Rússia protesta formalmente contra carregamentos de armas dos EUA para a Ucrânia

Movimento acontece após governo de Joe Biden anunciar US$ 800 milhões em ajuda militar aos ucranianos

Um soldado ucraniano segura o FGM-148 Javelin, um míssil antitanque portátil de fabricação americana em um posto de controle perto da cidade ucraniana de Kharkiv
Um soldado ucraniano segura o FGM-148 Javelin, um míssil antitanque portátil de fabricação americana em um posto de controle perto da cidade ucraniana de Kharkiv Foto: Sergey Bobok/AFP/Getty Images

Natasha BertrandEvan PerezKylie Atwoodda CNN

Ouvir notícia

A Rússia protestou formalmente, nesta semana, contra o envio de armas dos Estados Unidos para a Ucrânia, enviando uma nota diplomática ao Departamento de Estado norte-americano alertando sobre “consequências imprevisíveis” caso o apoio continue, de acordo com dois funcionários dos EUA e outra fonte familiarizada com o documento.

A nota foi enviada no início desta semana, enquanto os EUA se preparavam para anunciar que enviariam um pacote adicional de ajuda militar de US$ 800 milhões à Ucrânia. O jornal Washington Post noticiou pela primeira vez o documento.

Os EUA concordaram pela primeira vez em fornecer a Kiev os tipos de capacidades de alta potência que alguns funcionários do governo Joe Biden, há algumas semanas, consideraram um risco de escalada muito grande, incluindo 11 helicópteros Mi-17, 18 canhões Howitzer de 155 mm e mais 300 drones Switchblade.

Uma fonte familiarizada com a nota diplomática russa disse que se espera que Moscou proteste contra os embarques, e ainda não está claro se isso significa que a Rússia mudará seu comportamento de alguma forma. Mas essa fonte reconheceu que a nota poderia sinalizar uma postura russa mais agressiva contra os EUA e a Otan à medida que a guerra se arrasta.

A CNN informou anteriormente que os Estados Unidos acreditam que a tolerância ao risco do presidente russo, Vladimir Putin, aumentou e que ele pode estar disposto a tomar medidas mais agressivas contra os EUA em resposta ao seu apoio à Ucrânia.

Solicitado para comentar, um funcionário do governo dos EUA disse: “Não confirmaremos nenhuma correspondência diplomática privada. O que podemos confirmar é que, junto com aliados e parceiros, estamos fornecendo à Ucrânia bilhões de dólares em assistência de segurança, que nossos ucranianos parceiros estão usando de forma extraordinária para defender seu país contra a agressão não provocada da Rússia e os horríveis atos de violência”.

O primeiro voo dos EUA dos US$ 800 milhões em nova ajuda para a Ucrânia deve chegar à região nas próximas 24 horas, de acordo com um alto funcionário da defesa. A autoridade disse que o material será recolhido na fronteira por ucranianos e levado para o país. O manifesto não está sendo divulgado.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, há meses pede ao Ocidente por equipamentos mais pesados para combater efetivamente os russos, que invadiram a Ucrânia em 24 de fevereiro.

Mas autoridades ucranianas e ocidentais desde então esperam que a Rússia lance uma grande ofensiva no leste da Ucrânia, que é um tipo diferente de terreno e requer diferentes tipos de armamento.

“É a primeira vez que fornecemos esses obuses [155mm] e as munições associadas, e isso reflete o tipo de luta que os ucranianos esperam enfrentar aqui nesta área geográfica mais confinada”, disse o porta-voz do Pentágono, John Kirby, a repórteres na quarta-feira (13), referindo-se à região de Donbas, no leste da Ucrânia.

Apesar dos protestos da Rússia, os EUA não estão mostrando sinais de diminuir seu apoio militar à Ucrânia. Autoridades do Pentágono se reuniram com empreiteiros de defesa esta semana para discutir como aumentar a produção dos tipos de sistemas e armas que a Ucrânia precisará para continuar lutando.

“Esta [reunião] foi realmente focada no tipo de sistemas e armas que foram relevantes na guerra da Ucrânia”, disse Kirby, bem como “a possibilidade de acelerar algumas dessas linhas de produção e expandir com base no forte apelo em nosso estoque.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN