Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    República de Nagorno-Karabakh deixará de existir em 2024; entenda

    Presidente do governo autônomo, Samvel Shahramanyan, reconheceu a derrota na disputa que ocorre há décadas na região do Cáucaso

    Christian Edwardsda CNN

    A autoproclamada República de Nagorno-Karabakh deixará de existir a partir do próximo ano, depois de o seu presidente ter assinado um decreto dissolvendo as instituições estatais com a sua derrota para o Azerbaijão.

    A vitória do Azerbaijão na semana passada desencadeou um enorme êxodo de arménios étnicos que viviam em Nagorno-Karabakh e marcou o fim de décadas de conflito – e potencialmente o fim de séculos de presença arménia na região.

    Veja também – Armênios étnicos começam a deixar Nagorno-Karabakh

    O decreto do presidente Samvel Shahramanyan determina a dissolução de todas as instituições e organizações da República de Artsakh – que não é reconhecida internacionalmente – a partir de 1 de Janeiro de 2024. “A República de Nagorno-Karabakh (Artsakh) deixa de existir”, diz o decreto.

    O Azerbaijão recuperou o controle da região separatista na semana passada, após uma ofensiva que durou apenas 24 horas.

    Nagorno-Karabakh situa-se dentro das fronteiras do Azerbaijão, mas durante décadas funcionou de forma autônoma.

    O Azerbaijão tem sido claro há muito tempo sobre a escolha que os armênios de Karabakh enfrentam: ficar e aceitar a cidadania azerbaijana ou partir.

    A maioria da população fugiu ao invés de se submeter ao governo de Baku.

    Como isso aconteceu?

    Após gerações de guerras intermitentes e frágeis momentos de cessar-fogo, a rapidez com que Nagorno-Karabakh caiu nas mãos das tropas do Azerbaijão – e com a qual a sua população étnica armênia se esforçou para fugir – tem sido surpreendente.

    O Azerbaijão lançou a sua ofensiva no último dia 19, disparando mísseis e drones contra a capital regional de Stepanakert, no que marcou o início de uma terceira guerra travada pelo controle da região em muitas décadas.

    Sob a União Soviética, da qual o Azerbaijão e a Armênia são antigos membros, Nagorno-Karabakh tornou-se uma região autônoma dentro da república do Azerbaijão.

    As autoridades de Karabakh aprovaram uma resolução em 1988 declarando sua intenção de aderir à república da Armênia, causando o início dos combates quando a União Soviética começou a desmoronar, no que se tornou a Primeira Guerra de Karabakh.

    Cerca de 30 mil pessoas foram mortas ao longo de seis anos de violência, que terminou em 1994, quando o lado armênio ganhou o controle da região.

    Após anos de confrontos esporádicos, a Segunda Guerra de Karabakh começou em 2020. O Azerbaijão, apoiado pelo seu aliado histórico, a Turquia, recuperou um terço do território de Karabakh em apenas 44 dias, antes de ambos os lados concordarem em depor as armas numa operação mediada pela Rússia.

    Mas a terceira guerra duraria apenas um dia. A presidência de Karabakh disse que o seu exército tinha sido superado em número “várias vezes” pelas forças do Azerbaijão e não teve escolha senão render-se e concordar com “a dissolução e o desarmamento completo das suas forças armadas”.

    Àquela altura, o Azerbaijão já tinha matado pelo menos 200 pessoas e ferido centenas. Um segundo cessar-fogo – também mediado pela Rússia – entrou em vigor às 13h do último dia 20.

    A rapidez da rendição de Karabakh foi uma medida da sua inferioridade militar. Armado com drones turcos, o Azerbaijão obteve uma vitória esmagadora em 2020, atacando não só Nagorno-Karabakh, mas também a própria Armênia.

    Ao contrário de 2020, as forças armadas da Armênia não tentaram defender a região durante a ofensiva mais recente – em parte por medo de uma nova agressão do Azerbaijão.

    “Eles têm uma vantagem tão grande que poderiam facilmente dividir a Armênia em duas”, disse Olesya Vartanyan, analista sênior do Crisis Group para o Sul do Cáucaso, à CNN.

    “Apenas através de uma operação militar muito curta. Provavelmente um ou dois dias para que isso aconteça.”

    O desespero de Karabakh foi o triunfo de Baku. Num discurso à nação na quarta-feira (27) à noite, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, anunciou que as suas forças tinham “punido o inimigo adequadamente” e que Baku tinha restaurado a sua soberania “com mão de ferro”.

    Shahramanyan, o presidente das regiões, disse nesta quinta-feira (28) que assinou o decreto “devido à difícil situação político-militar atual”.

    A Presidência do Azerbaijão já tinha insistido que o governo de Artsakh – bem como as suas forças armadas – também se dissolvesse. O país alertou que, se não o fizessem, a ofensiva continuaria “até ao fim”.

    O que acontece agora?

    No dia seguinte ao cessar-fogo, Baku enviou representantes para se reunirem com autoridades de Karabakh e discutirem a “reintegração”.

    Poucos detalhes foram divulgados sobre as negociações, mas o Azerbaijão tem sido explícito há muito tempo sobre a escolha que os armênios étnicos enfrentam na região.

    Num discurso proferido em maio, ele disse que os responsáveis de Karabakh precisavam de “dobrar o pescoço” e aceitar a integração total no Azerbaijão.

    Farid Shafiyev, presidente do Centro de Análise de Relações Internacionais em Baku – uma organização envolvida nas discussões governamentais sobre “reintegração” – disse à CNN: “Aqueles que não querem aceitar a jurisdição do Azerbaijão, têm de sair. Aqueles que gostariam de ficar e obter os passaportes, são bem-vindos.”

    Aliyev afirmou que os direitos dos armênios de Karabakh “serão garantidos”, mas o primeiro-ministro da Arménia, Nikol Pashinyan, e especialistas internacionais alertaram repetidamente para o risco de limpeza étnica.

    Para muitos armênios de Karabakh, a “escolha” oferecida pelo Azerbaijão não era de todo uma escolha. “Não posso confiar neles, nas suas promessas falsas”, disse Siranush Sargsyan, jornalista local baseado em Stepanakert, à CNN.

    Anna Ohanyan, acadêmica sênior do programa Rússia e Eurásia do Carnegie Endowment for International Peace, disse temer o que aconteceria aos residentes locais que optaram por ficar e tentaram recusar a cidadania do Azerbaijão.

    “Se a comunidade arménia não partir, mas também não aceitar passaportes do Azerbaijão, penso que isso seria basicamente suicídio”, disse Ohanyan à CNN.

    Algum armênio permanecerá?

    Mais de metade da população local fugiu de Nagorno-Karabakh para a Armênia na manhã desta quinta-feira. Muitos não tinham esperança de poder regressar à sua terra natal ancestral.

    “Eles mudaram a nossa bandeira, o nosso governo rendeu-se. Isso é tudo. Nenhum armênio será deixado aqui dentro”, disse Nonna Poghosyan, coordenadora do programa da Universidade Americana da Armênia em Stepanakert, à CNN.

    Ohanyan disse que o melhor cenário seria que o Azerbaijão construísse “uma aldeia Potemkin” – isto é, um acordo falso com a intenção de pintar uma imagem falsa para o mundo exterior, do tipo que outrora foi usado para impressionar a imperatriz russa Catarina, a Grande.

    “Mas, a longo prazo, penso que haverá um impulso sistemático e uma engenharia demográfica contínua para empurrar as comunidades armênias para fora da região”, disse Ohanyan.

    Imagens compartilhadas com a CNN mostraram longas filas de carros ao longo do corredor de Lachin – a única estrada que liga o enclave à Armênia – enquanto milhares de residentes tentavam fugir de uma só vez.

    Poghosyan chegou à Armênia na manhã desta quinta-feira com o marido, filhos gêmeos, pais e avó. Ela disse que o que normalmente seria uma viagem de 45 minutos levou 35 horas para os sete, de tão engarrafada que a estrada estava.

    Quem levará os refugiados?

    Pashinyan disse num discurso no domingo que o seu governo “receberá as nossas irmãs e irmãos de Nagorno-Karabakh na República da Arménia com todo o cuidado”.

    Mas ainda não está claro até que ponto a Armênia – uma nação com cerca de 2,8 milhões de pessoas – está preparada para acolher até 120 mil pessoas que chegam de Nagorno-Karabakh.

    Muitos dos que se deslocaram desembarcaram em campos de refugiados temporários criados nas cidades fronteiriças de Goris e Kornidzor.

    Durante uma visita à Arménia, a chefe da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), Samantha Power, alertou que aqueles que chegavam sofriam de “desnutrição grave”.

    Nagorno-Karabakh está sob bloqueio desde dezembro de 2022, quando ativistas apoiados pelo Azerbaijão estabeleceram um posto de controle militar no corredor de Lachin.

    O bloqueio impediu a importação de alimentos, combustível e medicamentos para Nagorno-Karabakh, gerando receios de que os residentes estivessem a ser deixados à fome.

    A CNN conversou com os moradores de Stepanakert, capital da região, antes do início da ofensiva, que disseram que teriam de esperar horas na fila todos os dias para receber a sua ração diária de pão. O bloqueio só foi suspenso na semana passada para permitir a fuga dos moradores.

    Todos podem sair?

    Analistas disseram à CNN, antes do início das evacuações, que temiam que o Azerbaijão pudesse impedir a saída de certos membros da população.

    Vartanyan, do Crisis Group, disse estar preocupada com quem administraria as rotas para a Armênia.

    “Serão as forças de manutenção da paz russas, o CICV, ou serão as autoridades do Azerbaijão?” ela perguntou.

    “Isso significa que as pessoas terão que passar por campos de filtração? E então as pessoas serão detidas – por exemplo, os homens locais que participaram nos combates no passado, ou aqueles que faziam parte das autoridades locais de fato?”

    No fim de semana, “uma das principais coisas que as pessoas fizeram em Stepanakert foi queimar toda a documentação possível que pudesse servir de prova para as autoridades do Azerbaijão de que elas pessoalmente faziam parte do governo de fato”, disse Vartanyan.

    Na quarta-feira, Ruben Vardanyan, um proeminente político e empresário de Karabakh, foi preso num posto de fronteira no corredor de Lachin e levado para Baku, de acordo com o serviço de fronteira.

    O Azerbaijão alegou que Vardanyan tinha entrado ilegalmente no país, sem entrar em mais detalhes. Baku há muito afirma que o governo de Artsakh tem operado ilegalmente no seu território.

    No decreto assinado nesta quinta-feira, o presidente Shahramanyan apelou ao Azerbaijão para permitir a “passagem livre, irrestrita e desimpedida da população de Nagorno-Karabakh, incluindo os militantes que depuseram as armas, com os seus bens e meios de transporte através do corredor de Lachin”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original