Saída da Rússia da ISS pode iniciar nova corrida espacial, diz chefe da Nasa

"Se a Rússia desistir, simplesmente não seria bom", disse Bill Nelson

Foto: Getty Images

Jackie Wattles,

do CNN Business, em Nova York

Ouvir notícia

Os Estados Unidos desfrutam há décadas de um relacionamento benéfico com a Rússia, que muitas vezes serviu como um poderoso símbolo de cooperação entre o Oriente e o Ocidente depois da Guerra Fria. Mas essa cooperação pode acabar em breve, e o novo chefe da Nasa, Bill Nelson, está preocupado.

Autoridades russas estão ameaçando sair da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), o laboratório orbital que os EUA e a Rússia operam em conjunto por duas décadas, já em 2024 em favor de operar uma estação espacial independente. Enquanto isso, Nelson e o governo dos EUA querem continuar o programa ISS até pelo menos 2030.

“Se a Rússia desistir”, disse Nelson, ” simplesmente não seria bom.”

Aumentando a complexidade das relações EUA-Rússia está o fato de que a Rússia sinalizou que está disposta a cooperar com a China nos planos de exploração do espaço profundo. Os dois países assinaram um memorando de entendimento no início deste ano para explorar o estabelecimento de uma base lunar conjunta, enquanto as tensões geopolíticas entre os EUA e a Rússia e a China estão em profunda crise por causa de abusos de direitos humanos, ataques cibernéticos e uma série de outras questões.

A Nasa também está proibida de abrir conversas com a China sobre a potencial coordenação bilateral por causa da Emenda Wolf, uma lei de 2011 que proíbe a agência espacial dos EUA de se envolver em tais discussões, a menos que seja explicitamente aprovada pelo FBI ou pelo Congresso.

“Se a Rússia começar dependendo apenas da China, então, espero que teremos uma nova corrida à lua com a China e a Rússia contra os EUA”, disse Nelson ao CNN Business. “Por décadas, cooperamos com russos no espaço e quero que essa cooperação continue.”

Ainda assim, Nelson disse estar esperançoso de que muitas conversas de altos funcionários do governo russo não reflitam o sentimento em relação aos Estados Unidos dentro da agência espacial russa.

Na sexta-feira, Nelson deu seu primeiro telefonema com Dmitry Rogozin, que comanda o Roscosmos desde 2018.

Quando contatado por telefone na sexta-feira, o secretário de imprensa da Nasa, Jackie McGuinness, disse que Rogozin e Nelson discutiram o futuro da cooperação do país no espaço, mas não houve promessas firmes sobre por quanto tempo Rogozin pretende permanecer parceiro.

De acordo com um comunicado da Roscosmos, Nelson expôs sua intenção de continuar operando a estação espacial até 2030 e Rogozin expressou apoio a Nelson, bem como abordou “várias questões que haviam sido iniciadas pelo lado dos EUA anteriormente e agora estão impedindo substancialmente a cooperação.”

O comunicado censurou as sanções “introduzidas pela administração americana contra as empresas da indústria espacial russa”.

Rogozin também anunciou “uma série de iniciativas (de pesquisa)” para a corporação russa-americana conjunta e “as partes concordaram em ativar conversações em todos os campos, incluindo o formato de reunião face a face”.

Em uma declaração separada de Nelson, ele disse que a ligação foi “produtiva” e que espera falar mais com Rogozin.

Rogozin tem um histórico de criticar publicamente os Estados Unidos, particularmente as empresas de foguetes sediadas nos EUA, incluindo a SpaceX de Elon Musk, que é uma grande parceira da Nasa e opera a única espaçonave americana capaz de transportar astronautas para a ISS. Foi também Rogozin que disse à mídia estatal russa em abril que a Rússia continuaria operando sua própria estação espacial, que poderia ser lançada em 2030, dizendo que “a estação deve ser nacional e se você quiser fazer bem, faça você mesmo”.

Mas as ações da Roscosmos indicaram que a Rússia e os EUA continuarão a compartilhar responsabilidades para manter a ISS totalmente equipada e com suprimentos por enquanto, disse McGuinness, da Nasa. O país planejou, por exemplo, os reparos necessários para a estação e ainda está programando voos para cosmonautas russos de e para o laboratório orbital.

(Esta matéria foi traduzida. Clique aqui para ler a versão original)

Mais Recentes da CNN