Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Reino Unido afirma que Rússia planeja instalar apoiador como líder da Ucrânia

    Movimento faria parte de plano russo para invadir e ocupar o território ucraniano, segundo Ministério das Relações Exteriores britânico

    Joshua BerlingerNic Robertsonda CNN

    O Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido disse em um comunicado no sábado (22) que tem informações de que o governo russo está planejando “instalar um líder pró-Rússia em Kiev, enquanto considera invadir e ocupar a Ucrânia“.

    “O ex-deputado ucraniano Yevhen Murayev está sendo considerado um candidato em potencial”, disse o Escritório Britânico de Relações Exteriores, Comunidade e Desenvolvimento. Murayev disse à CNN no sábado que “não há nada a comentar” sobre as alegações, pois ele é um cidadão ucraniano e ainda enfrenta sanções da Rússia.

    A declaração nomeou outros quatro outros ex-funcionários ucranianos, afirmando que “temos informações de que os serviços de inteligência russos mantêm ligações com vários ex-políticos ucranianos”, incluindo Serhiy Arbuzov, vice-primeiro-ministro da Ucrânia de 2012 a 2014 e primeiro-ministro interino em 2014, Andriy Kluyev, vice-primeiro-ministro de 2010 a 2012 e chefe de gabinete do ex-presidente ucraniano Yanukovich, Vladimir Sivkovich, ex-vice-chefe do Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia (RNBO) e Mykola Azarov, primeiro-ministro da Ucrânia de 2010 a 2014.

    “Alguns deles têm contato com oficiais de inteligência russos atualmente envolvidos no planejamento de um ataque à Ucrânia”, acrescentou o comunicado do Ministério das Relações Exteriores britânico. A Rússia negou as alegações de que planeja atacar a Ucrânia.

    Neste domingo (23), o Ministério das Relações Exteriores da Rússia pediu ao Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido que “pare de se envolver em provocações”, informou a agência de notícias estatal TASS.

    “A desinformação espalhada pelo Ministério das Relações Exteriores britânico é outra evidência de que esses são os países da Otan, liderados pelos anglo-saxões, que estão aumentando as tensões em torno da Ucrânia. em estudar a história do jugo tártaro-mongol”, disse um representante do Ministério das Relações Exteriores da Rússia à TASS.

    A CNN entrou em contato com o Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido no sábado para obter mais comentários sobre suas alegações, bem como evidências para apoiá-las, mas o órgão afirmou que não comentaria.

    “A informação divulgada hoje ilumina a extensão da atividade russa destinada a subverter a Ucrânia e é uma visão do pensamento do Kremlin”, disse a secretária de Relações Exteriores do Reino Unido, Liz Truss, em um comunicado.

    “A Rússia deve diminuir a escalada, encerrar suas campanhas de agressão e desinformação e seguir o caminho da diplomacia”, afirma Truss. “Como o Reino Unido e nossos parceiros disseram repetidamente, qualquer incursão militar russa na Ucrânia seria um grande erro estratégico com custos severos”.

    No Twitter, Truss disse que “não vamos tolerar uma conspiração do Kremlin para instalar uma liderança pró-Rússia na Ucrânia”. A CNN também entrou em contato com o Departamento de Estado dos Estados Unidos e a Casa Branca para comentar.

    EUA têm as “mesmas informações” que o Reino Unido

    Em um comunicado no sábado, a Casa Branca disse que o presidente Joe Biden se reuniu com sua equipe de segurança nacional para discutir “ações agressivas russas contínuas em relação à Ucrânia”.

    O presidente foi informado sobre o estado das operações militares russas nas fronteiras da Ucrânia e “discutiu nossos esforços contínuos para diminuir a situação com diplomacia e nossa gama de medidas de dissuasão que estão sendo coordenadas de perto com nossos aliados e parceiros, incluindo entregas contínuas de assistência de segurança para a Ucrânia”, acrescentou.

    “O presidente Biden afirmou novamente que, se a Rússia invadir ainda mais a Ucrânia, os Estados Unidos imporão consequências rápidas e severas ao país com nossos aliados e parceiros”, disse a Casa Branca.

    Uma fonte com conhecimento sobre a inteligência dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha confirmou que os EUA têm evidências semelhantes às do Reino Unido sobre o plano da Rússia de instalar um governo amigo na Ucrânia.

    “Sim, vimos a inteligência de que a Rússia está procurando maneiras de minimizar uma guerra longa e prolongada. Isso inclui coisas como instalar um governo amigo e usar suas agências de espionagem para fomentar a dissidência”, disse a fonte. Outra fonte informada disse que os EUA “têm a mesma informação”.

    A Rússia já foi acusada de tentar semear o caos na Ucrânia por meio de ataques cibernéticos e, supostamente, conspirar para assumir o controle do governo em Kiev. Mas o Kremlin negou repetidamente que planejava invadir.

    A CNN noticiou anteriormente que os EUA acusaram a Rússia de recrutar atuais e ex-funcionários do governo ucraniano para tentar assumir o controle do governo da Ucrânia, ao anunciar novas sanções na quinta-feira (20).

    O Departamento do Tesouro lançou sanções contra quatro atuais e ex-funcionários ucranianos que disse estarem envolvidos em atividades de influência dirigidas pelo Kremlin para desestabilizar a Ucrânia. Esses indivíduos recém-sancionados incluem Taras Romanovych Kozak, Volodymyr Mykolayovych Oliynyk, Vladimir Leonidovich Sivkovich e Oleh Voloshyn. Sivkovich foi o único ex-político ucraniano citado nos anúncios dos Estados Unidos e do Reino Unido.

    O Tesouro disse que os quatro indivíduos – dois dos quais são membros atuais do Parlamento da Ucrânia – estavam agindo sob a direção de um serviço de inteligência russo sancionado pelos EUA e desempenharam “vários papéis” na “campanha de influência global da Rússia para desestabilizar países soberanos”, em apoio aos objetivos políticos do Kremlin.

    A porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Emily Horne, expressou solidariedade com a Ucrânia, pois o Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido disse ter informações de que o governo russo planeja instalar um líder pró-Rússia no país, chamando o plano de “profundamente preocupante”.

    “Esse tipo de trama é profundamente preocupante”, disse Horne. “O povo ucraniano tem o direito soberano de determinar seu próprio futuro, e estamos com nossos parceiros democraticamente eleitos na Ucrânia”.

    Romênia e Bulgária rejeitam exigências da Rússia de mover tropas da Otan

    Ao mesmo tempo, os membros da Otan Romênia e Bulgária criticaram a exigência da Rússia de remover as tropas da aliança de ambos os países como “inaceitável”, com cada um argumentando que o Kremlin não tem o direito de interferir nas decisões de política externa de outros estados soberanos.

    Os comentários de ambos os países vieram poucas horas depois que o Ministério das Relações Exteriores da Rússia confirmou sua exigência de que a Otan retire tropas de partes da Europa Oriental, incluindo a Bulgária e a Romênia. Os dois países estão localizados no Mar Negro, que os analistas acreditam que Moscou vê como uma importante zona de amortecimento geoestratégico entre ela e a Europa.

    O Ministério das Relações Exteriores da Romênia disse em um comunicado no sábado que “essa demanda é inaceitável e não pode ser negociada”. O Ministério das Relações Exteriores da Bulgária instou Moscou a “mostrar respeito à escolha de política externa feita conscientemente pela Bulgária”.

    O embaixador da Bulgária no Reino Unido, Marin Raykov, disse à BBC que a exigência do Kremlin é “uma expressão de desprezo pelos direitos soberanos da Bulgária de escolher as fontes de garantias para a segurança nacional”.

    A Rússia e a Otan estão em desacordo desde o final do ano passado, quando o Kremlin enviou cerca de 100.000 soldados para sua fronteira com a Ucrânia. Essa postura militar provocou temores de que a Rússia esteja planejando outra incursão na Ucrânia depois de invadir e anexar ilegalmente a península da c em 2014. Nesse mesmo ano, Moscou começou a apoiar um movimento separatista pró-Rússia no leste da Ucrânia que deixou milhares de mortos.

    Em seu comunicado, a Romênia disse que a presença militar da Otan na Europa Oriental é “uma reação estritamente defensiva ao comportamento cada vez mais agressivo da Federação Russa… que começou em 2014. quando o território ucraniano da Crimeia foi ocupado ilegalmente pela Rússia”.

    “Esse comportamento continua a se intensificar no presente, apesar das tentativas da Otan de se engajar em um diálogo construtivo”, dizia o comunicado.

    Os Estados Unidos e seus aliados da Otan alertaram repetidamente a Rússia que qualquer movimento de suas tropas em território ucraniano seria recebido com o que o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, chamou de “uma resposta severa e unida”.

    O presidente russo, Vladimir Putin, argumentou nas últimas semanas que seu país é a parte prejudicada e está respondendo à cooperação da Otan com a Ucrânia e à expansão da aliança para o leste desde a queda da União Soviética – que a Rússia vê como uma ameaça existencial à segurança.

    Diplomatas de todos os lados têm tentado negociar um acordo pacífico, embora uma das principais demandas da Rússia – que a Otan retire as forças e equipamentos militares estrangeiros de membros da aliança que aderiram após 1997 – tenha sido rapidamente considerada inválida pelos diplomatas ocidentais. .

    “Os aliados da Otan estão prontos para dialogar com a Rússia, mas não vamos comprometer os princípios fundamentais”, disse o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, no início deste mês.

    “Não comprometeremos a soberania e a integridade territorial de todas as nações da Europa, e não comprometeremos o direito de todos os países escolherem seu próprio caminho, incluindo o tipo de acordo de segurança dos quais desejam fazer parte, e não comprometerá o direito dos aliados de proteger e defender uns aos outros”.

    Armamentos foram enviados para a Ucrânia

    Os membros da Otan enviaram nos últimos dias equipamentos e pessoal militar para os membros da aliança na Europa Oriental em resposta ao acúmulo de tropas russas na Ucrânia.

    O ministro da Defesa da Holanda disse que o país enviaria dois jatos F-35, juntamente com pessoal de apoio, para a Bulgária em abril ou maio, enquanto o ministro da Defesa espanhol se ofereceu para enviar caças e um navio de guerra para o Mar Negro.

    A aliança também começou a enviar armamento para Kiev para deter uma potencial invasão russa e fortalecer as capacidades defensivas da Ucrânia.

    Armas antitanque leves do Reino Unido já chegaram ao país, disse o Ministério da Defesa ucraniano na terça-feira, enquanto a República Tcheca planeja doar munição de artilharia de calibre 152 milímetros para a Ucrânia nos próximos dias, disse a ministra da Defesa Jana Černochová na sexta-feira.

    A Alemanha fornecerá um hospital de campanha totalmente equipado para a Ucrânia, de acordo com o Ministério da Defesa. O país tradicionalmente evita exportar armas para áreas de crise desde a Segunda Guerra Mundial, mas a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, disse no início desta semana que “todas as medidas” estarão sobre a mesa se houver mais agressão russa contra a Ucrânia.

    A Embaixada dos Estados Unidos em Kiev disse na sexta-feira que o primeiro carregamento de material dirigido pelos americanos – 90718 quilos de equipamentos letais, incluindo munição para combatentes na linha de frente – chegou à Ucrânia.

    Embora o presidente dos EUA, Joe Biden, tenha descartado o envio de tropas de combate americanas para a Ucrânia, Washington aprovou o envio de armas de origem americana para Kiev – incluindo sistemas antiaéreos altamente procurados pela Letônia e pela Lituânia.

    Esses armamentos ajudariam a Ucrânia a se defender de aeronaves russas que, acreditam alguns funcionários e especialistas, liderariam o caminho nos estágios iniciais de uma invasão russa. A Estônia recebeu aprovação para transferir sistemas de mísseis guiados Javelin antitanque, que os EUA forneceram à Ucrânia no passado.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original