Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Saiba como deverá acabar a guerra na Ucrânia, segundo ex-diretor da CIA

    Comandante dos EUA e da coalizão nas guerras do Afeganistão e do Iraque, David Petraeus prevê que a guerra será diferente este ano, com ofensivas significativas provavelmente realizadas pelos dois lados

    Peter Bergenda CNN*

    A guerra na Ucrânia está em um impasse, mas isso não significa que não esteja mudando. O general David Petraeus prevê que a guerra será diferente este ano, com ofensivas significativas provavelmente realizadas pelos dois lados. No geral, a guerra continua a demonstrar fraquezas básicas nas forças armadas da Rússia, que já foi considerada uma das mais capazes do mundo.

    Petraeus passou décadas estudando a guerra e praticando sua aplicação. Ele foi o comandante dos EUA e da coalizão nas guerras do Afeganistão e do Iraque e, posteriormente, atuou como diretor da CIA. Ele obteve seu Ph.D. de Princeton com uma dissertação sobre a Guerra do Vietnã e as lições que os militares americanos tiraram dela. Petraeus também é co-autor, com o historiador britânico Andrew Roberts, do próximo livro, “Conflict: The Evolution of Warfare from 1945 to Ukraine”.

    Ao nos aproximarmos do primeiro aniversário da invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro, pedi a Petraeus que refletisse sobre as maiores lições da guerra.

    Ele diz que os russos perderam muitas batalhas por causa de múltiplas falhas de sua cultura militar, doutrina, estruturas organizacionais, treinamento e equipamento. Embora Petraeus diga que esta é, em muitos aspectos, a primeira guerra de código aberto, outros aspectos estão sendo combatidos com táticas e armas da Guerra Fria – embora com recursos atualizados, drones e munições de precisão.

    Petraeus, que criticou a retirada do Afeganistão pelo governo Biden, dá um tom diferente à Ucrânia. Ele diz que a equipe do presidente fez um trabalho impressionante ao liderar a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e o Ocidente para conter a invasão russa, embora tenha havido momentos em que ele gostaria de ter visto decisões para fornecer certos sistemas de armas (como tanques ocidentais e munições de longo alcance) feitas mais cedo do que foram feitas.

    O enorme apoio dos Estados Unidos e do Ocidente à Ucrânia significa, observa Petraeus, que embora os russos possam estar se preparando para enviar centenas de milhares de soldados à Ucrânia em uma nova ofensiva, eles enfrentarão nos próximos meses soldados mais bem treinados e organizados. Soldados ucranianos armados com mísseis americanos de longo alcance, veículos blindados e uma quantidade enorme de munição. E Petraeus diz que sua aposta ainda está com os ucranianos.

    Enquanto isso, como observa Petraeus, embora o presidente russo Vladimir Putin tenha decidido tornar a Rússia grande novamente com sua invasão da Ucrânia, ele conseguiu exatamente isso com a aliança da Otan.

    Realizamos a entrevista por e-mail.

    Bergen: Quem está ganhando a guerra?

    Petraeus: Não é a Rússia. Afinal, a Rússia perdeu as Batalhas de Kiev, Sumy, Chernihiv e Kharkiv; falhou em tomar o resto da costa sul da Ucrânia (nem mesmo passando por Mykolaiv, muito menos para o porto principal de Odesa).

    Perdeu o que ganhou na província de Kharkiv. E teve que retirar suas únicas forças a oeste do rio Dnipro, na província de Kherson, porque os ucranianos tornaram intransitáveis as pontes vitais de conexão com essas forças, retiraram o quartel-general e os locais de logística que apoiavam essas forças e os isolaram do resto da Rússia. elementos a leste do rio.

    Dito isso, as linhas de batalha desde a retirada das forças a oeste do Dnipro no outono passado têm sido bastante estáticas, embora as forças russas tenham feito ganhos esmagadores, incrementais e muito caros nas aldeias ao redor de Bakhmut, no sudeste da Ucrânia. E os ucranianos estão tendo que enviar forças adicionais para defender as áreas sob pressão.

    Portanto, a situação é essencialmente um impasse no momento, embora com a Rússia fazendo ataques custosos em várias áreas e com ambos os lados acumulando forças para operações ofensivas esperadas no final do inverno (provavelmente os russos) e primavera/verão (os ucranianos).

    O lado que gerar as forças mais capazes, bem treinadas e bem equipadas obterá os ganhos mais significativos. E minha aposta é na Ucrânia nesse quesito.

    Bergen: Quais são as lições da Guerra da Ucrânia para o futuro da guerra?

    Petraeus: Acho que devemos reconhecer que, com algumas exceções, a Ucrânia não é o futuro da guerra. Em grande medida, ela é o que seria caso a Guerra Fria tivesse esquentado em meados da década de 1980 – com sistemas de armas em grande parte da Guerra Fria (embora com alguma modernização).

    Estamos, no entanto, vendo alguns vislumbres e sugestões de como pode ser o futuro da guerra. Vemos o uso ucraniano de drones (de alcance e capacidade apenas modestos) como observadores aéreos identificando o quartel-general russo e outros alvos para as munições de precisão que os EUA forneceram (que dobrarão em alcance de 70-80 quilômetros para 150 quilômetros quando o recém-anunciado munições de precisão dos EUA chegam à Ucrânia).

    Vemos o impacto de mísseis antitanque e antiaéreos sofisticados, fornecidos pelo ocidente. Vimos o impacto do uso seleto de mísseis anti-navio de médio alcance. E vimos o uso de recursos cibernéticos ofensivos, embora não com enorme sucesso, pelos russos.

    Talvez mais notavelmente, é claro, vemos uma guerra ocorrendo, pela primeira vez, em um contexto que inclui a presença generalizada de smartphones, conectividade com a Internet, mídias sociais e outros sites da Internet.

    Mas, novamente, essas são apenas dicas de como seria o futuro da guerra entre potências avançadas. Em tal conflito, os sistemas de inteligência, vigilância e reconhecimento seriam incomparavelmente mais capazes; munições de precisão teriam alcance, velocidade e poder explosivo muito maiores.

    E haveria um número incomparavelmente maior de sistemas não tripulados muito mais capazes (alguns pilotados remotamente, outros operando de acordo com algoritmos) em todos os domínios – não apenas no ar, mas também no mar, submarino, no solo, no espaço sideral, e no ciberespaço, e operando em enxames, não apenas individualmente!

    E todas as capacidades de inteligência e ataque serão integradas e conectadas por sistemas avançados de comando, controle, comunicação e computador.

    Lembro-me de um ditado nos tempos da Guerra Fria que dizia: “Se pode ser visto, pode ser atingido; se pode ser atingido, pode ser morto.” Na verdade, não tínhamos os recursos de vigilância, munições de precisão e outros recursos necessários para realmente “operacionalizar” esse ditado naqueles dias. No futuro, porém, quase tudo – certamente cada plataforma, base e quartel-general – será visto e, portanto, suscetível a ser atingido e destruído (a menos que haja defesas substanciais e proteção desses ativos).

    Imaginar tudo isso ressalta, é claro, que devemos tomar inúmeras ações para transformar nossas forças e sistemas. Devemos impedir conflitos futuros garantindo que não haja dúvidas sobre nossas capacidades ou nossa disposição de empregá-las – e também fazendo todo o possível para garantir que a competição entre grandes potências não se transforme em conflito entre elas.

    Soldado ucraniano caminha em frente a prédio em chamas na cidade de Bakhmut, na linha de frente da guerra / 13/02/2023 Forças Armadas da Ucrânia/Divulgação via REUTERS

    Bergen: Vários anos atrás, algumas pessoas chamavam a Otan de obsoleta. É isso?

    Petraeus: Essa pergunta atinge uma das ironias da situação. Putin decidiu “tornar a Rússia grande novamente”. No entanto, o que ele fez foi tornar a Otan grande novamente – com duas potências muito capazes e historicamente neutras (Finlândia e Suécia) buscando a adesão à Otan; com o aumento substancial dos gastos com defesa pelos membros da Otan, principalmente a Alemanha; com o aumento das forças da Otan nos estados bálticos e na Europa oriental; e com a maior unidade entre os membros da Otan desde o fim da Guerra Fria.

    Graças a Putin, a descrição da Otan como sofrendo de “morte cerebral” pelo presidente francês Macron no final de 2019 acabou sendo mais do que um pouco prematura.

    Bergen: O desempenho dos militares russos na Ucrânia é surpreendente para você?

    Petraeus: Não completamente. Em entrevista ao The Atlantic publicada pouco antes da invasão russa, expliquei as consideráveis dificuldades que esperava que a Rússia encontrasse e observei que uma força de invasão de cerca de 190 mil homens era muito menos do que provavelmente seria necessário, especialmente se os ucranianos se mostrassem tão determinados como pensei que seriam (e têm sido ainda mais).

    Além disso, porém, nem eu previ o quão miserável seria o desempenho dos russos.

    Bergen: A Rússia está falhando por causa de falhas de inteligência? Falhas de seus recrutas? Falhas da cultura militar russa? Todos acima?

    Petraeus: Todos os itens acima e mais. A lista é longa, incluindo um design de campanha ruim; treinamento totalmente inadequado (o que eles estavam fazendo durante todos aqueles meses em que foram implantados nas fronteiras norte, leste e sul da Ucrânia?); comando, controle e comunicações deficientes; disciplina inadequada (e uma cultura que tolera crimes de guerra e abuso das populações locais); equipamento ruim (exemplificado por torres explodindo de tanques quando o fogo começa neles); capacidades logísticas insuficientes; incapacidade de obter efeitos de armas combinadas (para empregar todas as capacidades terrestres e aéreas de forma eficaz em conjunto); arquitetura organizacional inadequada; falta de um corpo profissional de suboficiais; um sistema de comando de cima para baixo que não promove iniciativa em níveis mais baixos e corrupção generalizada que prejudica todos os aspectos de suas forças armadas – e o complexo militar-industrial de apoio.

    Bergen: Então, não precisamos mais nos preocupar com a Rússia como uma “grande potência”?

    Petraeus: De jeito nenhum. A Rússia ainda tem enorme capacidade militar e certamente ainda é uma superpotência nuclear, bem como um país com enormes bênçãos energéticas, minerais e agrícolas. Também tem uma população (cerca de 145 milhões) que é quase o dobro da dos próximos maiores países europeus (Alemanha e Turquia, cada um com pouco mais de 80 milhões).

    E ainda é liderado por um ditador cleptocrata que abraça inúmeras queixas e visões revanchistas extremas que minam severamente sua tomada de decisão.

    Bergen: Você conhece a observação às vezes atribuída a Stalin: “A quantidade tem uma qualidade própria”. A Rússia tem uma população muito maior do que a Ucrânia: isso fará uma diferença crítica para a guerra na Ucrânia a longo prazo?

    Petraeus: Poderia se Putin mobilizasse toda a Rússia com sucesso. No entanto, até o momento, as mobilizações foram parciais, pois Putin parece temer como o país pode responder a uma mobilização total. De fato, supostamente, mais homens russos deixaram o país do que reportaram às estações de mobilização em resposta à última convocação parcial de reservas.

    No entanto, estima-se que cerca de 300 mil novos recrutas e reservistas mobilizados estão sendo enviados para as linhas de frente, com até 100-150 mil a mais a caminho. E isso não é trivial – porque a quantidade, de fato, importa.

    Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, se reúne com presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, em Bruxelas / 09/02/2023 Philippe Buissin/União Europeia 2023/Divulgação via REUTERS

    Bergen: Mas Napoleão está correto neste caso: “Na guerra, a moral está para o físico como três estão para um” – e a moral ucraniana parece ser maior.

    Petraeus: Esse é um fator enorme. Os ucranianos veem o conflito em andamento como sua Guerra de Independência e responderam de acordo. O presidente Volodomyr Zelensky tem sido positivamente no estilo Churchill ao reunir todos os ucranianos ao serviço de seu país enquanto luta por sua sobrevivência nacional.

    Assim, os ucranianos sabem pelo que estão lutando, embora não esteja claro se o mesmo é verdade para muitos dos soldados russos, um número desproporcional dos quais são de minorias étnicas e sectárias na Federação Russa.

    Além disso, a Ucrânia, até o momento, fez um trabalho melhor do que a Rússia no recrutamento, treinamento, equipamento, organização e emprego de forças adicionais – possibilitado pelo extraordinário apoio fornecido pelos EUA (mais de US$ 26 bilhões em armas, munições e outras assistências de segurança desde o início da última invasão) e outros países da Otan e ocidentais. E acho que veremos mais evidências disso quando a Ucrânia lançar sua contra-ofensiva na primavera ou no verão.

    Bergen: Que tecnologias provaram ser a chave para o sucesso ucraniano nesta guerra?

    Várias tecnologias novas parecem ter se mostrado importantes: os sistemas de satélite móvel Starlink de Elon Musk mantiveram as comunicações abertas para os ucranianos depois que os russos destruíram parcialmente o sistema telefônico e o bloquearam. Foguetes de precisão HIMARS fornecidos pelos EUA dizimaram alvos russos. Clearview AI, uma controversa tecnologia de reconhecimento facial usada por alguns departamentos de polícia dos EUA, permitiu que os ucranianos identificassem soldados russos no campo de batalha. Os drones armados turcos TB2 provaram ser devastadores para os alvos russos e os drones comerciais baratos ajudaram os ucranianos a encontrar alvos.

    Petraeus: Todas essas tecnologias se mostraram muito importantes, e os ucranianos demonstraram enorme habilidade na adaptação de várias tecnologias e aplicações comerciais para permitir a coleta de informações, direcionamento e outras tarefas militares.

    De fato, os ucranianos também mostraram habilidades excepcionais para soluções “McGyver” para uma variedade de problemas – seja adaptando mísseis ocidentais para uso em caças MiG-29, consertando veículos blindados danificados deixados no campo de batalha pelos russos (lembre-se do “exército de tratores” dos ucranianos), ou bloqueando as comunicações russas.

    E os ucranianos também demonstraram uma capacidade impressionante de aprender como empregar novos sistemas de armas e veículos muito mais rapidamente do que qualquer um esperava, pois desejam dominar novas capacidades o mais rápido possível e voltar à luta.

    Bergen: Como você classificaria a abordagem do governo Biden para a guerra na Ucrânia?

    Petraeus: Acho que o governo Biden liderou a Otan e o resto do mundo ocidental de maneira impressionante na resposta à invasão russa – fornecendo enormes quantidades de armas, munições e outros materiais e assistência econômica. E também orientando o esforço para impor sanções econômicas, financeiras e pessoais e controles de exportação à Rússia. (E eu ofereço isso, observando que não sou membro de um partido político e fui muito crítico em relação à decisão de retirada do Afeganistão e à forma como a retirada foi conduzida.)

    Para ter certeza, houve momentos em que senti que deveríamos ter decidido fornecer vários recursos (por exemplo, HIMARS, munições de precisão de longo alcance, tanques etc.) mais cedo do que o fizemos.

    No entanto, tendo sentado à mesa da Sala de Situação na Ala Oeste da Casa Branca, sei que é muito mais fácil adivinhar de fora do que tomar decisões difíceis no cargo. Mas há alguns recursos adicionais (drones avançados, até mesmo munições de precisão de longo alcance, aeronaves de caça e recursos adicionais de defesa aérea e contra-drones) que eu gostaria de ver os EUA fornecerem mais cedo do que mais tarde.

    Eventualmente, por exemplo, a Ucrânia terá que fazer a transição de aeronaves do bloco oriental (por exemplo, MiG-29s) para ocidentais (por exemplo, F-16s). Simplesmente não há mais MiGs para fornecer a eles, e eles supostamente têm mais pilotos do que aeronaves neste momento.

    Bergen: Como você classificaria Putin nesta campanha? Ele acertou em algum ponto?

    Petraeus: Putin obteve nota baixa até o momento. Lembremos que a primeira e mais importante tarefa de um líder estratégico é “acertar as grandes ideias” – ou seja, acertar a estratégia geral e as decisões fundamentais. Putin claramente falhou terrivelmente nessa tarefa, resultando em uma guerra que fez dele e de seu país um pária, atrasou a economia russa em uma década ou mais (perdendo muitos dos melhores e mais brilhantes da Rússia e levando mais de 1.200 empresas ocidentais a deixar Rússia ou reduzir as operações lá), causou danos catastróficos aos militares russos e sua reputação e colocou seu legado em sério risco.

    Dito isso, não devemos subestimar Putin. Ele ainda acredita que a Rússia pode “vencer por cansaço” os ucranianos, europeus e americanos da mesma forma que os russos venceram o exército de Napoleão e os nazistas de Hitler. E os EUA e nossa Otan e aliados e parceiros ocidentais precisam fazer tudo o que pudermos, o mais rápido possível, para alavancar a Ucrânia e provar que Putin está errado.

    Destroços do acidente de helicóptero em Brovary, Ucrânia, em 18 de janeiro / Brent Swails/CNN

    Bergen: O Grupo Wagner é a força que Putin envia para o moedor de carne das batalhas mais duras. Alguma ideia de usar mercenários, muitos dos quais são condenados, como tática?

    Petraeus: O que a Rússia fez com o que são, em essência, mercenários, como você notou, é um tanto inovador – mas também essencialmente desumano, pois envolve jogar soldados (muitos deles ex-presidiários) em batalha como bucha de canhão, e com pouco, se houver, preocupação com sua sobrevivência.

    Essas não são as táticas ou práticas que, no final das contas, promovem o desenvolvimento de unidades bem treinadas, disciplinadas, capazes e coesas que confiam em seus líderes e soldados à sua esquerda e à direita.

    Bergen: Quais são as lições da Ucrânia para os chineses se eles planejassem uma invasão de Taiwan, que não seria sobre uma fronteira terrestre vizinha, mas sobre um corpo de água de 160 quilômetros? O naufrágio do Moskva, o navio-almirante da marinha russa do Mar Negro, muda a forma como os chineses podem pensar sobre esta questão?

    Petraeus: Como observação geral, acho que os acontecimentos na Ucrânia devem ser uma advertência para qualquer país ao redor do mundo que esteja contemplando uma operação militar muito desafiadora – especialmente se as forças daquele país não se engajaram em grandes (ou nenhuma) operações de combate em muitos décadas.

    E especialmente se o alvo de tal operação tiver uma população disposta a lutar ferozmente por sua sobrevivência e ser apoiada por grandes potências – não apenas militarmente, mas com substanciais sanções econômicas, financeiras e pessoais e controles de exportação.

    Bergen: Putin insinuou o uso de armas nucleares táticas na Ucrânia: isso é plausível? Qual seria/deveria ser a resposta dos EUA se isso acontecesse?

    Petraeus: Certamente é possível que Putin ordene o uso russo de armas nucleares táticas na Ucrânia, Peter, e devemos nos preocupar com essa possibilidade. No entanto, essa seria uma decisão incrivelmente ruim de sua parte, pois o uso de tais armas resultaria em uma situação pior para a Rússia do que antes de seu uso, em vez de uma situação melhor.

    E é fundamental que os líderes dos EUA e de outras nações ocidentais – e também da China e da Índia – transmitam clara e repetidamente a Putin que as consequências do uso de armas nucleares para a Rússia seriam, de fato, “catastróficas”. para citar o Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan.

    Bergen: Esta é a primeira guerra verdadeiramente de código aberto? A guerra na Ucrânia está sendo travada em parte nas redes sociais por Zelensky; satélites aéreos comerciais capturam grupos de batalha russos se movendo em tempo real, e as contas de mídia social de mercenários russos no Grupo Wagner documentam o que eles estão fazendo.

    Petraeus: Sim, acredito que sim. Esta é a primeira guerra em que smartphones e mídias sociais estão tão amplamente disponíveis e tão amplamente empregados. O resultado é uma transparência sem precedentes e uma quantidade extraordinária de informações disponíveis – tudo por meio das chamadas “fontes abertas”.

    Bergen: O que Putin quer?

    Petraeus: A longo prazo, Putin ainda quer negar a soberania da Ucrânia e torná-la parte da Federação Russa. Na versão revisionista e cheia de queixas da história de Putin, a Ucrânia não tem o direito de existir como um país independente.

    Dito isto, no curto prazo, tendo falhado em assumir o controle de Kiev e substituir o presidente Zelensky por uma figura pró-Rússia, Putin está tentando expandir a área da Ucrânia controlada pelas forças russas. Particularmente na parte sudeste da Rússia, e para solidificar o controle russo sobre as províncias que ligam a Rússia à Crimeia na chamada ponte terrestre, para que a Rússia não precise depender apenas da Ponte do Estreito de Kerch para conexão com a Crimeia.

    Bergen: Putin tem um plano? Ou ele está apenas improvisando?

    Petraeus: Bem, Putin recentemente nomeou o general Valery Gerasimov, chefe do estado-maior, o comandante da guerra na Ucrânia, presumivelmente para garantir que o Exército russo e o Ministério da Defesa estejam fazendo tudo o que podem para gerar forças adicionais para o campo de batalha em Ucrânia. E a Rússia tem buscado armas, munições e sistemas de armas adicionais de outros países – como o Irã e a Coreia do Norte – para compensar as deficiências na produção das indústrias militares da Rússia que são limitadas pelos controles de exportação.

    Além disso, parece que a Rússia está reunindo soldados de reposição e unidades adicionais para lançar uma ofensiva para tomar as porções das províncias de Donetsk e Luhansk no sudeste, que eles não controlam – ao mesmo tempo em que estabelece posições defensivas em profundidade em outras áreas que eles controlam. no sul.

    Dito isto, não parece haver um novo plano particularmente inovador, dadas as limitações das capacidades profissionais das forças russas e sua incapacidade demonstrada de gerar “efeito de armas combinadas” – integrar as ações de tanques com infantaria, artilharia/morteiros , engenheiros, eliminação de munições explosivas, guerra eletrônica, apoio aéreo aproximado de asa fixa e rotativa, defesas aéreas, comando e controle efetivos, drones, etc.

    Na ausência disso, provavelmente veremos mais do que vimos no passado – comandantes russos lançando soldados recentemente mobilizados, inadequadamente treinados e mal equipados em combates difíceis. E apoiados por artilharia massiva e fogos de foguetes (supondo que eles possam manter o suprimento de projéteis de artilharia e foguetes), para obter ganhos incrementais, dispendiosos e esmagadores – com, talvez, um avanço limitado ocasional.

    E tudo isso acontecerá enquanto aguardamos a ofensiva ucraniana que será lançada na primavera ou no verão, com forças ucranianas muito mais bem treinadas, mais bem equipadas e mais capazes.

    Bergen: Como o próximo estágio da guerra será diferente do primeiro ano?

    Petraeus: Haverá vários novos recursos este ano, mais significativamente as capacidades adicionais do lado ucraniano: tanques ocidentais e veículos de combate de infantaria; munições de maior alcance e precisão para os HIMARS (sistemas de foguetes de artilharia de alta mobilidade) fornecidos pelos EUA, que permitirão ataques precisos de até 150 quilômetros (o dobro do alcance da atual munição de precisão); sistemas adicionais de defesa aérea de vários tipos; defesas aéreas aumentadas e veículos blindados adicionais com rodas, bem como enormes quantidades de munição adicional de todos os tipos.

    Além disso, acredito que veremos forças ucranianas que são muito mais capazes do que os russos em alcançar o tipo de efeitos de armas combinadas que descrevi anteriormente e que, assim, permitem operações ofensivas muito mais eficazes e podem desequilibrar algumas das defesas russas. Podemos não ver tudo isso, no entanto, até a primavera ou mesmo o verão, dada a quantidade de tempo necessária para as forças ucranianas receberem e treinarem nos novos tanques ocidentais e outros sistemas.

    Enquanto isso, além da ofensiva russa que mencionei anteriormente, temo que também veremos ataques russos adicionais à infraestrutura ucraniana com mísseis e foguetes russos, bem como com drones fornecidos pelo Irã – o que ressalta a importância de fazer tudo o que pudermos para restringir ainda mais as indústrias de armas russas e também as do Irã.

    Bergen: Em 2003, no início da Guerra do Iraque, você fez uma famosa pergunta retórica: “Diga-me como isso termina?” Pela guerra na Ucrânia: como isso termina?

    Petraeus: Acho que termina em uma resolução negociada, quando Putin reconhece que a guerra é insustentável tanto no campo de batalha (onde a Rússia no primeiro ano provavelmente sofreu muitas vezes as perdas que a URSS sofreu em quase uma década no Afeganistão) quanto no a frente doméstica (que foi fortemente impactada por sanções econômicas, financeiras, econômicas e pessoais e controles de exportação).

    Além disso, quando a Ucrânia atingir os limites de sua capacidade de resistir a ataques de mísseis e drones, obtém um plano semelhante ao Marshall (desenvolvido pelos EUA e G7) para ajudar a reconstruir o país e obtém uma garantia de segurança rígida (seja membro da Otan ou, se isso não é possível, uma garantia de coalizão liderada pelos EUA).

    Uma garantia de segurança será fundamental para permitir o sucesso do esforço de reconstrução e atrair investimentos externos.

    *Nota do editor: Peter Bergen é analista de segurança nacional da CNN, vice-presidente da New America e professor de prática na Arizona State University.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original