Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rússia ultrapassa Alemanha e França em casos de coronavírus

    Com 177.160 casos confirmados nesta quinta-feira (7), o país passa a ter a quinta maior quantidade de casos registrados do mundo

    Policiais usam máscaras de proteção em Moscou no último dia 06 de maio
    Policiais usam máscaras de proteção em Moscou no último dia 06 de maio Foto: Evgenia Novozhenina/Reuters

    O número de casos do novo coronavírus na Rússia chegou a 177.160 nesta quinta-feira (7) após uma alta diária recorde de infecções. Agora, o país possui a quinta maior quantidade de casos registrados do mundo e mais ocorrências do que Alemanha ou França.

    O número de casos novos de Covid-19 chegou a 11.231 nas últimas 24 horas, de acordo com a força-tarefa contra o coronavírus do país. Mais da metade de todos os casos e mortes surgiram em Moscou, o epicentro do surto da Rússia.

    O número oficial de mortos, que continua muito abaixo em relação a muitos países, subiu para 1.625, porque 88 pessoas faleceram de quarta para quinta-feira, segundo a força-tarefa.

    Na quarta-feira (6), o prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin, disse que os casos confirmados estão aumentando na capital porque as autoridades intensificaram os exames. Também afirmou que a situação se estabilizou um pouco.

    A Rússia diz ter realizado mais de 4,8 milhões de exames para diagnosticar novos casos de coronavírus.

    Leia também:

    Rússia tem 10.000 novos casos de COVID-19, e problemas de Putin se acumulam

    Brasil não responde convite para aliança que busca vacina contra Covid-19

    E se uma vacina contra a COVID-19 nunca for desenvolvida? Já passamos por isso

    Ainda na última quarta-feira, o presidente Vladimir Putin apoiou um plano apresentado por Sobyanin para começar a suspender gradualmente algumas restrições do isolamento depois de 12 de maio. O plano permitirá, por exemplo, que certas instalações industriais voltem a funcionar.

    Moscou e outras regiões russas estão na sexta semana de isolamento.

    Os moradores da capital foram orientados a ficar em casa, exceto em determinadas circunstâncias, como sair para comprar alimento e remédios. Eles precisam de uma permissão digital para ir a qualquer lugar, seja com transporte público ou particular.

    A taxa de mortalidade relativamente baixa da Rússia levou alguns críticos do Kremlin a insinuarem que as autoridades podem estar ocultando os números reais do surto ao não identificarem as mortes causadas pelo coronavírus como tais.

    As autoridades negam estas alegações, observando que o surto da Rússia começou mais tarde do que o de muitas outras nações, o que lhe permitiu se preparar melhor para a pandemia.

    Hoje, a Rússia tem o quinto maior número de casos do mundo, de acordo com uma contagem da Universidade John Hopkins, dos Estados Unidos.

    (*Com informações da Reuters)