Rússia diz que respostas dos EUA e Otan não atendem às preocupações do país

Ministro das Relações Exteriores russo afirmou que uma maior expansão da aliança ocidental é "inadmissível"

Uliana PavlovaTara JohnVasco Cotovioda CNN

Ouvir notícia

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse nesta quinta-feira (16) que as respostas por escrito apresentadas pelos Estados Unidos e pela Otan às demandas de segurança da Rússia não atendem às preocupações de Moscou sobre a expansão da aliança militar para o leste. A declaração foi feita diante dos altos temores de uma possível invasão da Ucrânia.

“Não há reação positiva sobre a questão principal deste documento”, disse Lavrov a jornalistas em Moscou. “A questão principal é a nossa posição clara sobre a inadmissibilidade de uma maior expansão da Otan para o Leste e a implantação de armas de ataque que poderiam ameaçar o território da Federação Russa.”

As tensões entre Moscou e Kiev estão em seu ponto mais alto em anos, com um grande acúmulo de tropas russas perto das fronteiras compartilhadas pelas duas ex-repúblicas soviéticas.

A Rússia negou repetidamente que esteja planejando uma invasão, mas argumentou que o apoio da Otan à Ucrânia — incluindo o aumento do fornecimento de armas e treinamento militar — constitui uma ameaça crescente.

Lavrov explicou que os EUA e a Otan concordaram anteriormente, no contexto da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), em não expandir às custas da segurança da Rússia.

“Apresentamos promessas não verbais, documentos escritos assinados pelos líderes de todos os países da OSCE, incluindo o presidente dos Estados Unidos (Declaração de Istambul de 1999, Declaração de Astana de 2010), nossos parceiros ocidentais precisam sair de uma situação mais séria”, explicou Lavrov.

“Este princípio é claramente declarado. Ele tem duas abordagens principais. Primeiro, o direito de cada estado de escolher livremente alianças militares é reconhecido. Segundo, a obrigação de cada estado de não fortalecer sua segurança em detrimento da segurança de outros.”

“Em outras palavras, o direito de escolher alianças é uma condição pela necessidade de levar em conta os interesses de segurança de qualquer outro estado da OSCE, incluindo a Federação Russa”, concluiu Lavrov.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia admitiu que as respostas dos EUA e da Otan podem levar a discussões sérias, mas apenas em questões secundárias.

“Há uma reação ali que nos permite contar com o início de uma conversa séria, mas em assuntos secundários”, disse.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, fez coro às mesmas preocupações, dizendo superficialmente que as principais preocupações da Rússia não foram abordadas. Ele, no entanto, se recusou a dar uma resposta oficial definitiva às respostas apresentadas pelos EUA e pela Otan.

Peskov disse a jornalistas durante uma teleconferência que Vladimir Putin leu as respostas escritas dos EUA e da Otan, mas acrescentou que o presidente da Rússia e seu governo não vão tirar conclusões precipitadas.

“O presidente já leu as respostas escritas”, disse ele. “Todos os papéis estão com o presidente. Levaremos algum tempo para analisá-las, não nos apressaremos em tirar conclusões.”

A resposta oficial da Rússia não demoraria muito, mas Peskov alertou que isso não aconteceria imediatamente.

Na linha de frente, ucranianos se preparam para possível conflito

Otan vê ‘espaço para progresso’

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse na quarta-feira que a resposta escrita dos EUA à Rússia “define um caminho diplomático sério a seguir, caso a Rússia o escolha”.

Os EUA disseram repetidamente que a exigência central de Putin, de que os EUA e a Otan se comprometam a nunca admitir a Ucrânia na aliança, não é negociável.

Blinken se recusou a detalhar os detalhes apresentados a Moscou na resposta escrita, mas reiterou a resposta pública do Ocidente para defender a “política de portas abertas” da Otan, rejeitando as exigências de Moscou de que a Otan se comprometa a nunca admitir a Ucrânia.

“Não há mudança. Não haverá mudança”, disse Blinken sobre o apoio dos EUA e da Otan à política de portas abertas da aliança.

“Deixamos claro que existem princípios fundamentais que estamos comprometidos a defender e defender, incluindo a soberania e a integridade territorial da Ucrânia, e o direito dos Estados de escolher seus próprios acordos e alianças de segurança”, acrescentou.

Jens Stoltenberg, secretário-geral da Otan, disse na quarta-feira que a resposta por escrito da aliança foi enviada “em paralelo com os Estados Unidos”.

Embora as posições de Moscou e da aliança sejam “distantes”, o chefe da Otan destacou três áreas principais onde a Otan vê “espaço para progresso”. Ele pediu que Moscou e a aliança reabrissem seus “respectivos escritórios em Moscou e em Bruxelas”.

Não está claro se a última abertura diplomática, solicitada por Moscou, mudará o curso das negociações entre a Rússia e o Ocidente, que continuaram nas últimas semanas.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Alexey Zaytsev, disse a jornalistas nesta quinta-feira que considera a ideia de guerra entre Rússia e Ucrânia “inaceitável”, acrescentando que uma discussão sobre um cessar-fogo no leste da Ucrânia em Paris “não foi fácil” e terminou sem resultado.

Ele estava se referindo à reunião de quarta-feira do chamado Formato da Normandia — uma conversa de quatro vias entre representantes da Ucrânia, Rússia, Alemanha e França — que vem tentando mediar a paz no leste da Ucrânia desde 2014.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, fez uma avaliação positiva das negociações, em uma declaração em que descreveu a discussão como significativa.

Zaytsev, da Rússia, disse esperar um resultado diferente quando os quatro países se encontrarem novamente em Berlim em duas semanas. “Não há alternativa aos acordos de Minsk”, disse ele em referência ao quadro para a paz na região que falhou repetidamente desde que foi implementado parcialmente pela primeira vez em 2015.

Acúmulo de tropas acende alerta

Os ucranianos — que estão em guerra há quase oito anos desde que a Rússia anexou a Crimeia e os separatistas apoiados pela Rússia assumiram o controle das cidades do leste ucraniano de Donetsk e Luhansk — estão desesperados por um alívio das ameaças de guerra.

Em um artigo de opinião publicado na CNN, Olesia Markovic descreveu como o acúmulo de tropas russas na fronteira estava soando alarmes para a sociedade ucraniana.

“As pessoas admitem que a incerteza e a falta de instruções claras de emergência estão drenando seus recursos intelectuais e emocionais, dificultando o foco nas tarefas atuais e sua capacidade de fazer planos de longo prazo”, escreve ela.

Na quinta-feira, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que Moscou, e não Kiev, deve fazer concessões para acalmar as tensões na região.

“A lógica de que é a Ucrânia que sempre tem que fazer concessões para evitar que a Rússia seja mais agressiva… não funciona dessa maneira”, disse Kuleba a jornalistas durante uma visita a Copenhague.

“Acredito firmemente que é importante que os países ocidentais tenham sucesso nesta crise em particular, pelas razões que mencionei, porque nos últimos anos, a Rússia tem atacado não apenas a Ucrânia”, disse ele, apontando para Moscou usando suprimentos de gás, supostos ataques cibernéticos e outras táticas para atingir o Ocidente.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN