentro do governo alemão e também na Europa, onde ele representa a Alemanha quando se trata de políticas europeias”, disse David-Wilp.

Ao contrário de Merkel, que se tornou símbolo da Alemanha em todo o mundo durante seu longo mandato, Scholz não é bem conhecido no exterior além dos círculos políticos de Bruxelas.

Falando na segunda-feira, ele disse que formar uma União Europeia mais forte e mais soberana, assim como trabalhar no bom relacionamento entre a Alemanha e os Estados Unidos, seriam seus principais objetivos de política externa se ele se tornasse chanceler.

Ele acrescentou que à medida que o mundo “se torna mais perigoso”, os países democráticos devem cooperar. “É importante que trabalhemos juntos, mesmo que tenhamos conflitos em uma ou outra questão”, disse ele.

Scholz já teve sua parte de problemas políticos no passado.

Como prefeito de Hamburgo, ele foi criticado por seu trato com protestos violentos que se desdobraram durante uma reunião do G20 em sua cidade anfitriã em 2017.

Hamburgo caiu no caos durante a reunião, e centenas de policiais foram feridos em confrontos com manifestantes.

Scholz havia subestimado o risco potencial das manifestações e por isso foi culpado pela falta de preparo da cidade.

Quando as negociações da coalizão começarem, Scholz tentará atrair os Verdes e o FDP, mas tais negociações podem durar meses.

Até lá, o júri ainda não sabe que tipo de chanceler Scholz pode ser.

“Será uma mudança porque não há mais Merkel”, disse Hoerst, antes de acrescentar: “Duvido que seja grande”.

(Matéria traduzida. Leia a original, em inglês)

Mais Recentes da CNN