Reino Unido se prepara para começar aplicação da vacina da Pfizer na terça (8)

Aproximadamente 800 mil doses devem estar disponíveis na primeira semana. 40 milhões foram compradas ao todo

Da Reuters

Ouvir notícia

 

O Reino Unido está se preparando para se tornar o primeiro país a administrar a vacina da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 esta semana, deixando-a disponível em um primeiro momento em hospitais antes de distribuí-la para clínicas médicas, afirmou o governo neste domingo (6).

As primeiras doses devem ser administradas na terça-feira (8), com o Serviço Nacional de Saúde (NHS, sigla em inglês) priorizando a vacinação de maiores de 80 anos, funcionários de saúde na linha de frente e funcionários e moradores de casas de repouso.

Leia também:
Medidas de Biden contra Covid-19 são exemplo para Brasil, diz ex-Anvisa
Pandemia será prioridade máxima, diz brasileira escolhida para comitê de Biden

Vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Pfizer e BioNTech
Vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Pfizer e BioNTech
Foto: Dado Ruvic/Reuters

 O Reino Unido aprovou o uso emergencial da vacina desenvolvida pela Pfizer PFE.N e BioNTech 22UAy.F, semana passada – pulando à frente na corrida global para começar o mais crucial programa de inoculação em massa da história.

No total, o Reino Unido fez um pedido por 40 milhões de doses. Como cada pessoa precisa de duas doses, é o bastante para vacinar 20 milhões de pessoas no país com 67 milhões de habitantes. Aproximadamente 800 mil doses devem estar disponíveis na primeira semana.

A vacina da Pfizer/BioNTech é de difícil armazenamento. Precisa ser mantida em temperaturas de -70 graus celsius e dura apenas cinco dias em um freezer normal. Por essa razão, o ministério da Saúde afirmou que a vacina seria administrada primeiro em 50 hospitais. Acrescentou que demoraria algumas horas para descongelar cada vacina e prepará-la ao uso.

O Sistema de Saúde da Inglaterra escreveu a médicos de clínicas gerais, dizendo para eles se prepararem para começar a vacinar por meio de serviços médicos legais a partir de 14 de dezembro. Em vez de administrar clínicas individuais, grupos de médicos locais vão operar mais de 1.000 centros de vacinação ao redor do país, disse o governo.

Caixas com a vacina contêm cinco pacotes com 975 doses, mas aprovação regulatória especial é necessária para dividi-las. Uma autoridade médica sênior disse que, enquanto ele espera que seja possível separar os pacotes e entregá-los diretamente às casas de repouso, não é uma garantia.

O Reino Unido está entre as primeiras nações a lançar sua campanha de vacinação fora do contexto de testes clínicos, aumentando as esperanças de que a maré possa virar contra o vírus que matou perto de 1,5 milhão de pessoas globalmente e atacou a economia mundial.

Com altos níveis de ceticismo em relação a vacinas preocupando especialistas em saúde, os jornais The Times e o Mail on Sunday publicaram que a Rainha Elizabeth, 94, e o seu marido, príncipe Philip, 99, “fariam com que o público soubesse” quando eles recebessem a vacina.

A rainha é muito admirada na sociedade britânica e o seu apoio público à vacina seria uma mensagem poderosa para rebater a desinformação contra a vacinação que circula online.

Mais Recentes da CNN