Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Secretário de Estado dos EUA pede extensão do acordo de grãos Rússia-Ucrânia

    Anthony Blinken quer que os países façam mais para responder à crise de insegurança alimentar, observando que “a ação é crucial”

    Jennifer Hanslerda CNN

    O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, pediu, nesta terça-feira (20), uma extensão do acordo para permitir que grãos ucranianos transitem pelo Mar Negro, que deve expirar em meados de novembro.

    Blinken observou que o acordo entre a Ucrânia e a Rússia, intermediado pela ONU e a Turquia, “nunca deveria ter sido necessário em primeiro lugar”, mas foi necessário depois que a guerra da Rússia bloqueou milhares de toneladas de grãos nos portos ucranianos. O presidente russo, Vladimir Putin, sugeriu recentemente que poderia retirar o acordo.

    “Isso precisa continuar, precisa ser renovado, isso é urgente”, disse Blinken em uma Cúpula Global de Segurança Alimentar realizada durante a semana de alto nível da Assembleia-Geral da ONU.

    “Como você ouviu de alguns de meus colegas, apesar de algumas informações erradas que continuam vindo de Moscou, que grãos e outros produtos alimentícios estão chegando onde precisam ir, para os países mais necessitados, predominantemente no Sul Global”. disse Blinken.

    O principal diplomata dos EUA pediu aos países que façam mais para responder à crise de insegurança alimentar, observando que “a ação é crucial”.

    “Alguns países com capacidade de fazer mais estão entre os que fazem menos. Isso precisa mudar”, disse Blinken, sem citar nomes. “E não importa o que os países fizeram até agora, todos os países são chamados a fazer mais.”

    Ele disse que o presidente Joe Biden anunciará uma nova assistência dos EUA na quarta-feira.

    Blinken também pediu o fortalecimento dos sistemas alimentares globais para aumentar a capacidade dos países de responder aos choques e aos efeitos da crise climática. Ele disse que o governo dos EUA trabalhará com o Congresso nos próximos cinco anos para investir mais de US$ 11 bilhões nesse objetivo.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original