Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rússia pode atacar Sloviansk, diz autoridade municipal

    Vadym Liakh, chefe da administração militar de Sloviansk, acredita que a população local será bombardeada com "mais e mais" frequência

    Casa é deixada em ruínas após ser atingida por um míssil, em 3 de julho, em Sloviansk, na Ucrânia
    Casa é deixada em ruínas após ser atingida por um míssil, em 3 de julho, em Sloviansk, na Ucrânia Scott Olson/Getty Images

    Olga Voitovychda CNN

    Ouvir notícia

    A Rússia provavelmente tentará montar uma ofensiva contra Sloviansk, chefe da administração militar da cidade, disse Vadym Liakh, acrescentando que as forças ucranianas estão atualmente mantendo os exércitos de Moscou no rio Siverskyi Donets.

    “Provavelmente, eles [atacarão Sloviansk]. É por isso que as investidas recebidas se tornaram mais frequentes”, disse Liakh na quarta-feira (6). “Acho que assim que o inimigo for capaz de realizar operações de assalto, começará a destruição da infraestrutura e da própria cidade.”

    Liakh deu uma atualização, dizendo que a linha de frente está agora ao longo do rio Siverskyi Donets, um “obstáculo natural” que a Rússia não superou até o momento. Ele acrescentou que muitas fortificações foram construídas perto de Sloviansk e Kramatorsk, possibilitando que as tropas ucranianas “contivessem o inimigo por 4 meses”.

    Até agora, as forças russas estão estacionadas no rio Siverskyi Donets há um mês, o que ele acha que “continuará assim. Mas, infelizmente, a população civil será bombardeada com mais e mais frequência”.

    Liakh também explicou que a situação dentro da cidade é “tensa”, dada a intensificação dos bombardeios nas últimas semanas, com vários mortos e feridos.

    “A infraestrutura crítica está operando, mas não há abastecimento de água centralizado há mais de um mês”, disse ele. “Também há problemas com eletricidade, cerca de um terço da população fica periodicamente sem eletricidade. Nós a restauramos, mas o inimigo a destrói novamente.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN